Amor

A coragem necessária para amar de longe /premium

Autor
3.562

O problema não é apenas não poder abraçar. É não sentir o cheiro, não segurar a mão, não passar os dedos entre os cabelos. É não poder olhar nos olhos da pessoa para saber se tudo está realmente bem.

Longe. Para alguns 100km, para outros 10.000km. Para alguns, bastante tempo no carro, para outros 3 voos e algumas horas de estrada. Não existe uma medida certa para se definir a distância, mas acho que, para fins de amor, “longe” pode ser definido como o lugar onde está tudo aquilo que não se pode abraçar.

E o problema não é apenas não poder abraçar. É não sentir o cheiro, não segurar a mão, não passar os dedos entre os cabelos. É não poder olhar bem nos olhos da pessoa para saber se tudo está realmente bem, ou se é só conversa para não nos preocupar. É, de um modo geral, não poder sentir verdadeiramente quem se ama, nas diversas formas que a gente gostaria de sentir.

Mas nós vamos dando um jeito: as mensagens frequentes, os áudios com duração de mais minutos do que era de se esperar, as ligações que tentam sobreviver a uma conexão ruim de internet, as chamadas de vídeo que travam o tempo todo, mas que dão os melhores indícios de presença. Nada disso preenche o vazio, mas vamos tapando o sol com a peneira para poder seguir caminhando.

Outras vezes são objetos. Uma peça de roupa que a gente não lava para não perder o cheiro de quem se ama. O vidro com o resto do perfume do outro. O porta retrato na prateleira de casa, tentando suprir a ausência. O pano de prato dado pela avó, o relógio que era do pai, um brinquedo antigo do filho, o livro dado pela mãe, o colar que se roubou da irmã. Pequenos tesouros cujo valor só a gente entende.

Às vezes a distância é fruto de um movimento nosso. Às vezes é fruto de um movimento do outro. Outras vezes, de nenhum dos dois. Foi a vida que resolveu assim. Seja como for, é inevitável ter uma certa mágoa de quem partiu. Sobretudo se quem partiu fomos nós. Aí já nem é mágoa, é raiva mesmo: o que eu estou fazendo aqui? Por que eu tomei essa decisão? Quanto sofrimento eu impus aos que me amam? Com que direito?

São perguntas que não nos levam a grandes respostas. Estamos aqui porque estamos. Trabalho, estudo, outros amores. As pessoas partem porque partiram. Oportunidades, sonhos, necessidades. A distância existe porque é esta a geografia. O amor tem que ser grande. O amor tem que ser forte. O amor tem que ser generoso. Até porque, se não for grande, forte e generoso, é capaz de nem ser amor. Posse, paixão, carência, outra coisa. Mas amor, não.

Não sei dizer se a gente se acostuma. Acho que não. A gente só aprende a aceitar sem tanta relutância. Uma mistura de cansaço, conformismo e serenidade. Já que não há grande possibilidade de escolha, nosso peito vai deixando que a ausência se acomode lá dentro até que ela se encaixe de um jeitinho que pare de machucar. Já não machuca, mas a ausência está lá, incómoda, todos os dias.

O jeito é não perder a essência. Não esquecer que o que nos une é muitíssimo maior do que os quilómetros que nos separam. O jeito é focar no amor e não na ausência. Aproveitar cada palavra, olhar com calma para cada foto, saborear cada segundo da voz. Lembrar-se do cheiro e do toque com gratidão por tudo o que temos. Nos orgulharmos da nossa coragem de encarar as farpas da ausência para perseverar o bom do amor. E, acima de tudo, lembrar-se diariamente que para estar junto não é preciso estar perto.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: [email protected]
Crónica

Apenas leia o raio do meu e-mail /premium

Ruth Manus
1.063

O frenesi da nossa era faz com que as pessoas estejam tão, mas tão impacientes e superficiais a ponto de não conseguirem ler dois ou três parágrafos com um mínimo de atenção.

Crónica

Não chame uma mulher de meu anjo /premium

Ruth Manus
3.285

É muito mais fácil chamar uma mulher pelo nome. Ou de você. Ou de tu. Ou de senhora. Reserve seus tratamentos “carinhosos” para quem esteja com alguma vontade de recebê-los.

Catolicismo

As pedras nunca saberão o que é o amor

Filipa Ribeiro da Cunha
486

A promessa feita no dia do seu matrimónio -- indissolubilidade, fidelidade e fecundidade -- implica o desejo de manter o próprio e frágil amor dentro do Amor absolutamente seguro e estável de Deus.

Estados Unidos da América

O fim do trumpismo /premium

Paulo de Almeida Sande

Em Novembro não há apenas eleições para o Congresso dos EUA, está também em jogo o planeta, a escolha entre a cooperação frutífera e pacífica e um encarniçado nacionalismo, nativista e proteccionista.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)