Rádio Observador

Governo

E quem resgata as novas gerações?

Autor
838

Enquanto o Governo resgatava estes belos quadros, ninguém resgatou os milhares de jovens à espera de estágios profissionais ou que ficaram à Porta do apoio ao arrendamento jovem por falta de verbas.

Há poucos dias fomos surpreendidos pelo primeiro-ministro, António Costa, que justificou a compra pelo Estado português de seis quadros de Maria Helena Vieira da Silva por 5,5 milhões de euros graças à “antipatia das cativações”. O chefe de Governo destacou ainda o “esforço” que foi feito para se poder chegar ao final do ano com condições de fazer esta aquisição, que “marca um resgate, porque depois do resgate que sofremos, merecemos agora resgatar-nos”. E toda esta prosa à volta desta aquisição milionária merece alguns comentários.

Já sabíamos que, depois de 2010, 2016 e 2017 tinham sido anos recordistas de cativações, ficámos agora a saber que o objetivo não foi apenas o de cumprir as metas acordadas com Bruxelas, foi também para comprar estes seis quadros.

Ora, a antipatia às cativações a que se refere António Costa saiu bem cara a cada português nos últimos 2 anos.

Para que o Estado português tivesse condições para comprar estes quadros,  houve um país que sucumbiu à estratégia das cativações.

Enquanto o Governo resgatava estes belos quadros, ninguém resgatou o Serviço Nacional de Saúde enquanto aumentavam as listas de espera, a falta de medicamentos nos centros de saúde e hospitais, a falta de dinheiro para pagar o seguro do transporte de medicamentos, a falta de dinheiro para pagar aos bombeiros o transporte de doentes ou a falta de concursos para a colocação de recém-especialistas que levou já a que 200 abandonassem o Serviço Nacional de Saúde e ao caos nas urgências.

Enquanto o Governo resgatava estes belos quadros, ninguém resgatou as escolas que não tiveram dinheiro para pagar a luz e o aquecimento, as escolas com falta de assistentes operacionais colocando em causa a segurança dos alunos e a higiene e conservação dos edifícios ou as escolas onde chove dentro das salas de aula e não há dinheiro para as obras.

Enquanto o Governo resgatava estes belos quadros, ninguém resgatou as Instituições de Ensino Superior enquanto sufocavam com a violação do acordo feito com o Governo no acordo de legislatura ou os milhares de estudantes que ainda aguardam as suas bolsas de ação social para suportar os custos com a sua frequência no Ensino Superior.

Enquanto o Governo resgatava estes belos quadros, ninguém resgatou os milhares de jovens que ficaram à Porta do apoio ao arrendamento jovem, única e exclusivamente por falta de verbas, ficando uma vez mais com o seu futuro adiado, sem que o Estado fizesse alguma coisa para os socorrer.

Enquanto o Governo resgatava estes belos quadros, ninguém resgatou os milhares de jovens à espera de estágios profissionais ou travou a fraude dos estágios em que empresas obrigaram os seus estagiários a entregarem-lhes parte do dinheiro que recebiam ou a pagar os encargos da empresa com a Segurança Social.

Que a aposta na Cultura é essencial, estamos todos de acordo. Mas isso não pode ser, nem a justificação, nem à custa de tudo o resto.

Ficou claro que a prioridade do Governo foi resgatar estes seis quadros. O país e os portugueses ficaram de facto muito melhor por isso. E as perguntas que eu coloco são: quem resgata os portugueses? Quem resgata as novas gerações?

Deputada do PSD

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Socialismo

Má-fé socialista /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não é a situação social em Portugal muito melhor que na Venezuela — e que nos outros países socialistas? Sim, mas quem está mais avançado na implantação do socialismo, Portugal ou Venezuela?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)