Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Benfica registou 17 casos de Covid-19 desde sábado e remeteu para a DGS uma decisão sobre a participação em competições nos próximos 14 dias, conforme revelou em comunicado. Desta forma, a meia-final da Taça da Liga frente ao Sp. Braga, na quarta-feira, encontra-se nesta altura em risco, aguardando-se uma posição da Liga. Aliás, a única hipótese que existe de não ser uma decisão exclusiva da Liga passa pela possibilidade de haver um fecho de todas as instalações no Centro de Estágios do Seixal por parte da DGS, como aconteceu com o Moreirense.

“O Sport Lisboa e Benfica comunica que, no decurso dos testes realizados desde sábado no Seixal, foram detetados 17 novos casos de Covid-19 entre staff, equipa técnica e jogadores. Perante estes dados, na defesa da saúde pública e da integridade física dos atletas envolvidos, o Benfica remete para a DGS a decisão de se apresentar em competição nos próximos 14 dias”, revelou o clube encarnado em comunicado nesta manhã de terça-feira. Entretanto, a conferência de antevisão de Jorge Jesus, marcada para as 14h, foi cancelada.

Desta forma, e entre as informações que entretanto foram sendo conhecidas, os nomes já conhecidos entre todos os casos positivos são os seguintes: Luís Filipe Vieira (presidente), Diogo Gonçalves, Gilberto, Vertonghen, Grimaldo, Waldschmidt (jogadores), João de Deus, Pietra, Tiago Oliveira, Paulo Lopes, Fernando Ferreira, Gil Henriques, Evandro Mota (equipa técnica), Telmo Firmino e Paulo Rebelo (fisioterapeutas). Mário Monteiro, Márcio Sampaio (ambos da equipa técnica) e Ricardo Antunes (médico) terão testado positivo ainda na sexta-feira.

“Na sequência das questões que estão a ser colocadas relativamente a casos de Covid-19 nos clubes de futebol, segue esclarecimento da Direção-Geral da Saúde, a Autoridade de Saúde territorialmente competente, avaliadas as circunstâncias e o risco, decide sobre os jogadores que ficam em isolamento, por motivo de doença, e sobre os jogadores que ficam em isolamento profilático, por serem considerados contactos de risco. A decisão quanto ao restante plantel é da responsabilidade dos clubes desportivos”, esclareceu a DGS numa nota esta manhã.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Só nesse período os encarnados fariam cinco a seis jogos oficiais: no dia 20, quarta-feira, frente ao Sp. Braga na meia-final da Taça da Liga; no dia 23, em caso de vitória, a final da Taça da Liga; no dia 25, frente ao Nacional na 15.ª jornada do Campeonato (data que seria alterada em caso de vitória na meia-final frente ao Sp. Braga); no dia 28, frente ao Belenenses SAD nos quartos da Taça de Portugal; no dia 31, frente ao Sporting na 16.ª jornada do Campeonato; e no dia 3 de fevereiro, frente ao V. Guimarães na 17.ª jornada do Campeonato.

Fazendo uma cronologia dos casos que já eram conhecidos, esta sexta-feira, em vésperas do jogo com o FC Porto no Dragão, três elementos do staff ficaram em Lisboa e em isolamento após testarem positivo: o preparador físico Mário Monteiro, o recuperado físico Márcio Sampaio e o médico Ricardo Antunes. Esta segunda-feira, Luisão, que tinha sintomas, foi também isolado e os testes detetaram mais quatro casos além do diretor geral: o avançado Luca Waldschmidt, os adjuntos João de Deus e Pietra e o treinador de guarda-redes Fernando Ferreira.

Em paralelo, sabia-se também que Gilberto e Everton, neste caso ainda por uma questão de precaução, tinham também ficado em isolamento, com suspeitas de que pudessem também estar infetados. Esta manhã as águias comunicaram um total de 17 casos quando até à noite de ontem eram apenas conhecidos oito confirmados. Ao todo, os encarnados terão nesta altura cinco jogadores infetados entre todos os casos entretanto conhecidos. “O Sport Lisboa e Benfica informa que foram detetados cinco casos positivos nos mais recentes testes de diagnóstico Covid-19 realizados aos jogadores do futebol profissional. Gilberto, Vertonghen, Grimaldo, Diogo Gonçalves e Waldschmidt testaram positivo ao novo coronavírus”, confirmou o clube em comunicado no site oficial. Everton está fora do lote de jogadores que contraíram Covid-19, apesar de ter sido colocado em isolamento.

Luís Filipe Vieira, presidente do clube, faz parte dos 17 infetados referidos esta terça-feira pelo clube. De acordo com a Bola, estão ainda nesse lote Tiago Oliveira (adjunto), Gil Henriques (analista), Paulo Lopes (treinador de guarda-redes), Telmo Firmino e Paulo Rebelo (fisioterapeutas) e Evandro Mota (psicólogo).

Antes, e desde o início da pandemia, o Benfica já registara um total de 12 casos, com especial incidência entre dezembro e janeiro: David Tavares ainda em maio; Svilar em setembro; Daniel dos Anjos, Weigl, Darwin Núñez e Taarabt em novembro, sendo que, à exceção do primeiro, todas essas infeções foram registadas após voltarem das respetivas seleções nacionais; Pizzi, Tiago Pinto (antigo diretor geral, agora na Roma), Gonçalo Ramos, Jardel, Seferovic e João Ferreira em dezembro; e Gabriel e Cervi, no segundo dia de janeiro de 2021.