Rádio Observador

Mercado Imobiliário

A (bonita) panorâmica do mercado imobiliário nacional

Autor
  • Frederico Borges de Castro
280

Há cinco anos que o sector imobiliário não pára de por ovos "de ouro" e vive atualmente os melhores dias da última década, criando inúmeros postos de trabalho e estimulando a economia.

A crise de 2008/2011 foi arrasadora para o setor imobiliário e estima-se que só a construção civil tenha sido responsável pelo desaparecimento de cerca de 35 mil empresas e 250 mil postos de trabalho. Estamos agora no sentido inverso, mas quanto mais e até quando?

O imobiliário foi apelidado há uns anos atrás como “a galinha dos ovos de ouro” e efetivamente tem feito jus ao nome. Há cinco anos que não pára de por ovos e vive atualmente os melhores dias da última década, criando inúmeros postos de trabalho e estimulando a economia.

Alavancada inicialmente pelo turismo, a reabilitação urbana foi o despertar do setor transformando os centros de Lisboa e Porto em zonas irreconhecíveis para os locais que ocasionalmente lá passam. Posteriormente, verificou-se o alargamento da reabilitação aos bairros históricos que estavam esquecidos e abandonados a quem lá vivia. Mas já passámos a uma outra fase, onde a reabilitação urbana é cada vez menor e a construção de habitação nova, com maior incorporação de mão de obra, é cada vez maior. Por outro lado, também o chamado “imobiliário comercial” tem crescido.

Para compreender melhor o que se está a passar, vejamos a saúde e o futuro de alguns dos subsetores que compõem o imobiliário e qual o impacto que estes poderão ter na economia nos próximos anos.

Escritórios

O mercado de edifícios de escritórios existe essencialmente em Lisboa (e um pouco no Porto) e é uma área muito apetecível para os investidores internacionais. O crescimento da economia e a falta de produto disponível tem levado a uma baixa taxa de disponibilidade e ao consequente crescimento das rendas. Por outro lado, a procura atual exige cada vez mais espaços com flexibilidade e ainda a incorporação de tecnologia digital, o que vai tornando obsoletos e desadequados os edifícios mais antigos. Até ao fim de 2019 está prevista a conclusão de 55.000m2 os quais deverão ser todos ocupados. 2020 será um ano com pouca oferta adicional, mas até 2021 está prevista a conclusão de cerca de 80.000 m2 de produto novo, que pelos rácios de procura observados à data, ainda estarão aquém da procura. Assim, esta é uma área que se prevê continuar a crescer nos próximos anos.

Comércio

O comércio tem atualmente dois fatores chave que o influencia a nível nacional: o crescimento das compras online e o renascimento do comércio de rua. Por outro lado, constata-se que a oferta de centros comerciais já se encontra consolidada e que novas unidades não deverão surgir. Observa-se algumas poucas construções ou reconversões de Retail Parks e de Unidades de Retalho de Grandes Dimensões (Big Box Stand Alone), mas nada mais. Assim, não se prevê a construção de novas unidades mas é expectável que o produto existente venha a sofrer alterações conceptuais focadas na experiência do consumidor,  levando os centros comerciais a entrar em conceitos lúdicos que atraiam e mantenha o consumidor mais tempo dentro das instalações.

Logística

A logística em Portugal sempre foi um setor com pouca expressão e pouca atividade. Apesar de existirem algumas zonas consolidadas em redor de Lisboa, Porto e de outras cidades secundárias, é um setor que ao contrário da maioria, não se verifica a construção para arrendamento mas apenas a construção à medida de um potencial ocupante.

O expectável crescimento das empresas, derivado do aumento da atividade económica e do comércio eletrónico poderá vir a criar uma maior necessidade de espaços no futuro, mas sempre com pouca expressão comparativamente aos restantes setores.

Habitação

A procura continua superior à oferta e verifica-se que grande parte dos apartamentos são adquiridos nas fases iniciais dos projetos e a maioria é totalmente vendida antes da construção se encontrar concluída. Das unidades concluídas em 2018 praticamente já nada se encontra disponível para venda e das previstas para 2019 apenas uma pequena percentagem ainda se encontra disponível, o que demonstra o desequilíbrio entre a oferta e a procura.

O nivelamento entre a oferta e a procura apenas será possível através da construção nova com uma entrada de um número significativo de fogos no mercado. Mas o aumento da oferta encontra-se condicionado por um conjunto de fatores nomeadamente a falta de mão de obra, os elevados custos de construção que continuarão a subir e ainda são acrescidos 23% de IVA. A complicar ainda está a morosidade dos processos de licenciamento que não tem permitido uma rápida resposta do mercado.

Assim, prevê-se que a oferta comece a aumentar mais significativamente em 2020, em resultado da transação, nos últimos dois anos, de vários projetos. E tudo indica, que no 2º semestre de 2019, o volume de transação de terrenos para promoção residencial continue a crescer. O desenvolvimento destes projetos de maior escala e a entrada, ainda que gradual, destes fogos no mercado, tenderá a responder não há procura internacional mas sim à nacional que não encontra, nem em termos de preço, nem de caraterísticas, imóveis adequados às suas necessidades.

Imobiliário alternativo

Uma das novidades desta nova fase do imobiliário tem sido o que se denomina como setor alternativo. Essencialmente movido por investidores internacionais especialistas em diversos negócios, verifica-se o potencial surgimento de um conjunto de imóveis não tradicionais cujo valor resulta do sua operação económica. Entre outros destacam-se as residências de estudantes, co-living, co-working, residências seniores, habitação para arrendamento, equipamentos de saúde e de educação. Todas estas atividades obrigam imóveis de utilização específica e por isso prevê-se que resultem essencialmente em construção nova.

De todos, talvez o setor das residências de estudantes seja o que atualmente desperta maior interesse e onde se deverá verificar um maior investimento em 2019/2020.

Diretor Sénior de Avaliações e Consultoria estratégica da CBRE

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira
338

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)