Rádio Observador

FC Porto

Um resultado que não se via desde que Harry Truman estava na Casa Branca

1.390

O FC Porto não ia à Luz ganhar 0-2 desde 1950, há 69 anos. Sérgio Conceição chegou ao fim da reconstrução e tornou-se o único treinador da história dos dragões a ganhar duas vezes em casa do Benfica.

Os dragões perderam na primeira jornada, bateram o V. Setúbal na segunda e agora ganharam ao Benfica na terceira

NurPhoto via Getty Images

69 anos. Há 69 anos que o FC Porto não deixava as Antas ou o Dragão, não apanhava o autocarro até Lisboa, não entrava na Luz velha ou na Luz nova e não ganhava por 0-2. Desde a temporada 1950/51 que os dragões não venciam o Benfica em Lisboa por dois golos sem sofrerem nenhum: ora, em 1950, Portugal estava sob o regime do Estado Novo, Harry S. Truman era o presidente dos Estados Unidos, o mundo ainda estava a recuperar dos horrores da Segunda Guerra Mundial e o Woodstock, que este ano está a merecer especial destaque por ter acontecido há 50 anos, estava ainda a 19 longos verões de ocupar durante quatro dias e quatro noites um recinto no estado de Nova Iorque.

Naquela que é apenas a primeira reedição da maior vitória de sempre do FC Porto na Luz, Zé Luís inaugurou o marcador, estreando-se a marcar em clássicos no dia em que também se estreou a jogar em clássicos, e Marega marcou pela terceira vez ao Benfica (já tinha apontado um golo na meia-final da Taça da Liga, no ano passado, e tinha apontado outro ainda no Marítimo). Feitas as contas, os dragões aumentaram a vantagem na contabilidade dos encontros entre as duas equipas em casa dos encarnados: com esta vitória, o FC Porto tem agora sete vitórias contra quatro do Benfica, num total de 17 jogos que inclui ainda seis empates.

E Sérgio Conceição, que se tornou o primeiro treinador da história do FC Porto a ganhar duas vezes na Luz, igualou André Villas-Boas enquanto técnico com mais vitórias em casa do Benfica (ganhou antes de chegar aos dragões, ainda no Sp. Braga) e ainda somou os três resultados positivos no banco de suplentes a um outro que já tinha enquanto jogador. Depois da derrota na jornada inaugural da Liga, perante o Gil Vicente, e da eliminação na Liga dos Campeões com o Krasnodar, o FC Porto entrou numa espécie de vórtice negativo que chegou a ter no olho do furacão a continuidade (ou o fim dela) do treinador e que só acalmou na semana passada, com a goleada imposta ao V. Setúbal.

Este sábado, numa vitória que apaga ligeiramente as duas derrotas sofridas na temporada passada às mãos do Benfica — tanto na Luz como no Dragão –, os dragões abrem um novo capítulo que tem como objetivo a reconquista da Primeira Liga, a conquista das competições internas e o desejo, sem qualquer tipo de pudores, de chegar o mais longe possível na Liga Europa. Depois de um início de temporada que ainda prossegue e que tem como principal obstáculo o reconstruir de uma equipa que foi desfalcada de várias das suas principais valências — Casillas, Felipe, Militão, Herrera, Brahimi, Óliver –, Sérgio Conceição parece ter chegado a um onze tipo onde Marchesín não compromete tal como Casillas não comprometia, onde Pepe e Marcano são seguros como Felipe e Militão eram, onde Uribe serve de pêndulo tal como Herrera servia, onde Luis Díaz oferece o virtuosismo que Brahimi oferecia e onde Romário Baró tem a clareza que Óliver tinha. O treinador chegou à fase final de uma reconstrução que lhe foi imposta e parece não ter muitas dúvidas quanto aos próximos passos, assentes na mistura entre a jovialidade e a sobriedade e a rebeldia e a contenção.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)