Histórico de atualizações
  • Bom dia!

    Obrigada por nos ter acompanhado durante o dia e a noite neste liveblog.

    Ao longo de sexta-feira, vamos atualizando aqui, neste link, a informação sobre a pandemia.

    Parlamento vota esta sexta-feira novo estado de emergência

  • Covid-19. 253 ventiladores continuam sem funcionar por causa de uma peça

    Marta Temido admitiu que 253 ventiladores continuam sem funcionar, devido a faltar uma peça que “não veio de origem e que está a escassear no mercado internacional”.

    Covid-19. 253 ventiladores continuam sem funcionar por causa de uma peça

  • Brasil regista 630 mortes e 22.294 casos em 24 horas

    O Brasil registou 630 mortes e 22.294 novos casos de Covid-19 em 24 horas, segundo balanço divulgado hoje pelo Ministério da Saúde do país.

    Ao todo, o maior país da América do Sul contabiliza 161.736 óbitos e 5.612.319 infeções provocadas pelo novo coronavírus.

    O Governo local alertou que não atualizou os números sobre pessoas já recuperadas e os dados sobre doentes em acompanhamento porque enfrentou problemas em seus sistemas informáticos e não foi possível atualizar estes dados.

  • Reino Unido reporta 24.141 casos diários, o terceiro registo mais elevado

    As autoridades de saúde britânicas reportaram hoje 24.141 casos de Covid-19 nas últimas 24 horas, o terceiro registo mais elevado de infeções diários. Na passada quarta-feira, o pais superou as 25.000 contaminações. O ministério da Saúde britânico dá conta ainda 378 mortes da doença.

    O Reino Unido totaliza, desde o início da pandemia, 1.123.197 casos de Covid-19 e 48.120 mortes.

    Estes casos surgem após vários britânicos terem saído para festejar antes do novo confinamento.

  • Mais três mortes por Covid-19 e 289 casos leva Angola a ultrapassar 12 mil infetados

    Angola registou mais 289 infeções pelo novo coronavírus, que ultrapassa assim os 12 mil casos, e mais três mortes, anunciou esta quinta-feira o secretário de Estado para a Saúde Pública angolano, Franco Mufinda.

    No total, foram já notificados 12.102 casos de Covid-19 em Angola, dos quais 299 óbitos.

  • Madeira mantém total de 202 infeções ativas

    A Madeira registou esta quinta-feira um novo caso de Covid-19, uma recuperação e 44 situações suspeitas, mantendo-se assim o total de 202 infeções ativas no arquipélago, indicou o Instituto de Administração da Saúde (IASAÚDE).

    O novo caso é de um viajante oriundo da República Checa e foi identificado na operação de rastreio no Aeroporto da Madeira.

  • Morreram dois doentes infetados no 2.º surto no hospital de Beja

    Dois dos doentes infetados no segundo surto de Covid-19 no hospital de Beja morreram e o número total de infeções subiu para 31, disse esta quinta-feira à Lusa a presidente da Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo (ULSBA).

    Conceição Margalha confirmou a existência de mais sete casos de infeção relacionados com o surto, sendo cinco de profissionais de saúde – três enfermeiros e dois técnicos superiores – e dois de doentes internados.

  • Setor do azeite teme que se intensifiquem problemas nas vendas e mão-de-obra

    Olivicultores e lagareiros temem que a pandemia de Covid-19 possa intensificar a falta de mão-de-obra sentida durante a apanha da azeitona e aumente as incertezas na comercialização de azeite, segundo afirmaram esta quinta-feira, em Alijó, representantes do setor.

    No Douro e em Trás-os-Montes já se apanha a azeitona e os lagares de azeite vão abrindo, gradualmente, as portas.

  • Alijó compra testes rápidos para rastrear agrupamento de escolas

    A Câmara de Alijó está em “processo de aquisição” de 1.200 testes rápidos para rastrear todos os alunos, professores e auxiliares do agrupamento de escolas do concelho, revelou hoje o presidente.

    José Paredes afirmou à agência Lusa que esta autarquia do distrito de Vila Real está a apostar numa estratégia de prevenção e referiu que a intenção é testar toda a comunidade escolar porque se teme que possa “ser um foco de desenvolvimento da doença Covid-19”.

