O empate em Oliveira de Azeméis foi arrancado “a ferros”, a igualdade com a Juventude de Viana um balde de água fria por chegar na sequência de uma série de seis vitórias consecutivas. Quando dobrou da primeira para a segunda volta, o FC Porto perdeu qualquer margem de erro no Campeonato e a corrida pela revalidação do título passava e muito pelo clássico frente ao Sporting, no Dragão. O primeiro desafio, esse, foi amplamente superado.

Antes de um ciclo de partidas onde, depois de defrontar os leões, os azuis e brancos encontram HC Braga, Óquei de Barcelos e Benfica (antes de entrar numa fase de teórico favoritismo no calendário que vai fechar com a receção à Oliveirense na última ronda), a formação de Guillem Cabestany goleou o Sporting por 6-0, confirmando também uma semana “negra” para os lisboetas onde saíram vergados do clássico depois de terem sido eliminados da Liga dos Campeões ainda na fase de grupos, ficando assim privados de revalidarem o título europeu.

Di Benedetto, com apenas 28 segundos de jogo, inaugurou o marcador no Dragão, que teve depois um clássico onde brilharam os guarda-redes Ângelo Girão e Xavi Malián entre várias oportunidades para ambos os lados. Foi preciso esperar quase até ao intervalo para se ver mais um golo, com Gonçalo Alves a aumentar para 2-0 (21′) antes de falhar um livre direto no mesmo minuto em que também Romero desperdiçara uma bola parada (23′).

No segundo tempo, depois de Toni Pérez ter permitido a Malián a defesa numa grande penalidade (27′), o mesmo Gonçalo Alves apontou o 3-0 para os azuis e brancos e começou a escrever uma goleada marcada pelo desacerto nas bolas paradas e pela quebra defensiva dos leões, que foram abrindo espaços aproveitados por Di Benedetto (33′ e 35′) e Rafa (43′) para consolidarem a superioridade dos dragões no clássico mais desequilibrado da temporada, depois dos triunfos verde e brancos no Campeonato (3-0) e na final da Taça Continental (3-2).

Com este resultado, o Benfica, que goleou esta noite a Juventude de Viana por 7-2, passou para a liderança isolada da prova com 43 pontos, mais três do que Sporting, mais quatro do que o FC Porto, mais cinco do que a Oliveirense (que derrotou a Sanjoanense por 7-5) e mais seis do que o Óquei de Barcelos, que protagonizou a grande surpresa desta 17.ª jornada ao empatar na Linha frente ao Paço de Arcos (2-2).