Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Homem, 48 anos, com queixas de dor no lado esquerdo da região lombar. O caso clínico chega às mãos de Carolina Pires e Tomás Araújo, alunos do terceiro ano de Medicina, do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS), mas de uma forma diferente do habitual: o doente é virtual, surge em 3D num ecrã tátil e os tratamentos e exames são feitos através de um simulador.

A primeira aula com recurso à plataforma Body-Interact, um simulador adquirido pelo ICBAS e pelo Centro Hospitalar Universitário do Porto (CHUP) – Hospital Santo António, foi lecionada na sexta-feira e marca o início de um novo complemento do ensino clínico. Esta plataforma vai permitir a estudantes e médicos treinar vários casos clínicos em doentes virtuais,

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.