819kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

"Lobo e Cão": a ilha do tesouro de Cláudia Varejão

Este artigo tem mais de 1 ano

A realizadora portuense trabalhou com atores não profissionais para criar a sua primeira ficção. Uma história de "coming of age", com o amor e a ilha de São Miguel como personagens principais.

Ana (interpretada por Ana Cabral) é o eixo central de um filme que se desenvolve em redor das dores de crescimento, da consciência sexual e da insularidade de um mundo que quer ser maior
i

Ana (interpretada por Ana Cabral) é o eixo central de um filme que se desenvolve em redor das dores de crescimento, da consciência sexual e da insularidade de um mundo que quer ser maior

Ana (interpretada por Ana Cabral) é o eixo central de um filme que se desenvolve em redor das dores de crescimento, da consciência sexual e da insularidade de um mundo que quer ser maior

No cinema de Cláudia Varejão o amor persiste como uma constante. Por isso, existe muito quotidiano nas histórias que conta e rituais dentro desse dia-a-dia. Por defeito, a realizadora portuense (nascida em 1980) convida o espectador para um território desconhecido, mas o que acontece transmite um sentimento de familiaridade. O amor está em todo o lado. “Lobo e Cão” – vencedor de Melhor Filme na Giornata degli Autore na 79ª Bienal de Veneza – difere de “Ama-San” (2016) e “Amor Fati” (2019) no ponto de partida: aqui trata-se de ficção. Em tudo o resto, a experiência move-se do mesmo modo.

“Ama-San” e “Amor Fati” apresentam-se como documentários. O primeiro conta a história de uma tradição com mais de dois mil anos, que envolve mulheres dedicadas ao mergulho, que entram no mar apenas com o oxigénio que têm nos pulmões para apanharem ostras. “Amor Fati” filma diferentes grupos de pessoas para mostrar como elas têm (ou constroem) semelhanças físicas com a pessoa amada. A surpresa ao longo do filme passa por perceber que essa mesma pessoa amada não é necessariamente companheira, pode ser uma memória, alguém que se perdeu. E de como, por sobrevivência e persistência da memória, também nos podemos tornar um pouco naqueles que já não existem.

Nos dois filmes anteriores a “Lobo e Cão”, Cláudia Varejão usa o documentário como ponto de partida. O documentário, ou a ferramenta do documentário, serve para desarmar o espectador, para interiorizar a verdade do retrato para que não seja totalmente evidente a forma como aos poucos e poucos é possível ser envolvido por uma ficção. A evidência da virtude da realizadora manifesta-se porque os dois filmes nunca se sentem como híbridos e a ideia de documentário que pode ser ficção paira, mas não se concretiza durante a experiência: é algo que assalta o espectador muito depois.

[o trailer de “Lobo e Cão”:]

Agora, Varejão faz o caminho inverso. E, ao fazê-lo, percebe-se que estamos perante uma linguagem própria, um código que a realizadora tem construído com tempo, paciência e artifício. O ponto de partida é o envolvimento da comunidade local da ilha de São Miguel. Quis fazer um filme que integrasse a ilha, as pessoas, as histórias, as especificidades. Novamente há o amor, aqui o amor adolescente — melhor, aquele que se manifesta de forma descontrolada na passagem para a vida adulta. “Lobo e Cão” é uma obra sobre o coming of age.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O processo, então, pode ser a parte documental desta ficção. A realizadora trabalhou com atores locais, não profissionais, e uma equipa técnica e artística também açoriana. O processo transforma toda a experiência para o realizador, o mundo de “Lobo e Cão” respira, é vivo e familiar, as dinâmicas da ficção invadem a realidade de uma ilha. No passado, o quotidiano, os rituais diários, caminhavam para a ficção; aqui é a ficção que caminha para eles e, noutro estágio, os desembrulha a reforça a presença de uma realizadora numa ilha.

Ana (Ana Cabral) move-se como uma espécie de guia para todo o processo. O ponto de partida da história é o dia-a-dia de dois adolescentes gay (Ana e Luís, interpretado por Ruben Pimenta) que vivem numa comunidade insular e como se movem entre a vida familiar, a escola e o convívio com outros colegas, as adversidades que existem na comunidade, mas também o que constroem à volta para existirem enquanto adolescentes.

“Lobo e Cão” acontece de uma forma redentora, não só para o espectador, mas também da parte realizadora para com o objeto filmado: a ilha de São Miguel e as suas pessoas

Apesar da especificidade da ilha, “Lobo e Cão” atira-se de uma forma bela às dores de crescimento. Não é a identidade sexual que está no centro, mas o facto daquelas duas personagens, os dois adolescentes – e o seus amigos – estarem a deixar de ser adolescentes, movem-se para a idade adulta. Todo o filme é um movimento nesse sentido e, mais uma vez, Cláudia Varejão faz tudo acontecer com uma profunda humanidade e bondade.

Sim, está lá a comunidade da ilha de São Miguel. Sem ela este filme não poderia existir. E, sim, “Lobo e Cão” é sobre ela, sobre as especificidades de uma ilha, da população e de como essa combinação misturada com a necessidade de sobrevivência (o turismo, por exemplo) constrói uma história muito própria e particular. Tal como nas obras declaradas como documentário, Varejão, na primeira ficção, faz com que o filme pareça acontecer sem plano, o que só pode ser visto como virtude.

Um filme com esta estrutura, feito por Cláudia Varejão, teria de ter o amor como personagem. E, mais uma vez, a realizadora filma essa coisa difícil como uma possibilidade do dia-a-dia. Está em todo o lado nos seus filmes – por vezes também há paixão – e em “Lobo e Cão” acontece de uma forma redentora, não só para o espectador, mas também da parte realizadora para com o objeto filmado: a ilha de São Miguel e as suas pessoas. “Lobo e Cão” é uma carta de amor a uma ilha. Não àquela abstração de “um ilha”, enquanto pedaço de terra, mas a tudo o que nela se encontra.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos