Portugal alcançou o 12.º lugar global no Índice de Competitividade do Turismo e chegou mesmo ao primeiro lugar na categoria de Infraestruturas Turísticas do Relatório de Competitividade no Turismo de 2019, elaborado pelo Fórum Económico Mundial (WEF, na sigla em inglês). Os dados divulgados esta quarta-feira indicam ainda que o país é oitavo no ranking europeu, subindo assim face a 2013 e alcançando o melhor resultado de sempre.

O estudo, que é levado a cabo de dois em dois anos, tinha, em 2017, colocado Portugal no 14.º lugar em termos de competitividade a nível mundial. Agora, o país subiu ao 12.º lugar, em 140 países avaliados. Na categoria onde o país alcançou o primeiro lugar — a de Infraestruturas Turísticas –, o Fórum Económico Mundial destaca no relatório a “excecional densidade hoteleira, de ATM e a alta qualidade das infraestruturas turísticas” existentes em Portugal, que conseguiu ultrapassar países como Áustria, Estados Unidos e Espanha.

A secretária de Estado do Turismo salientou à Rádio Observador a importância deste relatório como “um instrumento de referência para investidores”. “Os investidores olham para este relatório geralmente como um parâmetro de avaliação dos países para a decisão de investimento, ou seja, ajuda-nos também a divulgar Portugal como um dos países top para investir”, acrescentou Ana Mendes Godinho.

Na categoria de recursos naturais e culturais, Portugal subiu do 20.º lugar para 15.º, num ranking que neste parâmetro é dominado pela China. No caso do transporte aéreo, Portugal subiu dez lugares em relação a 2017, ocupando agora o 21.º lugar. Já na categoria da rapidez na adoção de tecnologias, o país passou de 41.º para 38.º, enquanto na priorização do turismo ocupa agora o 12.º lugar e na segurança o nono lugar. “Este resultado é um reflexo do trabalho que todos têm feito em termos de investimento, na requalificação que temos feito de todos os nossos recursos”, sublinhou a secretária de Estado, acrescentando ainda que “é uma grande vitória de todos os que trabalham no turismo, porque são eles que têm feito este investimento”.

O índice avalia 14 itens que depois são usados para medir a competitividade de um país. Nos parâmetros a melhorar no país, de acordo com o Fórum Económico Mundial, estão as questões das infraestruturas aeroportuárias, onde Portugal está em 39.º, e a competitividade em termos de preço dos destinos, com o 95.º lugar para Portugal.

Este é um resultado claro não só daquilo que se tem feito em termos de investimento de requalificação do espaço público e da oferta turística, mas também do investimento privado que foi feito ao longo dos anos”, destacou ainda à Rádio Observador a secretária de Estado do Turismo.

No dia 14 de agosto, o Instituto Nacional de Estatística (INE) revelou que os principais indicadores da atividade turística aceleraram em junho, impulsionados pelos mercados interno e externo, com os hóspedes a aumentarem 9,7%, as dormidas a subirem 5,6% e as receitas a crescerem 11,8%.