Orçamento do Estado

Foi você que pediu uma geringonça? /premium

Autor
531

A geringonça é o regime, toda a oligarquia, depois de fracassadas as ideias e liquidadas as expectativas, a tentar salvar-se, agarrando-se ao Estado.

Quem diria, no Outono de 2015, que o governo minoritário do PS com o amparo parlamentar do PCP e do BE – a “geringonça” – iria durar pelo menos três anos? Mas quem também diria, há um ano, que estaríamos agora especular sobre se o próximo Orçamento será votado pelo PSD? É este o fim da geringonça? Não, pelo contrário: é o seu esplendor.

No Outono de há três anos, pouca gente percebeu o que era a geringonça. Muitos confundiram-na com uma maioria de esquerda: uns imaginaram que o PS se teria finalmente rendido às “políticas de esquerda”, tal como o BE e o PCP concebem essas políticas; outros esperaram que o BE e o PCP,  depois de anos de “protesto”, se tivessem rendido ao princípio da “responsabilidade” de governo, tal como o PS compreende essa responsabilidade. Ora, a verdade é que não aconteceu nem uma coisa, nem outra. O PS manteve-se fiel a Bruxelas, como não podia deixar de ser num país financeiramente dependente do BCE: aumentou os salários, mas esvaziou os serviços através de cativações – porque, como António Costa admitiu, não se pode ter tudo. O BE e o PCP não mudaram de ideias: votaram os orçamentos, mas o PCP organiza greves, o BE não desistiu de sentar Vasco da Gama no tribunal de Nuremberga, e os dois não se cansam de negar o estatuto de “esquerda” ao governo.

Perante esta aglomeração indistinta, em que o oportunismo passa por pragmatismo, qualquer alternativa estava condenada a parecer “ideológica”. De facto, a geringonça desagregou logo a direita, com PSD e CDS a concorrer separados às autárquicas de Lisboa e do Porto. Desde cedo, que a questão foi saber quem seria o primeiro a propor-se como suplente da geringonça. Com Rui Rio, acabou por ser o PSD a dar o passo.

Ainda é possível que acabemos por ver muito mais coisas. Mas já é claro no que consiste a geringonça. A geringonça não é a maioria de esquerda. A geringonça é o regime, toda a oligarquia, depois de fracassadas as ideias e liquidadas as expectativas, a tentar salvar-se, agarrando-se ao Estado. A “Terceira via” do PS falhou em 2001, outra vez em 2011 e finalmente em 2015. O PCP e o BE não conseguiram aproveitar a contestação ao Euro e à Troika. O PSD, com Passos Coelho, ganhou as eleições que ninguém esperava que ganhasse em 2015, mas não conseguiu governar e a derrota autárquica, em 2017, incutiu-lhe um estado de alma semelhante à dos primeiros partidos da geringonça: deixou de acreditar em projectos próprios, e convenceu-se também que a salvação estava em agarrar-se ao governo. Daí a transformação do PSD com Rui Rio, de maior partido nacional e líder da oposição, em quarto pedinte da geringonça.

A pouco e pouco, os partidos do regime juntam-se. Não se entendem ideologicamente, porque nenhum deles mudou de ideias: o PS continua na Terceira Via de António Guterres, o PCP e o BE acreditam ainda numa ou outra variante da revolução soviética, e o PSD é tão liberal como sempre foi. Mas tudo isso é irrelevante. Incompatíveis em termos de valores, são perfeitamente encaixáveis, como as peças de um puzzle, em termos de interesses: o PS representa um grupo de amigos e famílias que governam desde 1995; o PCP tem os sindicatos da função pública; o BE apela à classe média urbana das ciências, artes e comunicação social; o PSD, com Rui Rio, não aspira a ser mais do que uma federação de municípios a norte de Leiria. Como não haviam de entender-se, para partilhar o Estado entre as suas clientelas? Porque é isso que está em causa.

A questão é saber se alguma coisa no regime vai ficar de fora da geringonça. Melhor: se alguém vai querer ficar de fora. Melhor ainda: se alguém consegue ficar de fora.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rui Rio

Dr. Rio, deixe o PS em paz /premium

Rui Ramos
210

Rui Rio ainda quer fazer reformas estruturais com o PS. Mas porque é que o PS haveria de se comprometer em reformas com a direita? Para dar espaço a movimentos à sua esquerda? 

ADSE

As guerras da saúde fazem sentido? /premium

Rui Ramos
346

Na cínica “ideologia do SNS” não temos qualquer preocupação com a saúde pública, mas um projecto de domínio da sociedade pelo poder político e ainda um cálculo eleitoral partidário. 

Professores

A Justiça e os Professores

Arnaldo Santos
431

Justiça é dar a cada um aquilo que é seu e cada professor deu o seu trabalho no tempo de congelamento na expetativa de ter a respetiva retribuição relativa à progressão na carreira: o que é seu é seu.

Benefícios Fiscais

Se calhar mais valia ter ido…

António Maria Cabral
177

Por que motivo um jogador de futebol (Pepe) que receberá milhões de euros afinal “só” vai pagar metade de IRS? A resposta é nos dada pela Lei de Orçamento de Estado de 2019...

Partidos e Movimentos

Seja bem-vinda, "Iniciativa Liberal"

Mário Pinto

Saudamos o Manifesto da Iniciativa Liberal, mesmo não partilhando muitas das suas propostas. Saudamos em especial a defesa do princípio da subsidiariedade, base para a "democratização da democracia".

Poupança

O capital liberta

André Abrantes Amaral

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

Governo

Cogitações sobre a remodelação /premium

Maria João Marques

Costa promoveu pessoas com pouquíssima experiência profissional fora da vida política. É dos piores indicadores para qualquer político. Viver sempre na bolha dos partidos é péssimo cartão de visita.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)