815kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Estudo da Universidade do Minho identifica universo dos que mais jogam e vai avaliar situações de adição na raspadinha.
i

Estudo da Universidade do Minho identifica universo dos que mais jogam e vai avaliar situações de adição na raspadinha.

Pedro Granadeiro/Global Imagens

Estudo da Universidade do Minho identifica universo dos que mais jogam e vai avaliar situações de adição na raspadinha.

Pedro Granadeiro/Global Imagens

Maioria dos jogadores de raspadinha tem rendimentos abaixo de 1000 euros. "São os pobres a financiar os mais pobres"

Mais de metade dos jogadores da raspadinha tem rendimentos até 999 euros. Ganhar dinheiro é a motivação, mas "estão enganados", diz um dos autores de estudo que sinaliza 100 mil com problemas de jogo.

Mais 400 mil pessoas jogam todas as semanas na lotaria instantânea e, dessas, 60 mil fazem-no todos os dias. Esta é uma das conclusões do relatório feito por uma equipa multidisciplinar da Universidade do Minho para o Conselho Económico Social (CES) sobre a chamada raspadinha, o jogo social com mais expressão explorado pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

Segundo o estudo, 3.09% dos adultos estão em risco de desenvolver problemas de jogo concluindo que os problemas com raspadinhas podem afetar 1,21% da população adulta, o que corresponde a cerca de 100.000 adultos em Portugal. Neste universo, cerca de 30.000 pessoas apresentam sinais de perturbação de jogo patológico.

Esta primeira fase do estudo “Quem paga a raspadinha” confirma a existência de uma relação inversa entre o nível de rendimento e a probabilidade de jogar. É nas classes de rendimento entre os 665 os 999 euros por mês que existem mais jogadores da raspadinha, cerca de 31,5% da amostra. Já os rendimentos abaixo dos 400 euros representam cerca de 10%. Se juntarmos os rendimentos até 664 euros por mês — uma barreira que está abaixo do salário mínimo nacional — estes representam 23,7% dos jogadores identificados. O que significa que 55% dos jogadores ganha menos de mil euros por mês.

[Já saiu o último episódio da série em podcast “Um Espião no Kremlin”, a história escondida de como Putin montou uma teia de poder e guerra que pode escutar aqui. Pode ainda ouvir o primeiro episódio aqui, o segundo episódio aqui, o terceiro episódio aqui, o quarto episódio aqui e o quinto aqui ]

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

E quanto mais baixo é o rendimento maior é a probabilidade de jogar nas raspadinha quando comparado com rendimentos mais elevados. Essa probabilidade em quem ganha até 400 euros é 50% mais alta do que quem ganha 1.500 euros.

Dos milhões do jogo aos prejuízos na saúde e negócios internacionais. O que está a abalar as finanças da Santa Casa

Considerando que este jogo é a principal fonte de receitas da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa — cuja missão atribuída pelo Governo é usar este financiamento público para dar a assistência aos mais vulneráveis — um dos autores do estudo não tem dúvidas de que a raspadinha funciona como um imposto regressivo que levanta questões de natureza ética. “Temos os pobres a financiar os mais pobres”, afirma Luís Aguiar-Conraria, um dos economistas da Universidade do Minho que faz parte da equipa que está trabalhar para o CES.

Em declarações ao Observador, Conraria destaca ainda a motivação referida pela esmagadora maioria dos jogadores frequentes — cerca de 83% dos que o fazem todos os dias respondem que o fazem para ganhar dinheiro.

“Não perguntamos quanto ganhavam, mas perguntamos porque jogavam e demos vários motivos. E o grande motivo dos que jogam com muita frequência é jogar para ganhar dinheiro. Claramente estão enganados, estão a trabalhar mal com as probabilidades. Nestes jogos, por definição, perde-se dinheiro”.

"Não perguntamos quanto ganhavam, mas perguntamos porque jogavam e demos vários motivos. E o grande motivo dos que jogam com muita frequência declaram jogar para ganhar dinheiro. Claramente estão enganadas, estão a trabalhar mal com as probabilidades. Nestes jogos por definição perde-se dinheiro".
Luis Aguiar-Conraria, economista e membro da equipa da Universidade do Minho que está a fazer o estudo sobre a raspadinha

A primeira fase do estudo, que é apresentado esta terça-feira, fez o primeiro diagnóstico de qual é o perfil destes jogadores na população portuguesa e quais as respetivas característica socio-económicas.  Extrapolando as respostas válidas para o universo do último censos de 2021, o documento admite que 60 mil jogam todos os dias, o que representa cerca de 0,7% da população. 380 mil jogam todas as semanas — 4,39% da população — e 310 mil por mês — 3,56%.  

