Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Vegetação difícil de ultrapassar, mais jogos de espelhos — a sugerir dimensões internas de discussão — e luzes mornas. Ambiente sugerido pelo teledisco de “In Between” — canção-título do novo disco de P.S. Lucas, músico açoriano e membro de Medeiros/Lucas que agora decidiu caminhar a solo — e que muito diz sobre o tecido narrativo e sonoro deste objeto de dez temas que esta sexta-feira, dia 15, é editado. Um punhado de canções simples e bem escritas, espécie de contos cantados, talvez algures entre a imperfeição e a procura de algo melhor, uma folk a querer ser jazz, sem manias.

E ainda que este seja o primeiro disco de P.S. Lucas, é difícil negar a importância do que ficou para trás no estabelecimento deste novo alter-ego. Que é mais um não-alter-ego:

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.