Em menos de cinco anos, a esquerda que se uniu para alçar a direita do poder vê-se agora separada. A ‘geringonça’, que extinguiu uma coligação de governo à direita, foi quebrada pelos partidos que compunham essa coligação. O PS, que dizia nunca mais precisar da direita para governar, telefonou ao CDS para salvar um Orçamento do Estado. O Bloco de Esquerda, que fez tudo – e aceitou tudo – para impedir o PSD de governar em 2015, foi o parceiro negocial do PSD na tentativa de reduzir o IVA da eletricidade em 2020.

Estas constatações não são uma crítica, nem sequer uma acusação de incoerência. É tão paradoxal o partido do alívio fiscal votar ao lado do governo da maior carga fiscal de sempre quanto esse governo andar a mendigar aos partidos que impediu de governar há quatro anos. Compreende-se, com isto, por que é que a palavra mais repetida durante o debate orçamental foi “encenação”. Num jogo de sombras, em que todos são obrigados a fingir algo, a luz alheia nunca ilumina o que convém.

A parlamentarização do regime – uma consequência óbvia e até assumida da ‘geringonça’ – foi justamente aquilo que a destruiu e aquilo que continuará a desgastar o governo minoritário de António Costa. É, afinal, graças à parlamentarização que as demais forças políticas se poderão concertar sucessivamente contra o executivo do Partido Socialista. Dito de outro modo: o PS, que inaugurou a feira, perdeu o controlo dos feirantes.

Os mais originais defensores da solução de esquerda, hoje defunta, culparão o primeiro-ministro que, não conseguindo uma maioria absoluta em 2019, optou por não consumar um acordo escrito com um dos seus antigos parceiros. Talvez tenham razão. A chamada ‘maioria social’ de esquerda que legitimou a queda do governo PàF era válida no seu simbolismo, na sua unidade e no seu adversário em comum – Passos –, estando hoje órfã desses três cimentos. O posicionamento amigável do Palácio de Belém – que não foi cimento, mas quase – também sofrerá mudanças.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

No fim do dia, a direita imiscuiu-se na ‘geringonça’, furou-a e partiu-a por dentro. Pessoalmente, não tenho problema algum em reconhecer que essa foi uma estratégia de Rui Rio e que estava certo nessa estratégia. Foi ele que normalizou a relação do seu partido com o poder, assinando acordos inconsequentes mas visualmente úteis, foi ele que puxou o PSD para o ‘centro’, descrispando a relação com o Bloco de Esquerda e com o PCP, e foi ele que soube esticar a corda – sem a romper – numa matéria amplamente consensual como a descida do IVA da eletricidade, ferindo a popularidade de um governo recém-eleito.

Depois de sobreviver a duas batalhas internas e duas derrotas eleitorais, é Rio, ironicamente, que detém o cronómetro do nosso tempo político. A direita precisará dele se quiser governar; o governo continuará sob pressão de uma esquerda descontente. Costa, o aclamado maestro desse breve concerto, deixou cair a batuta. Vamos ver se Rio tem música. Eu, que nunca apreciei o tom, cá estarei para ouvir.