Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Uma medalha olímpica de bronze no Rio de Janeiro, em 2016. Cinco medalhas em Campeonatos do Mundo entre 2005 e 2014. 15 medalhas em Europeus entre 2004 e 2021, exatamente em todas as edições em que participou. Um sem números de pódios em Masters, Grand Slams ou Grand Prix. Aos 35 anos, Telma Monteiro, uma das atletas portuguesas de sempre com mais conquistas em termos internacionais, já conseguiu quase tudo mas é a busca desse tudo que a torna ainda maior e os Mundiais de Budapeste eram mais um exemplo disso mesmo.

“Obviamente que, estando no Campeonato do Mundo, o meu objetivo é sempre as medalhas. Mas o meu principal objetivo são os Jogos Olímpicos. Já tive de esperar mais um ano por eles, tem sido um desafio muito grande e não vou abdicar disso, dessa concentração, dessa preparação, mas lutando num Campeonato do Mundo sei que tenho sempre possibilidade de subir ao pódio”, comentara na antevisão Telma Monteiro, que mesmo sem ter esse objetivo como prioritário podia conseguir o primeiro ouro em Mundiais após quatro pratas e um bronze, sabendo que todo o foco estará em Tóquio e na possibilidade de chegar a nova medalha olímpica. Não foi desta que o principal lugar no pódio chegou e também não conseguiu medalha, terminando na sétima posição.

Isenta da primeira ronda, Telma Monteiro, décima do ranking mundial e quinta cabeça de série atrás das duas canadianas Christa Deguchi e Jessica Klimkait, da kosovar Nora Gjakova e da japonesa Momo Tamaoki, começou por derrotar a búlgara Ivelina Ilieva (22.ª na hierarquia de -57kg) no golden score, defrontando depois a húngara Andrea Karman, que ganhara antes à americana Amelia Fulgentes, e vencendo por castigos.

Nos quartos, a melhor judoca portuguesa de sempre teria depois pela frente a japonesa Momo Tamaoki, quinta do ranking mundial e quarta cabeça de série em -57kg, que aproveitara um erro crasso nos últimos segundos do combate da terceira ronda para derrotar a georgiana Eteri Liparteliani. Podia ter caído para os dois lados, até pela dúvida nos castigos aplicados à atleta nacional nos quatro minutos iniciais, mas Telma Monteiro acabou por perder por castigos depois de mais de dez minutos de combate. Seguia-se a sérvia Marica Perisic, no primeiro combate das repescagens, que se transformou em mais uma maratona de dez minutos que teve outra vez como desfecho uma derrota por castigos acusando já o desgaste físico que vinha dos quartos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Também na categoria de -57kg, Wilsa Gomes, 55.ª do ranking, caiu no primeiro combate com a russa Anastasiia Konkina (29.ª) depois de um erro quando já estava com dois castigos, num momento que antecedeu aquela que foi a grande luta até ao momento com a húngara Hedvig Karakas a vencer a brasileira Ketelyn Nascimento no golden score após mais de 15 minutos e meio de combate e um visível desgaste nas duas judocas.

No quadro masculino, João Fernando, 90.º do ranking mundial, foi afastado na primeira ronda da categoria de -73kg por Victor Scvortov (19.º), dos Emirados Árabes Unidos, por um wazari sofrido já na parte final de um combate que acabou por ser mais equilibrado do que se previa e com boa réplica do português.