Dinamizar o estádio universitário, construir ginásios ao ar livre e promover um estilo de vida mais saudável são alguns dos objetivos da Universidade do Porto (UPorto), depois da ‘Healthy Campus’, revelou esta quarta-feira 23 de dezembro, a pró-reitora.

Em declarações à Lusa, Joana Carvalho, pró-reitora com o pelouro do desporto e qualidade de vida da UPorto, afirmou que a instituição pretende dar continuidade à “valorização das pessoas” e apostar “em garantir a qualidade de vida, saúde e bem-estar da comunidade académica”.

A UPorto foi uma das instituições do ensino superior a obter a certificação máxima de “Healthy Campus” por parte da Federação Internacional de Desporto.

“Este é um desígnio estratégico subjacente à visão até 2025 desta equipa reitoral, por essa razão estamos a desenvolver um plano integrado para a promoção da saúde e bem-estar na Universidade do Porto”, disse, acrescentando que o plano passa por promover a atividade física, mas também a alimentação saudável, a saúde mental, saúde sexual, saúde oral e sustentabilidade do campus.

Segundo a pró-reitora, para “promover um estilo de vida mais saudável” a instituição pretende no próximo ano dar continuidade a projetos já em curso como o Pausa Ativa, mas alargá-lo aos estudantes, de modo a que “nas aulas mais longas possam fazer uma pausa ativa durante 15 minutos”.

Outra das intenções é apostar no estádio municipal, recentemente remodelado, e “abrir as suas portas e disponibilizar as instalações e relvados” a toda a comunidade, explicou Joana Carvalho.

A UPorto pretende ainda construir ginásios ao ar livre nos três polos, bem como outras estruturas desportivas em todas as unidades orgânicas.

“Queremos que a atividade física entre de forma natural na rotina da comunidade académica e ao criar estas oportunidades estamos a tentar contribuir para que as pessoas tenham forma física”, disse a pró-reitora, referindo-se não só aos estudantes, mas também colaboradores, docentes e investigadores.

Além da promoção do exercício físico, a instituição ainda “aumentar a promoção da saúde mental” e desmistificar alguns problemas que são “cada vez mais comuns na sociedade” como a ansiedade, bem como ao nível da saúde sexual.

“Estamos a tentar desenvolver campanhas porque os problemas de saúde mental ainda são muito estigmatizados e não têm de ser”, referiu.

Nesse sentido, a UPorto pretende criar cursos de gestão de stress e ansiedade.

“Queremos também neste programa de uma universidade promotora de saúde ter a promoção da saúde sexual, que é outro tema tabu, mas que queremos que não seja. No entanto, tudo isto são pequenos passos”, disse.

Segundo a pró-reitora, a certificação de ‘Healthy Campus’ acarreta por isso uma “maior responsabilidade e desafio” para o futuro.