A escola de programação Wild Code School tem 15 mil euros em bolsas de estudo para mulheres que queiram participar no curso de Data Analyst, de cinco meses, em Lisboa. Depois de lançar o“Pioneers”, o primeiro estudo sobre a realidade portuguesa das mulheres em tecnologia, a comunidade Portuguese Women in Tech, a Deloitte e a Polar Insight aliaram-se a esta escola de programação para criar mais oportunidades para as mulheres que queiram trabalhar no setor.

Estudo indica que 78% das portuguesas que trabalham em tecnologia já foi alvo de observações, gestos ou piadas sexistas

Para receberem as bolsas, as mulheres devem candidatar-se online, seguindo os tutoriais e os exercícios disponibilizados. O curso tem a duração de 700 horas, terá início a 9 de março de 2020 e permite às participantes adquirir as competências e conhecimento técnico necessários para a função de Data Analyst júnior, dominando ferramentas e linguagens de programação e transformação de dados.

“O facto de, seis meses após a nossa abertura, termos uma turma com 70% de mulheres demonstra que tivemos sucesso nesse aspeto. É por esta razão que continuamos a atribuir importância a este tema e que disponibilizamos agora estas bolsas, no sentido de contribuir para a redução deste problema na área tecnológica”, afirma Ana Sofia Martins, campus manager da Wild Code School, em comunicado.

A Wild Code School faz parte de uma rede europeia com 24 escolas de programação, com foco na reconversão de carreira na área da tecnologia e que, desde 2014, formou mais de dois milhares de pessoas. Está presente em Portugal desde março deste ano e conta com uma taxa de empregabilidade que ronda os 75%.

No estudo “Pioneers”, recentemente divulgado, as inquiridas foram questionadas sobre como poderia ser aumentada a  paridade de género na tecnologia e a criação de mais iniciativas focadas na capacitação foi a opção mais referida.