Rádio Observador

Eleições no Brasil

O destino da democracia liberal /premium

Autor
211

As “esquerdas radicais” não são verdadeiramente alternativa às “direitas populistas”, e vice-versa. A única coisa que sabem é chamar-se fascistas e comunistas uns aos outros.

Os eleitores brasileiros não parecem, de facto, ter alternativa. Bolsonaro tem saudades da ditadura militar? Sim, mas o PT ainda chora por Fidel Castro. O PT insiste num estatismo supostamente desenvolvimentista? Sim, mas Bolsonaro, antes de se converter súbita e recentemente ao liberalismo económico, também. As “esquerdas radicais” não são verdadeiramente alternativa às “direitas populistas”, e vice-versa. São demasiado iguais, mesmo quando passam o tempo a chamar-se fascistas e comunistas uns aos outros. No entanto, se esta for mesmo a escolha, haverá que decidir qual é o mal menor. Mas a democracia não devia ser só isto.

Tolstoi achava que as famílias infelizes eram sempre infelizes à sua maneira, mas no caso dos regimes, a infelicidade tende a ser geral. A escolha que as sondagens prometem aos brasileiros não é singular, e lembra outras eleições na Europa e nas Américas. Durante anos, os regimes ocidentais foram governados por direitas e esquerdas democráticas. Na Europa, eram os partidos da Democracia Cristã e os da Internacional Socialista. Divergiam em muita coisa, mas coincidiam na aliança americana e na integração europeia, como meios de garantir o Estado de direito democrático e economias prósperas. A democratização do sul e do leste da Europa passou, em grande medida, pela formação de congéneres desses partidos, como o PS, o PSD e o CDS em Portugal. É esse sistema partidário que agora está em causa. Nuns países, os antigos partidos de governo estão a ser substituídos, como o Syriza substituiu o PASOK; noutros países, a ser tomados de assalto, como os Trabalhistas em Inglaterra pelos Corbynistas.

O grande perigo para a democracia num mundo livre não são os radicais e populistas em si, mas a tentação dos partidos do regime de pactuar e “geringonçar” com radicalismos e populismos. É essa traição das elites, tanto ou até mais do que os resultados eleitorais, que está a dar força a radicais e populistas. Mas por mais apetecíveis que sejam as maiorias parlamentares ou presidenciais que se possam fazer com esses votos, há que ter a lucidez de resistir. Porque radicais e populistas não são apenas versões mais “brutas” das esquerdas e das direitas democráticas: pertencem a outras famílias políticas, por mais maquilhados que apareçam. Não, nem todos os votos são iguais: há soluções de governo que põem em causa os fundamentos da democracia liberal. E não, os regimes democráticos liberais não são simples mecanismos de representação: têm valores e princípios. Isso foi claro até 1989, durante a “guerra fria”. E tem de voltar a ser, para bem das democracias liberais.

Em segundo lugar, antes das “medidas concretas” para resolver “problemas”, há que perceber o que fez as direitas e as esquerdas democráticas perderem a iniciativa para radicais e populistas. Mais uma vez, há que regressar a 1989. Demasiada gente entendeu o fim da guerra fria como o fim das divisões ideológicas que haviam definido a política. Direita e esquerda seguiram então a estratégia de subtrair questões à controvérsia política, invocando coisas como a “globalização”, apresentada como inevitável, ou fomentando o conformismo do “politicamente correcto”, tratado como irresistível. Temas como as migrações ou a segurança deixaram assim de poder ser discutidos livremente.

O resultado foi o acumular de problemas em relação aos quais, dentro do regime, parecia nada se poder fazer, nem sequer dizer. Radicais e populistas exploraram naturalmente os decorrentes sentimentos de impotência cívica: de repente, o voto nesses movimentos deu, a muita gente, a sensação de que podia outra vez fazer ou dizer qualquer coisa. Aos defensores da democracia liberal, à direita e à esquerda, convém restituir aos cidadãos o sentido de que são agentes, o que passa por as elites políticas assumirem sem tibieza, nos termos da democracia liberal, alternativas claras e debates frontais. Só se a política voltar a ser democrática deixará de ser populista ou radical.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)