Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Esta semana, no dia 16 de Maio, foi conhecido o professor vencedor da primeira edição do Global Teacher Prize Portugal: o Professor José Teixeira, de Chaves. Um professor de física e química que todos os dias inova, transforma, toca e faz com que, todos os dias, os seus alunos descubram a melhor versão de si próprios, num contributo único para a ciência, que toca todos os ciclos de ensino. É em Chaves, no interior do país, onde os recursos materiais são os possíveis e os recursos humanos são, à luz do que apresentou, pelo que apresentou, inesgotáveis.

A humildade do professor José Teixeira e a surpresa com que recebeu a notícia, perguntando-se se não teria havido nenhum engano, foi das coisas que mais me marcaram.

Ao ouvir os professores falarem durante a cerimónia de encerramento – e vieram de todo o país quase duzentos professores para partilharem as suas ideias – o que mais me impactou foi sentir que os professores não têm realmente a noção do seu impacto, do alcance do seu trabalho e de como é extraordinário e transformador para tantos alunos aquilo que fazem numa sala de aula.

É certo que nem todos os professores são extraordinários, mas, a olhar para a quantidade imensa de projetos inovadores e transformadores que foram apresentados, atrevo-me a dizer que é certo que há muitos mais professores extraordinários do que aquilo que pensamos.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.