Rádio Observador

Corrupção

Não chega ter vergonha /premium

Autor
1.727

Não há casos semelhantes ao de Sócrates. Os dirigentes socialistas precisam de provar que é possível confiar no PS outra vez. Era isso que deviam estar a discutir. Ter vergonha não chega.

Subitamente, percebemos porque os dirigentes do PS estavam calados há tantos anos: era a vergonha. Foi preciso Manuel Pinho para finalmente se soltarem. O que é deveras estranho. É que, logo desde o início do seu processo, José Sócrates admitiu que, enquanto primeiro-ministro, as suas despesas pessoais eram secretamente pagas pelo administrador de uma das empresas com mais contratos com o Estado. Porque é que os actuais dirigentes socialistas nunca manifestaram até agora qualquer repulsa, já não digo pelo que constava da acusação, mas por este facto confessado pelo antigo líder do partido?

A direcção socialista continua a não querer ver o que está em causa. Depois de exibir a sua vergonha, Carlos César apontou logo o dedo para o lado: “o PSD também tem casos de justiça semelhantes”. Não, não tem. O PSD tem antigos membros das suas direcções e governos acusados e até condenados. Mas o PSD, com todas as suas nódoas, não tem um caso como o de José Sócrates, e não me estou apenas a referir ao facto de Sócrates ter sido líder do partido e primeiro-ministro.

O caso Sócrates não é só o de um político que aproveitou um cargo público para enriquecer ilicitamente. É mais do que isso: é o caso de um político que, se a acusação estiver certa, tentou montar um “mecanismo” para controlar o Estado, a economia e a comunicação social, isto é, que usou o seu poder para ter poder para além do que a lei, o interesse público e a decência permitem num Estado de direito democrático. Sócrates será julgado nos tribunais por corrupção, fraude fiscal e branqueamento de capitais. Mas as suspeitas e também o despacho final da acusação não se ficam pelos crimes por que pode ser condenado. Sócrates não terá pretendido apenas juntar dinheiro na Suíça. Terá tentado também, segundo o despacho da acusação, controlar bancos, empresas, televisões e jornais, em conluio com, entre outros, um dos maiores banqueiros do país.

Em 2009, o procurador coordenador do DIAP de Aveiro, a partir das escutas do Face Oculta, sustentou “que existiam indícios da prática de um crime de atentado ao Estado de Direito”. Isto, ao contrário do que diz António Costa, não é apenas uma “desonra” para a democracia. É pior: é uma ameaça. Se neste regime foi possível a um primeiro-ministro actuar acima da lei para limitar as liberdades, nomeadamente a liberdade de informação, quem nos guarda? Em 2009, as mais altas autoridades judiciais impediram qualquer investigação. Alguém se pode sentir seguro num regime destes?

Aos políticos nunca é preciso dizer ou explicar nada. Na política, toda a gente marca cerradamente toda a gente. Nada escapa à observação, à especulação, ao rumor, à anedota, incluindo as vidas íntimas. Vão-me agora dizer que, por entre o turbilhão de escândalos que rodeou Sócrates do primeiro ao último dia de governo, os seus colaboradores e correligionários nunca repararam em nada, nunca desconfiaram de nada, nunca, ao menos, tiveram uma dúvida? E se repararam, desconfiaram e duvidaram, porque é que nunca se sentiram obrigados a esclarecer, a distanciarem-se? Porque o facciosismo os cegou? Porque o poder vale tudo, e estar no governo, com os jornais e as televisões a favor e as grandes empresas e bancos à disposição, é mais importante do que qualquer lei ou qualquer decência?

O Partido Socialista não teve a infelicidade de ter um ou dois ministros corruptos. Isso pode acontecer a qualquer partido. O PS ter-se-á prestado, como disse Ana Gomes, a ser um “instrumento de corruptos e de criminosos”, o que é diferente e sem semelhanças na política portuguesa. Os dirigentes socialistas precisam de provar que é possível confiar no PS outra vez. Era isso que deviam estar a discutir. Ter vergonha não chega.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Racismo

A racialização da política é isto /premium

Rui Ramos
121

As democracias têm de tratar todos os cidadãos como iguais, com os mesmos direitos e obrigações, e ajudar os mais pobres e menos qualificados, sem fazer depender isso de "origens" ou "cores".

Rui Rio

Portugal continua a não ser a Grécia /premium

Rui Ramos
396

Quando a Grécia se afundava em resgates, Passos impediu que Portugal fosse a Grécia. Agora, quando a Grécia se liberta da demagogia, é Rui Rio quem impede que Portugal seja a Grécia. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)