Rádio Observador

PSD/CDS

A direita de Groucho Marx /premium

Autor
326

A famosa frase “estes são os meus princípios, mas se não gostam deles, eu tenho outros” é uma piada de Groucho Marx. No caso da direita portuguesa, porém, não é uma piada: é como as coisas são.

Segundo consta, o CDS já decidiu que os princípios com que andou pelas feiras nas últimas eleições afinal não funcionaram. Vai, portanto, arranjar outros. O PSD fez o mesmo no ano passado, depois da derrota autárquica: tinham dito que era de “direita” e “liberal”, quis provar que era de “esquerda” e “social-democrata”; tinha feito oposição ao PS, dedicou-se a sugerir pactos ao PS. O que importava era mostrar que não estava “agarrado ao passado”. A famosa frase “estes são os meus princípios, mas se não gostam deles, eu tenho outros” é uma piada de Groucho Marx. No caso da direita portuguesa, porém, não é uma piada: é como as coisas são.

Por detrás disto, estão muitas coisas. A primeira é desespero. As actuais gerações do PSD e do CDS estão a ficar sem tempo para serem deputados, secretários de Estado, ministros. Nos primórdios da geringonça, ainda esperaram voltar rapidamente ao governo à boleia de um acidente financeiro. As políticas do BCE tiraram-lhes essa esperança. Sem os dependentes do Estado, convenceram-se de que nunca arranjarão uma maioria. Daí a procura de atalhos para o poder: arranjinhos com o PS, como propõe o PSD, ou a imitação cínica do folclore esquerdista, como tentou o CDS em Arroios. Se a esquerda tem mais votos, é preciso juntar-se-lhe ou copiá-la.

Esta é uma direita pouco preparada para confrontos. Durante anos, encantada com a tecnocracia pós-ideológica, abandonou às esquerdas a maçada de definir esquerda e direita, e os respectivos ismos. Não é por isso de admirar que a imagem prevalecente da direita seja aquela que é ditada pelas esquerdas, em que ser liberal é desprezar os pobres e ser conservador é viver em 1950. Poderia reagir e argumentar que nenhuns regimes geraram tanta pobreza como os socialistas, ou que ninguém fez mais reformas na Europa e na América, desde a década de 80, do que os conservadores. Mas parece-lhe mais económico continuar a reconhecer à esquerda o direito de arbitrar sobre o bem e o mal ideológico, e adequar-se ao que a esquerda aprova. De resto, julga que o pode fazer: PSD e CDS nunca tiveram concorrentes à direita. As  últimas eleições, ao reforçar o mito do “país sem populistas“, persuadiram-nos de que isso não ia acabar. Ei-los, assim, a dar o eleitorado com inclinações conservadoras-liberais como adquirido, e a permitirem-se uma versatilidade que nem Groucho Marx talvez tenha previsto.

À direita portuguesa, convém talvez estudar um pouco, para se libertar de alguns complexos e ilusões. Acima de tudo, porém, precisa de calma e de lucidez. O ponto é mesmo, como muita gente diz, aprender a falar com a sociedade. Isso, porém, não se faz andando a ver o que está a dar: faz-se com consistência e convicção, até porque é isso que falta às esquerdas. Desde 2015, os parceiros da geringonça rasgaram programas e vivem numa promiscuidade cheia de suspeitas mútuas. Nestas eleições europeias, o PSD e o CDS não acrescentaram a sua votação decisivamente, mas o PS, o BE e o PCP, no seu conjunto, também não, apesar de quatro anos no Estado a cultivar clientelas. Talvez porque o país tenha percebido que nada é fiável no regime das reposições compensadas por impostos e cativações. Ou porque tenha sentido que esta é uma situação política que favorece os mais fortes, os que fazem greve, à custa dos outros, como os utentes do SNS. Contra este regime de incerteza, injustiça e incoerência, compete à  direita oferecer segurança, equidade e coesão: um Estado viável e portanto eficaz nas garantias; uma sociedade onde valha a pena trabalhar, investir e poupar; e uma maioria de governo coerente e identificada com os valores da democracia ocidental. E sim, é provável que os portugueses estejam interessados em ouvir quem lhes proponha isto. Para aqueles que trocam de princípios sempre que o vento muda é que talvez não tenham tempo nem paciência.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Racismo

A racialização da política é isto /premium

Rui Ramos
108

As democracias têm de tratar todos os cidadãos como iguais, com os mesmos direitos e obrigações, e ajudar os mais pobres e menos qualificados, sem fazer depender isso de "origens" ou "cores".

Rui Rio

Portugal continua a não ser a Grécia /premium

Rui Ramos
396

Quando a Grécia se afundava em resgates, Passos impediu que Portugal fosse a Grécia. Agora, quando a Grécia se liberta da demagogia, é Rui Rio quem impede que Portugal seja a Grécia. 

PSD/CDS

35 horas: outro vazio de representação /premium

Alexandre Homem Cristo
121

PSD e CDS já não defendem a convergência dos sectores público e privado (40 horas de trabalho semanais). Quem representa, então, os eleitores que compreenderam a sua medida em 2013? Ninguém.

Rui Rio

Portugal continua a não ser a Grécia /premium

Rui Ramos
396

Quando a Grécia se afundava em resgates, Passos impediu que Portugal fosse a Grécia. Agora, quando a Grécia se liberta da demagogia, é Rui Rio quem impede que Portugal seja a Grécia. 

Democracia

A segunda parte do 25 de Abril /premium

Rui Ramos
420

Há 40 anos, a Aliança Democrática salvou a democracia em Portugal. Como vai agora evoluir o regime, sem uma direita democrática reformista como a que em 1979 fundou a AD?

Política

A direita está em crise?

Fernando Leal da Costa

A crise da direita é conjuntural e resolver-se-á com a lógica darwiniana de adaptar-se para sobreviver. O primeiro problema a resolver é pois adaptar-se às circunstâncias sem que isso a descaracterize

Política

A alternativa conservadora

Pedro A. R. Esteves

A verdadeira alternativa está entre o socialismo/social-democracia e o conservadorismo, não na dicotomia esquerda-direita, e é aqui que as verdadeiras escolhas políticas se deveriam situar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)