Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Três dias depois da segunda volta das eleições no Peru os resultados finais ainda não são conhecidos. Com 99% dos votos já contados até ao final do dia de terça-feira, Pedro Castilho tem 50,27% dos votos e Keiko Fujimori 49,72%, o que os deixa separados por 0,55, uma diferença de 96,108 votos.

Segundo a agência EFE, o órgão eleitoral já tinha alertado para o facto de o “voto rural e o voto na selva” poder alterar os resultados que se contabilizavam até então, nos quais Fujimori seguia na frente da corrida. Essa reviravolta que a fez passar para segundo lugar levou mesmo a líder conservadora a denunciar uma “fraude” na contagem das eleições.

Candidata Keiko Fujimori denuncia “fraude sistemática” na segunda volta das eleições presidenciais peruanas

Fujimori denunciou terem sido detetadas uma série de irregularidades no processo eleitoral realizado no domingo, referindo que são acusações que a preocupam e que merecem ser tornadas “evidentes”. Keiko Fujimori pediu ainda aos cidadãos que denunciem os casos de que têm conhecimento. Para a candidata, o partido Peru Libre levou a cabo uma “estratégia para distorcer ou atrasar os resultados que refletem a vontade popular”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O presidente do Júri Eleitoral Nacional do Peru, Jorge Salas, contestou as denúncias e lamentou que se faça um “mau favor” à democracia o facto de se “falar de uma fraude que não existe” e apenas está na “imaginação febril de alguém”. Também o partido de Castillo negou as acusações e assegurou que “nunca recorreu à fraude eleitoral”.