  • Hospital Militar do Porto com 40 doentes transferidos de unidades da região

    O Hospital das Forças Armadas, no Porto, acolhe atualmente 40 doentes infetados com o novo coronavírus provenientes de hospitais da região, nomeadamente 20 de Amarante, mas também de Penafiel, São João e Santo António, foi esta quinta-feira divulgado.

    Em comunicado, as Forças Armadas referem que o hospital militar do Porto recebeu, entre quarta-feira e hoje, “mais 20 doentes” infetados com Covid-19, provenientes da unidade de Amarante, que pertence ao Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa (CHTS).

    O hospital de Penafiel, pertence, juntamente com a unidade de Amarante, ao CHTS, que já teve 235 doentes Covid-19 internados, o correspondente a 10% dos internamentos a nível nacional.

  • Novos apoios às empresas deverão chegar ainda este ano

    O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, espera que a primeira tranche dos subsídios chegue às empresas ainda em dezembro.

    Apesar de ser cauteloso, não dando garantias nesse sentido, o ministro entende que deverá haver condições para que o dinheiro comece a ser concedido até ao final do ano.

    No caso das linhas de crédito, o ministro acredita que o processo será mais rápido.

  • Empresas promotoras de espetáculos e indústrias exportadoras vão ter crédito convertido a fundo perdido

    O Governo vai lançar linhas de crédito para “empresas industriais com elevado volume de negócios provenientes de exportações”, no valor de 750 milhões de euros, anunciou o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, em conferência de imprensa.

    O crédito a cada empresa será determinado em função dos postos de trabalho. E do valor que recebere, “20% pode ser convertido a fundo perdido” se não despedirem.

    Também as empresas que organizam eventos e a outras empresas que, não sendo promotoras de espetáculos, trabalham nessa cadeia de valor têm direito a linhas de crédito, no valor total de 50 milhões de euros.

    Tal como no caso das exportadoras, do valor emprestado, 20% poderá ser “convertido a fundo perdido se houver manutenção postos de trabalho”.

  • Governo tem 750 milhões para subsídios a micro e pequenas empresas

    O Governo tem 750 milhões de euros para atribuir a micro e pequenas empresas em subsídios a fundo perdido, revelou o ministro da Economia em conferência de imprensa.

    Estão em causa empresas que tenham uma quebra de atividade de pelo menos 25% e que atuem em setores fortemente afetados pela crise, como o comércio e serviços abertos ao público, atividades culturais, alojamento e restauração.

    O valor máximo a que cada micro empresa terá direito ascende a 7.500 euros e no caso das pequenas empresas estão em causa até 40.000 euros.

    O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, estima que haja cerca de 100 mil empresas elegíveis para este apoio.

  • França bate recorde e ultrapassa mais de 58 mil casos

    França registou 58.046 casos de Covid-19 nas últimas 24 horas, o que marca um novo máximo de infeções diárias no país, revela a Reuters. Já na segunda-feira o país tinha atingido valores recorde com 53.238 casos. As autoridades francesas dão conta ainda de 363 óbitos resultantes da doença.

    Desde o início da pandemia, França contabiliza 1.601.367 casos de Covid-19 e 39.037 óbitos.

    Estes dados surgem após terem sido decretadas novas medidas restritivas de combate à pandemia em Paris.

  • Inglaterra voltou ao confinamento, Boris falou: "Há uma luz ao fundo do túnel"

    Boris Johnson afirmou esta quinta-feira, em conferência de imprensa, que as quatro semanas de confinamento decretadas em Inglaterra para travar a propagação da Covid-19 não são “uma repetição da primavera”.

    As escolas mantêm-se abertas. As regras são limitadas no tempo. E depois de 2 de dezembro, o governo planeia voltar a uma abordagem gradualista e menos restritiva, segundo Boris Johnson.

    A declaração de Boris Johnson de que as quatro semanas deverão ser suficientes para conter a propagação da Covid-19 e aliviar a pressão na capacidade de resposta dos hospitais ingleses surge quatro dias depois de uma declaração de um dos seus ministros, Michael Gove. O ministro do Conselho de Ministros de Boris não excluíra a hipótese do confinamento ser mais longo do que o previsto: “Com um vírus tão maligno e com sua capacidade de se mover tão rapidamente, seria tolice prever com certeza absoluta o que acontecerá em quatro semanas”, tinha dito Michael Gove.

