817kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

O que está no outro lado do espelho de Liv Ullman?

Este artigo tem mais de 6 meses

Em três episódios de 45 minutos, Dheeraj Akolkar faz uma viagem pela vida da mulher e pela obra da artista. As conquistas, as derrotas, os elogios, as comparações e as memórias. Para ver na FilmIn.

O documentário apresenta a pessoa Liv Ullman, artista da cabeça aos pés, com uma presença a tempo inteiro neste mundo
i

O documentário apresenta a pessoa Liv Ullman, artista da cabeça aos pés, com uma presença a tempo inteiro neste mundo

O documentário apresenta a pessoa Liv Ullman, artista da cabeça aos pés, com uma presença a tempo inteiro neste mundo

Quando pensamos em Liv Ullman, a carreira que fez nos EUA estará no dossier de assuntos secundários. Mas talvez a lista de convidados de peso de Hollywood (Cate Blanchett, Jessica Chastain, John Lithgow e Jeremy Irons) tenha forçado Dheeraj Akolkar a dar tanta atenção no primeiro episódio a essa aventura e até a começar pela consagração aí, com o Óscar de carreira. “Liv Ullmann: Uma Estrada Menos Percorrida”, o documentário em três partes que está disponível na Filmin (e que passou pela última edição do Festival de Cannes) é um olhar transversal que tenta ir além da pessoa-atriz e, sobretudo, da relação profissional e pessoal com Ingmar Bergman.

Neste último tópico, isso explica-se fora de câmara, pela relação que existe entre Liv Ullman e o realizador Dheeraj Akolkar. O documentário de 2012 “Liv & Ingmar” abordou a relação de 42 anos e centrar este registo por aí seria redundante. Regressemos à América e ao Óscar honorário: o início justifica-se com a comparação a Greta Garbo. Depois de Greta, Ullman assumiu o papel de grande atriz nórdica no cinema americano.

A comparação situa Ullman face à audiência desprevenida e, em simultâneo, mostra um outro lado, o da indiferença perante o estrelato, por via da humildade e da ingenuidade. Talvez por isso a carreira da atriz em Hollywood não tenha corrido tão bem para a indústria quanto o esperado. Para a própria, esse desalinho em relação às expectativas parece apenas um detalhe, algo desajustado, sim, mas que lhe permitia voltar a casa e filmar com Ingmar Bergman.

[o trailer de “Liv Ullmann: Uma Estrada Menos Percorrida”:]

A comparação com Garbo atinge o limite numa história que Ullman conta, quando um dia, em Nova Iorque, a encontra na rua e começa a segui-la, para se apresentar, mostrar o seu respeito e dizer que estava lá, na América. Isto tudo acontece quando Liv está na Broadway como protagonista de “Anna Christie”, personagem que Greta interpretou no filme de 1930 de Frances Marion. Garbo sentiu que estava a ser seguida e foi acelerando o passo, Ullman fez o mesmo, Garbo acelerou ainda mais e assim a história continuou até se chegar à conclusão que Garbo nunca parou, não queria ser perturbada. Ullman percebeu e aceitou, como se nunca lhe tivesse interessado chegar lá, mas sim fazer o seu caminho.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Tímida — Ullman por vezes brinca dizendo que ninguém fala com ela nas festas no Festival de Cannes —, a artista que fala de si própria num documentário sobre a sua pessoa, parece sempre descrente do sucesso que alcançou, alheada dos seus talentos, das suas qualidades. O que lhe fica bem, porque permite que “Uma Estrada Menos Percorrida” saia do âmbito “atriz de Ingmar Bergman” e depressa a apresente como realizadora, argumentista, escritora, mulher, mãe que tem de lidar com o peso da ausência do pai na vida da filha, enquanto a própria também tem de trabalhar.

GettyImages-515450106 GettyImages-1302247475

Do trabalho e da vida em partilha com Ingmar Bergman à obra como cineasta, o documentário em três partes revela diferentes Liv Ullman, que se cruzam para criar uma figura singular

Bettmann Archive

“Uma Estrada Menos Percorrida” desmaterializa, portanto, uma visão limitada que possa existir da norueguesa, enquanto atriz — e mulher — de Ingmar Bergman, que durante largos anos deu corpo a algumas das personagens mais icónicas da filmografia do cineasta, seja no díptico “Persona” e “A Hora do Lobo”, naquele filme de terror sem catarse — como tão bem Mia Hansen-Løve o descreve em “A Ilha de Bergman” — ou em “Cenas da Vida Conjugal” e no regresso a essa personagem, décadas depois, no derradeiro filme de Bergman, “Saraband”.

O documentário apresenta a pessoa Liv Ullman, artista da cabeça aos pés, com uma presença a tempo inteiro neste mundo. E intensifica uma ideia que existe dela, de pessoa tímida, mas que fala sem filtros sobre a sua vida por via da inocência e do à-vontade de quem não guarda segredos. De certeza que tem muitos só seus, mas é a narrativa que conta. E o documentário de Dheeraj Akolkar explora muito bem esse lado, da Liv Ullman que fez um caminho autónomo e que tem um trabalho com voz própria.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos