Política

Não somos todos marxistas

Autor
497

Sim, possivelmente, “Marx vive” — nas culturas políticas tribais que desconhecem o primado da lei. Mas nem todas as culturas políticas são tribais. Por esta razão, não somos todos marxistas.

A revista do semanário Expresso do passado dia 10 de Março dedicava a capa a Karl Marx, sob o título “Marx vive”. Acrescentava que “a sua obra mudou o curso da História no século XX e, hoje, até os mais cépticos parecem rendidos ao homem que nasceu há 200 anos”. Dois artigos no interior da publicação — um de Francisco Louçã, outro de Luciano Amaral — corroboravam em tons diferentes aquela asserção principal: “Marx vive”, ou, no título de Luciano Amaral, “Somos todos marxistas”.

Pedro Norton terá respondido indirectamente a estas teses na revista Visão com um excelente artigo intitulado “Liberais somos todos nós”. E João César das Neves ripostou directamente no Diário de Notícias. Basicamente, recordou ele que

O elemento chocante é que nessas longas elaborações ninguém refere o aspecto mais relevante: a tal mudança que Marx fez no século XX gerou milhões de mortos, miséria inaudita e as maiores catástrofes económicas de sempre, da colectivização da agricultura soviética ao “grande salto em frente” maoísta. É esquecimento de peso!”

Tem César das Neves toda a razão. E tem ainda razão quando recorda que essas tragédias foram provocadas em nome do marxismo e da sua crucial doutrina da luta de classes. Eu acrescentaria: daquilo que Marx designou como a doutrina científica da luta de classes.

Ao contrário do que costuma ser dito sobre Marx, o que é distintivo da sua doutrina não é o impulso moral de indignação perante a pobreza das classes trabalhadoras. Esse impulso moral existiu em vastos movimentos sociais não marxistas e anti-marxistas, vários aliás de forte inspiração cristã. Estes movimentos foram responsáveis por profundas reformas sociais no capitalismo democrático — reformas que ocorreram sob os olhos dos próprios marxistas, enquanto estes pateticamente gritavam que o capitalismo não era reformável.

O que foi distintivo do marxismo foi a atribuição de um carácter alegadamente científico à teoria da luta de classes. Marx reclamou ter descoberto as leis do desenvolvimento histórico, à semelhança das leis do desenvolvimento da natureza orgânica conjecturadas por Darwin. O marxismo seria por isso uma “doutrina científica” que explicava toda a história da humanidade com base em leis inexoráveis. Daí decorria que o socialismo e o comunismo sucederiam inexoravelmente ao capitalismo, da mesma forma que este sucedera inexoravelmente ao feudalismo, como este sucedera ao regime esclavagista e este, por sua vez, sucedera ao “comunismo primitivo”.

Não vou aqui recordar em detalhe a demolidora crítica que Karl Popper fez a esta visão pretensamente científica da história. Popper simplesmente mostrou que esta teoria não é testável pelos factos, não podendo por isso ser científica — trata-se de mera profecia oracular.

Acresce que, nas poucas previsões específicas que fez, a teoria historicista de Marx foi rotundamente refutada pelos factos. (Basicamente, em vez de produzir a pauperização relativa e absoluta prevista por Marx, o capitalismo democrático retirou o maior número de pessoas da pobreza e ampliou as classes médias numa escala sem precedentes). Por outras palavras, os marxistas acreditavam que sabiam, sem saberem que acreditavam.

Mas Popper e outros autores fizeram uma adicional pergunta muito simples ao grandioso esquema marxista de explicação da história humana: mesmo que essa teoria fosse verdadeira, qual seria a razão moral para defender o comunismo? Essa razão, para ser de natureza moral, não poderia consistir apenas num juízo de facto estabelecendo a inexorabilidade do futuro advento do comunismo.

Esta é uma pergunta inconveniente. O “socialismo científico” de Marx sustentava que não existem padrões morais absolutos e intemporais. Todos são apenas sub-produto da época histórica, do nível de desenvolvimento das forças produtivas, e até dos interesses de cada classe. Sendo a classe operária a classe que representa o futuro — inexoravelmente determinado pelas leis “científicas” da história — os seus interesses exprimem a moral “cientificamente” ditada pelas leis do desenvolvimento histórico.

Por outras palavras, a moral do marxismo era a moral “científica” do desenvolvimento histórico. Estão bem de ver as consequências tremendamente imorais desta teoria da moral “científica”. Se não há padrões morais intemporais e independentes dos interesses de classe, qualquer grupo de fanáticos pode — e até deve — usar todos os meios ao seu alcance para impor aos outros as suas próprias crenças “científicas” sobre o futuro inexorável do desenvolvimento histórico.

Isto significa que o marxismo tentou abolir o fundamental conceito moral ocidental — oriundo de Atenas, Roma e Jerusalém — de obediência a regras gerais, imparciais, abstractas e iguais para todos. Em seu lugar, colocou a ideia imoral (em rigor, tribal) de uma “moral científica ditada pelas leis do desenvolvimento histórico”. É isto que explica a doutrina da legitimidade da revolução violenta para derrubar o chamado capitalismo — em rigor, para derrubar democracias liberais fundadas no primado da lei, igual para todos. É isso que explica os milhões de mortos provocados pelo marxismo no poder, libertado de escrúpulos morais imparciais através da doutrina da “moral científica do desenvolvimento histórico”.

Isto também explica por que motivo o marxismo nunca triunfou em democracias liberais, mas apenas em sociedades autocráticas, como as da Rússia e da China, que desconheciam o princípio da igual liberdade de todos — e de todas as “classes” — sob o primado da lei. Nessas sociedades autocráticas, o marxismo apenas reforçou — e deu uma legitimidade pretensamente “científica” — à cultura tribal dominante que não reconhece uma lei moral  imparcial acima das “tribos” (ou das “classes”, ou das cliques de oligarcas, ou dos membros do partido, ou das seitas de apaniguados).

Em suma: será verdade que “Marx vive”, como titulava a revista do Expresso? A resposta é simples: sim, possivelmente vive — mas apenas nas culturas políticas tribais que ignoram o primado da lei e só conhecem a lei da força. Mas nem todas as culturas políticas são tribais. Por esta razão, não somos todos marxistas.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Emmanuel Macron

O Antigo Regime e a Revolução /premium

João Carlos Espada

A “Carta aos Europeus” do Presidente Macron revela o equívoco fundamental que ameaça o projecto europeu: o estéril conflito entre Antigo Regime e Revolução, parafraseando Alexis de Tocqueville.

NATO

Em defesa da NATO e da liberdade ocidental /premium

João Carlos Espada

Como recordou Thatcher em 1996, citando Churchill em 1946, o Ocidente não é apenas uma construção da “Guerra Fria”. Assenta em valores muito mais antigos que sustentam a Aliança Atlântica.

Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada
162

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Governo

As confusões do nepotismo na política /premium

Miguel Pinheiro
684

Pedro Nuno Santos escreveu que “ninguém deve ser prejudicado na sua vida profissional por causa do marido, da mulher, da mãe ou do pai”. Está quase tudo errado nestas 19 palavras.

Banca

Castiguem os responsáveis! /premium

Manuel Villaverde Cabral
153

A defesa tenaz de alguém como Tomás Correia faz-nos pensar que, se o PS fosse poder quando o BES faliu após toda a trafulhice, os seus líderes não se teriam atrevido a dizer não ao Sr. Ricardo Salgado

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)