    O primeiro-ministro britânico defendeu esta quinta-feira que “há uma luz ao fundo do túnel” e mostrou ter “toda a confiança” de que as medidas decretadas para novembro funcionem.

    Quanto à forma como as famílias inglesas e britânicas vão poder viver o Natal no fim de dezembro, disse apenas acreditar que será possível ter “um Natal tão normal quanto possível” nestas circunstâncias.

    O confinamento de quatro semanas decretado em Inglaterra — os restantes países do Reino Unido têm políticas autonomizadas de resposta à propagação da pandemia — entrou em vigor esta quinta-feira.

    Reino Unido anuncia novo confinamento por quatro semanas

  • Ministra da Saúde garante que ainda há 800 mil vacinas para a gripe em stock

    Questionada pelos deputados, Marta Temido assegura um reforço pontual das vacinas. Garante também que a contratação de médicos incluída no OE permite a 341 mil portugueses terem médico de família.

    Ministra da Saúde garante que ainda há 800 mil vacinas para a gripe em stock

  • Espanha. Maior número de vítimas mortais da segunda vaga

    O Ministério da Saúde espanhol confirmou esta quarta-feira mais 21.908 casos do novo coronavírus, 9.606 nas últimas 24 horas, e 368 mortes, o maior número de óbitos diários relacionados com o Covid-19 da segunda vaga da pandemia.

    Até ao momento, em Espanha já foram identificadas 1.306.316 infeções e 38.486 mortes pela doença.

  • Urgência do Hospital de Penafiel ampliada em 500 metros no fim de semana

    O Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa (CHTS), que já teve 235 doentes internados e 800 atendimentos diários na unidade de Penafiel, vai aumentar a atual urgência em 500 metros quadrados através de uma “estrutura exterior de apoio”.

    Entra em funcionamento, a partir deste fim de semana, uma estrutura exterior de apoio à urgência, com cerca de 500 metros quadrados, que ficará de modo definitivo ali instalada para auxiliar permanentemente o já habitual grande movimento na segunda maior urgência do Norte do país, descreve o CHTS em comunicado, referindo-se ao hospital Padre Américo, no concelho de Penafiel, distrito do Porto.

  • Medidas de apoio para empregadores são flexibilizadas

    O Conselho de Ministros aprovou um decreto-lei que flexibiliza as medidas de apoios para os empregadores. Em comunicado, o Governo diz que são “regras excecionais e temporárias” que “visam o apoio das empresas no contexto da retoma de atividade”. O objetivo passa nomeadamente pela ”manutenção dos postos de trabalho”.

    Em causa está uma atualização aos critérios de acesso ao Apoio à Retoma Progressiva, a medida que prevê que empregadores afetados pela pandemia e que se encontrem em crise (com quebra de faturação de pelo menos 25%) possam reduzir temporariamente o período normal de trabalho dos funcionários.

    O Governo quer agora que os empregadores “que tenham requerido o incentivo extraordinário à normalização da atividade empresarial” — o apoio que substituiu o “lay-off simplificado” — possam aceder ao Apoio à Retoma Progressiva “sem terem de devolver os montantes já recebidos”.

    Em setembro, as associações patronais queixaram-se da forma como estavam a ser tratados os sócio-gerentes no acesso ao apoio à redução da atividade.

    Às 18h00, o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, vai clarificar o âmbito desta medida.

  • Itália atinge novo máximo de casos diários e desde maio que não registava tantas mortes

    Itália bateu mais um recorde de casos diários do novo coronavírus. Hoje, o ministro da saúde italiano dá conta de 34.505 novos casos de Covid-19 nas últimas 24 horas. O último recorde tinha sido atingido a 30 de outubro, quando o país registou 31.756 casos.

    Houve também registo de 445 mortes resultantes de contaminações de SARS-CoV-2, sendo a primeira vez desde 2 de maio que Itália ultrapassa a barreira dos 400 óbitos.

    Desde o início da pandemia, Itália contabiliza 824.879 casos de Covid-19 e 40.192 mortes do novo coronavírus.

1 de 4