Cuidem dos seus relacionamentos como quem cuida do próprio trabalho ou da própria saúde. Sim, são tempos difíceis. Tudo corrido, tudo estressante, família, trabalho, trânsito, crianças, dinheiro. Mas ainda parece que pequenas coisas podem promover grandes mudanças.

Olhe para o outro. Pergunte como foi seu dia. Ouça a resposta. Comente em vez de criticar. Parabenize-o pelas pequenas conquistas. Parabenize-o pela resiliência, quando não houver conquista alguma. Fale sobre seu dia, demonstre que a opinião do outro importa.

Coloque seu telefone de lado enquanto fala com seu parceiro ou quando ele fala com você. Olha para o seu rosto. Comente sobre seu cabelo, sua roupa. Qualquer coisa que demonstre que você repara. Repito: coloque o telefone de lado. As coisas podem esperar. Nem tudo é urgente. Se for urgente, ligam.

Cultivem interesses comuns. Uma série que assistam juntos. Músicas que os dois gostam. Livros que interessam a ambos. Projetos de viagens. Comidas planejadas para o fim do dia. Vamos pedir uma pizza hoje? Tudo bem se for terça. Vamos fazer aquele peixe hoje? Eu passo no mercado. Quer um vinho?

Troquem algumas mensagens ao longo do dia, de vez em quando, mesmo que poucas. Piadas. Memes. Emojis. Fotos antigas que apareceram como lembrança num aplicativo qualquer. Uma mensagem no meio da tarde, só para mandar um beijo. Nada de muito importante.

Criem pequenos rituais. Agradeçam ao outro no fim do dia. Ainda que o agradecimento seja por uma bobagem. “Obrigada por não ter chegado tarde, obrigada por ter pausado a série quando fui fazer xixi, obrigada por ter colocado a louça na máquina”. Devolva os agradecimentos. “Obrigado por ter levado o Zé à escola, obrigado por ter comprado o queijo do qual eu gosto, obrigado por me receber de bom humor”.

Dediquem tempo um ao outro. Se for 1/3 do que dedicam ao whatsapp, ao facebook ou ao instagram, já é algo imenso, capaz de salvar relações. Vão para a cama a mesma hora quando puderem. Não liguem a televisão. Passem tempo juntos. Não deixem que se abra um abismo entre os dois. Revertam distâncias. Busquem a intimidade.

Falem sobre problemas em momentos calmos. Não esperem para que isso só seja conversado em momentos de berros e choros. Cultivem a civilidade entre os dois. Digam as coisas de forma respeitosa. Não tapem o sol com a peneira, mas também não joguem a merda no ventilador.

Ao passar ao lado do outro, faça um carinho qualquer. Pegue na mão, toque no ombro, dê um beijo na testa. Mostre que a presença do outro faz diferença. Um cafuné de vez em quando. Um carinho enquanto o outro dirige o carro. Coisas que parecem não fazer diferença. Mas fazem. E muita.

Nenhuma história é fácil. Os caminhos de todos os casais são árduos. Mas quando não cuidamos das coisas, o destino é certo. Não se sobrevive. É assim com plantas, com filhotes, com nossos corpos, com nossos relacionamentos. Cuidemos do que nos importa. Ainda dá tempo.