Rádio Observador

Orçamento do Estado

Foi você que pediu uma geringonça? /premium

Autor
531

A geringonça é o regime, toda a oligarquia, depois de fracassadas as ideias e liquidadas as expectativas, a tentar salvar-se, agarrando-se ao Estado.

Quem diria, no Outono de 2015, que o governo minoritário do PS com o amparo parlamentar do PCP e do BE – a “geringonça” – iria durar pelo menos três anos? Mas quem também diria, há um ano, que estaríamos agora especular sobre se o próximo Orçamento será votado pelo PSD? É este o fim da geringonça? Não, pelo contrário: é o seu esplendor.

No Outono de há três anos, pouca gente percebeu o que era a geringonça. Muitos confundiram-na com uma maioria de esquerda: uns imaginaram que o PS se teria finalmente rendido às “políticas de esquerda”, tal como o BE e o PCP concebem essas políticas; outros esperaram que o BE e o PCP,  depois de anos de “protesto”, se tivessem rendido ao princípio da “responsabilidade” de governo, tal como o PS compreende essa responsabilidade. Ora, a verdade é que não aconteceu nem uma coisa, nem outra. O PS manteve-se fiel a Bruxelas, como não podia deixar de ser num país financeiramente dependente do BCE: aumentou os salários, mas esvaziou os serviços através de cativações – porque, como António Costa admitiu, não se pode ter tudo. O BE e o PCP não mudaram de ideias: votaram os orçamentos, mas o PCP organiza greves, o BE não desistiu de sentar Vasco da Gama no tribunal de Nuremberga, e os dois não se cansam de negar o estatuto de “esquerda” ao governo.

Perante esta aglomeração indistinta, em que o oportunismo passa por pragmatismo, qualquer alternativa estava condenada a parecer “ideológica”. De facto, a geringonça desagregou logo a direita, com PSD e CDS a concorrer separados às autárquicas de Lisboa e do Porto. Desde cedo, que a questão foi saber quem seria o primeiro a propor-se como suplente da geringonça. Com Rui Rio, acabou por ser o PSD a dar o passo.

Ainda é possível que acabemos por ver muito mais coisas. Mas já é claro no que consiste a geringonça. A geringonça não é a maioria de esquerda. A geringonça é o regime, toda a oligarquia, depois de fracassadas as ideias e liquidadas as expectativas, a tentar salvar-se, agarrando-se ao Estado. A “Terceira via” do PS falhou em 2001, outra vez em 2011 e finalmente em 2015. O PCP e o BE não conseguiram aproveitar a contestação ao Euro e à Troika. O PSD, com Passos Coelho, ganhou as eleições que ninguém esperava que ganhasse em 2015, mas não conseguiu governar e a derrota autárquica, em 2017, incutiu-lhe um estado de alma semelhante à dos primeiros partidos da geringonça: deixou de acreditar em projectos próprios, e convenceu-se também que a salvação estava em agarrar-se ao governo. Daí a transformação do PSD com Rui Rio, de maior partido nacional e líder da oposição, em quarto pedinte da geringonça.

A pouco e pouco, os partidos do regime juntam-se. Não se entendem ideologicamente, porque nenhum deles mudou de ideias: o PS continua na Terceira Via de António Guterres, o PCP e o BE acreditam ainda numa ou outra variante da revolução soviética, e o PSD é tão liberal como sempre foi. Mas tudo isso é irrelevante. Incompatíveis em termos de valores, são perfeitamente encaixáveis, como as peças de um puzzle, em termos de interesses: o PS representa um grupo de amigos e famílias que governam desde 1995; o PCP tem os sindicatos da função pública; o BE apela à classe média urbana das ciências, artes e comunicação social; o PSD, com Rui Rio, não aspira a ser mais do que uma federação de municípios a norte de Leiria. Como não haviam de entender-se, para partilhar o Estado entre as suas clientelas? Porque é isso que está em causa.

A questão é saber se alguma coisa no regime vai ficar de fora da geringonça. Melhor: se alguém vai querer ficar de fora. Melhor ainda: se alguém consegue ficar de fora.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Racismo

A racialização da política é isto /premium

Rui Ramos
112

As democracias têm de tratar todos os cidadãos como iguais, com os mesmos direitos e obrigações, e ajudar os mais pobres e menos qualificados, sem fazer depender isso de "origens" ou "cores".

Rui Rio

Portugal continua a não ser a Grécia /premium

Rui Ramos
396

Quando a Grécia se afundava em resgates, Passos impediu que Portugal fosse a Grécia. Agora, quando a Grécia se liberta da demagogia, é Rui Rio quem impede que Portugal seja a Grécia. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)