Crónica

Antes de trair alguém leia isso

Autor
167

Quando se é traído, nasce em nós um verdadeiro trauma, uma sequela. Não se trata da memória daquele incidente, mas de uma espécie de desconfiança eterna que passa a nos rondar.

Traição é uma coisa muito louca. Mais louca do que a traição, só a obrigação de fidelidade que o homem criou. É imposta, não é natural, sabemos disso. Mas hoje em dia há espaço para relacionamentos abertos e tantas outras avenças que as pessoas podem optar por fazer. Mas quando um relacionamento pressupõe fidelidade, ser fiel é o mínimo que se espera.

Quase todo mundo já traiu ou foi traído. E eu não tenho absolutamente nenhum constrangimento em dizer que já fui traída no passado. Paciência, uma hora as coisas vêm à tona. Aí cabe aos traídos saírem pela porta da frente, já que quem traiu não o fez.

Escrevo isso porque percebi uma coisa muito curiosa. A raiva acaba passando, a dor acaba passando, a mágoa acaba passando. A gente chega até a ser capaz a desejar que aquele ex infiel seja feliz. É assim, segue o jogo, bola para frente. Mas acontece que a traição em si, a gente não supera. Não tem a ver com as pessoas, mas sim com o fato. Quando se é traído, nasce em nós um verdadeiro trauma, uma sequela. Não se trata da memória daquele incidente, mas de uma espécie de desconfiança eterna que passa a nos rondar.

É mais ou menos como passar mal com uma determinada comida e depois não conseguir comer aquilo outra vez. Ou como cair de uma certa escada e ter um insistente receio toda vez que descemos por ela. Como usar um sapato que faz uma bolha gigantesca no calcanhar e não ter vontade de calçá-lo nunca mais na vida.

Ser traído gera uma eterna sensação de vulnerabilidade. Mesmo nas novas relações, fantasmas parecem continuar nos rondando. Não tem a ver com desconfiança em relação aos novos parceiros, mas com uma espécie de sombra que anda constantemente atrás de quem já descobriu o preço da falta de lealdade.

Por isso, antes de trair alguém, não pense apenas no fato em si. Nem apenas nas consequências para o relacionamento presente. Pense no que isso vai desencadear futuramente na outra pessoa. Além da dor da traição, da perda de alguém que se ama (porque sim, a gente perde alguém amado quando se descobre traído- quase como uma morte), do rompimento da relação, ficarão as sequelas.

Alguém que não era ciumento pode tornar-se extremamente possessivo depois de ser traído. Alguém que não era inseguro, pode tornar-se incapaz de acreditar em si mesmo. Alguém que não era desconfiado, pode simplesmente não conseguir confiar nos outros novamente.

Aí, quem tem a sorte de poder fazer uma terapia, ou de ter outro tipo de apoio, vai se recuperando lentamente. Outros não se recuperam nunca. Mas todos levam sequelas para o resto da vida.

Não há problema nenhum em se apaixonar por outro. Ou em morrer de tesão por outra pessoa. Terminar um relacionamento ou pedir o divórcio são recursos à disposição de todos. Digo outra vez: saia pela porta da frente. Tenha a hombridade de tomar a decisão difícil e correta. Trair é para os fracos, peitar a situação é para os fortes.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brasil

O que resta do meu Brasil /premium

Ruth Manus
301

Atravessaremos as labaredas, protegeremos uns aos outros e, num dado momento, reconheceremos o Brasil. O Brasil da fruta doce, do samba e da poesia. 

Crónica

As aventuras da coerência /premium

Paulo Tunhas

Até certa altura pensei que a chamada “esquerda” era depositária da tradição de liberdade e garantia da democracia. Mas uma observação das suas reacções políticas mostra algo diferente e inquietante.

História

As oito reflexões de Hideyoshi

José Miguel Pinto dos Santos
142

Não será que hoje se age, fala e se publicam tweets depressa demais? Se se toma uma decisão irrefletida e danosa, ao menos que haja coragem moral para se retificar o que houver a retificar. Ao menos.

Crónica

O verde dos Açores, neste Outono vivo /premium

Laurinda Alves
1.544

A Terceira é tudo isto e bem mais, uma de nove ilhas onde não há lixo no chão, onde todos os campos estão impecavelmente tratados e cada horta, pasto ou lameiro parece não ter uma planta fora do lugar

Crónica

Portugal: perdidos & achados /premium

Helena Matos
1.185

Portugal em anúncios classificados. Há stock de fascistas. Mestre espiritual para a Segurança Social. Alvíssaras e ilusionistas. Apelos pelo líder da oposição e pelo desaparecido Trib. Constitucional

Crónica

A propósito de ditaduras /premium

Alberto Gonçalves
2.292

Não há que enganar, embora o engano seja língua franca: fala-se na ditadura que aí vem para dissimular a ditadura que deveria vir. Agitar tiranos hipotéticos é estratégia típica de tiranos comprovados

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)