Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Pablo Rivadulla Duró, também conhecido por Pablo Hasél, preso pelos Mossos d’Esquadra após se ter barricado na Universidade de Lleida, foi transferido para o estabelecimento prisional de Ponent. A advogada, Alejandra Matamoros, em entrevista à estação de televisão catalã CMMA, veio revelar mais detalhes sobre a prisão do rapper. Avançou que está integrado no coletivo de “presos antifascistas” e que se recusa a compartilhar cela: “Não sabemos que tipo de recluso é que vão colocar lá”.

A advogada fala mesmo em “linhas vermelhas” estabelecidas por Pablo Hasél. Esta segunda-feira, o rapper está sozinho numa cela, o que terá sido acordado com a polícia, mas recentemente Alejandra Matamoros terá sido informada que pretendem que partilhe o espaço com outra pessoa. “Não há as mínimas condições dignas de vida. Ele não quer compartilhar cela, porque elas são minúsculas, as condições são muito más”, explica a advogada.

Segundo o relato de Alejandra Matamoros, para Pablo Hasél ficar sozinho numa cela, o rapper terá de colaborar nos “trabalhos de limpeza além da sua cela”, o que rejeita fazer. E também se recusa a limpar os espaços comuns da cadeia e também a realizar tarefas como “servir jantar, limpar outros espaços”. “São trabalhos que os outros presos fazem para aceder a benefícios penitenciários”, explica a advogada, que deixa bem claro: “É uma das linhas vermelhas que tem o coletivo antifascistas. Eles não colaboram com a manutenção da prisão”. 

A advogada considera que é a pressão política que o governo espanhol faz que está por detrás desta mudança de decisão da direção do estabelecimento prisional. E também lembra que existia uma “norma não escrita” para reclusos antifascistas que estabelece que deveriam ser colocados em celas sozinhos. “Este direito conseguiu-se ganhar nos anos 80 à base de muitas greves de fome muito duras”, argumenta Alejandra Matamoros.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Questionada sobre como é que Pablo Hasél reagiu ao que aconteceu na noite de 16 de fevereiro, em que a polícia entrou pela Universidade de Lleida para o prender após ter estado barricado durante algumas horas, Alejandra Matamoros disse que “foi uma agitação constante” e “a noite foi tensa”. “Foi uma jornada intensa, de muitas entrevistas, de muitos meios de comunicação não só nacionais a cobrirem o assunto”, disse, acrescentando que o rapper vivenciou esta experiência “com muita raiva, como todas as pessoas”.

Alejandra Matamoros aproveitou ainda para lançar críticas a “grande parte dos meios de comunicação”, que estão a “esmerar-se por intoxicar o motivo pelo qual Pablo Hasél entrou na prisão”. E argumenta: “Dizem que não foi por motivos de liberdade de expressão, mas sim porque tinha antecedentes prévios. É falso. Pode ver-se na sua folha de antecedentes penais”. Ainda assim, admite que houve outra condenação, mas “pelos mesmos motivos”, ou seja por motivos relacionados com  a “liberdade de expressão”.

Pablo Hasél foi condenado a nove meses de prisão por, segundo a acusação, insultar as forças de ordem espanholas, glorificar o terrorismo e injuriar a monarquia. Os factos pelos quais o ‘rapper’ foi condenado remontam a 2014 e 2016, quando publicou uma canção no YouTube e dezenas de mensagens no Twitter, acusando as forças de ordem espanholas de tortura e de homicídios.