Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Se o “segredo é a alma do negócio”, o da Ford tem sido ameaçado com a revelação de novidades da marca antecipadamente e sem que o fabricante de Dearborn controle a informação que sai cá para fora. Farta de ser vítima de fugas, a Ford decidiu tomar medidas a esse respeito, pelo que enviou um memorando aos seus fornecedores, instando-os a respeitar a política de confidencialidade que envolve o acordo entre as duas partes. Sucede que até esse pedido vazou, na íntegra, para a imprensa.

Imagens e informações acerca das novas estrelas da companhia, Bronco e Bronco Sport, escaparam para os meios de comunicação social muito antes do tempo e por via não oficial. O mesmo aconteceu aos futuros Mondeo Evo, Maverick e Ford 150- Raptor. Isto só no último ano, estando o construtor norte-americano convencido de que as fugas são exteriores à empresa. Por isso, lembrou os seus fornecedores da importância de manter segredo. Mas nem esta solicitação escapou. Ou, melhor, escapou: rapidamente foi tornada pública.

“É impossível enfatizar o suficiente o quão negativo é o impacto dessas infelizes acções nos nossos resultados e pedimos a vossa colaboração para obedecer às directrizes de confidencialidade inerentes aos termos e condições globais da Ford”, lia-se na missiva, onde o construtor fez questão de sublinhar que tem “uma política de tolerância zero para fugas internas”. No documento, a Ford acrescenta ainda que é fundamental que todos os fornecedores adoptem semelhante postura, não veiculando para o exterior, de forma não autorizada, “informações confidenciais” da marca.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR