Tem 23 anos, é alemão, cumpriu a formação entre o Kaiserslautern e o Eintracht Trier, esteve na equipa principal de ambos os clubes mas está desde 2017 no Friburgo. É um defesa central de um metro e noventa, estreou-se pela seleção alemã no passado mês de outubro num particular com a Argentina e é filho de um antigo vencedor da Bundesliga, Harry Koch, que em 1998, ao lado de Ballack e orientado por Otto Rehhagel, fez parte da histórica equipa do Kaiserslautern que se sagrou campeã alemã. Robin Koch é tudo isto mas há uma coisa que não vai ser, pelo menos a breve prazo: reforço do Benfica.

Isto porque, esta terça-feira, vários meios de comunicação social portugueses davam como garantido o interesse — e até o acordo fechado — do Benfica pelo central alemão do Friburgo. Associada a uma eventual saída de Rúben Dias no final da temporada, a contratação era indicada como uma aposta forte dos encarnados no setor defensivo, já que Robin Koch é titular absoluto da equipa que está atualmente no oitavo lugar da Bundesliga, ainda a lutar pela última vaga para a Liga Europa. Confrontado com estas notícias, o Benfica decidiu emitir um comunicado para afastar os rumores de que até já terá acertado todos os termos com o internacional alemão.

“O Sport Lisboa e Benfica desmente que exista qualquer acordo ou que esteja fechado qualquer processo de negociação com vista à contratação do jogador Robin Koch, do Friburgo, conforme foi noticiado por alguns órgãos de comunicação social”, declarou o clube, esta terça-feira, no site oficial. Um nota curta mas bastante explicativa, que não afasta um eventual interesse dos encarnados em Robin Koch mas garante, pelo menos por agora, que o central alemão ainda não tem viagem marcada para Lisboa.