Despesa anual em jogadores frequentes chega aos 226 euros

De uma amostra inicial de mais de 3.000 entrevistados, o inquérito considerou 2.500 respostas válidas, mas nem todas as categorias têm esse número de respostas porque vários inquiridos desistiram de responder a meio. Numa das perguntas em que se nota essa diferença é na que quer saber qual é o gasto médio anual dos jogadores. Os dados recolhidos no inquérito apontam para menos de 40 euros (38 euros anuais), o que contrasta com as estimativas feitas pela própria Santa Casa, as quais apontam para um gasto médio de 150 euros por ano.

“Na realidade, gasta-se quatro vezes mais do que o nosso inquérito consegue apurar”. Conraria invoca a explicação dada pelo colega psiquiatra (Pedro Morgado) de que as pessoas mais compulsivas são as que não devem conseguir chegar ao fim do inquérito. E diz que pediu esses dados à empresa que fez o inquérito e que foi possível constatar em quem respondeu até essa pergunta do gasto (e depois desistiu sem concluir o inquérito, o que não permitiu usar a resposta do valor) que há uma “diferença brutal. Nessas pessoas a media de despesa é de 226 euros por ano, seis vezes mais, é absurdo e explica em parte o que nos está a escapar na amostra”.

60 mil pessoas jogam na raspadinha todos os dias, refere o estudo.

Pedro Granadeiro/Global Imagens

Mesmo apanhando apenas uma “fração da realidade”, o diagnóstico permitiu confirmar o perfil do jogador frequente que Aguiar-Conraria descreve como sendo mais velho — “são os únicos que jogam claramente acima da média nacional e que puxam a média para cima” — tendo baixas qualificações — ensino básico e secundário e ocupando profissões não qualificadas do setor do comércio e serviços (funcionários de cabeleireiros, empregados de restaurantes e polícias, são exemplos avançados) com um destaque que surpreendeu o economista para a profissão de operário, aquilo que em inglês é classificado como “blue collar workers”. Os dados sugerem que este jogador é mais mulher do que homem, mas ainda não há certezas absolutas.

Outros resultados que vão ser desenvolvidos na segunda fase do estudo é a correlação identificada entre o consumo em excesso de álcool e tabaco com a frequência do jogo. “É claro que as pessoas que declaram beber quatro ou mais vezes por dia têm um padrão de jogo muito superior ao dos outros”. O economista assinala também como novidade a parte médica. “Temos dados que mostram que as pessoas com maior probabilidade de neuroticismo (instabilidade emocional) e com maior tendência para a depressão estão a jogar mais.

No estudo é "claro que as pessoas que declaram beber quatro ou mais vezes por dia têm um padrão de jogo muito superior ao dos outros".
Luis Aguiar-Conraria, economista e membro da equipa da Universidade do Minho que está a fazer o estudo sobre a raspadinha

 Restringir, não. Menos publicidade e prémios diferidos

Essas pistas serão exploradas na segunda fase do estudo que se irá focar no universo identificado de jogadores com entrevistas presenciais nos locais de recolha deste tipo de apostas e fazer um diagnóstico mais afinado sobre as pessoas que sofrem de alguma perturbação de jogo. O “que temos para já são tendências e pistas para explorar”. A terceira fase, a mais médica, irá incidir sobre pessoas a quem foi diagnosticada uma prática de jogo patológica associada a uma adição muito forte e às quais serão feitas ressonâncias magnéticas para comparar os resultados com as ressonâncias feitas com outros doentes com outros tipos de adição como a droga, para avaliar os mecanismos cerebrais que atuam cada tipo de dependência.

Os dados até agora recolhidos e dos casos descritos na literatura internacional de estudos sobre a lotaria instantânea parecem sugerir que em Portugal há casos mais graves de adição, admite ainda. Mas do ponto de vista pessoal, Luís Aguiar-Conraria assume que não é favorável a qual tipo de limitação no acesso a este jogo.

“Eu que sou a favor das drogas leves, não vou ser a favor da proibição deste tipo de jogo. Acho é que o Estado tem de se comportar como sendo uma coisa negativa. Uma coisa é proibir o uso do tabaco, outra coisa é fazer publicidade ao tabaco”. E dá como exemplo, o lançamento da raspadinha do património promovida pelo Estado em 2021 e que acabou por ser retirada.

Para além de ações pedagógicas junto dos jogadores, para lhes mostrar como funcionam as probabilidades, admite outras ações como a inibição voluntária de jogar, como acontece já hoje nos casinos, e o diferimento do pagamento do prémio para evitar que quem ganhe 10 euros não os possa receber logo. “Vemos que quem ganha 10 euros, compra logo cinco raspadinhas”.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos