Rádio Observador

União Europeia

O nosso regime ainda é deste mundo? /premium

Autor
203

O nosso regime assenta, desde 1976, na premissa da solidariedade do Ocidente, tal como existiu durante a Guerra Fria e nos anos 90. Num mundo menos internacionalista, que poderá acontecer ao regime?

Depois da bancarrota de 2011, imposta ao país pelas mesmas famílias socialistas que hoje ainda nos regem, o medo em Portugal passou a ter uma cara: a do programa da troika. Sempre que a economia desacelera, as bolsas caem, ou os juros sobem na América, é isso que vagamente se receia: o regresso da troika. Este medo tem duas faces. A primeira é realista, a segunda é uma ilusão. A face realista tem a ver com a consciência de que, embora a conjuntura tenha mudado, pouco mudou estruturalmente: os turistas desembarcam, mas a nossa dívida cresce e o Estado continua a constranger-nos com a sua burocracia e os seus impostos. A ilusão tem a ver com outra coisa: a ideia de que, se tudo correr mal, não será pior do que da última vez. Como se, durante estes oito anos, nada tivesse acontecido e o mundo continuasse na mesma.

O facto, porém, é que aconteceu muita coisa: o Brexit, o Syriza, Donald Trump, Matteo Salvini, a Alternativ fur Deutschland, etc. Sim, Angela Merkel ainda lá está, mas derrotada e com sucessor à vista. Podemos tratar tudo isso como uma mão cheia de episódios avulsos. Ou podemos ver nessa sequência o princípio do fim daquele mundo em que, durante anos, fizemos défices e dívidas sem outra preocupação senão a de receber um puxão de orelhas da Comissão Europeia ou, no pior cenário, uma visita da troika, a pedir-nos que moderássemos os gastos em troca de mais empréstimos.

O mundo está hoje menos “internacionalista” do que há oito anos. Com Trump, mas já antes dele com Obama, os EUA deixaram de esconder a impaciência com o papel de polícia do planeta. Com o referendo do Syriza na Grécia, a crise migratória de 2015, o Brexit, o desafio de Salvini em Itália ou os coletes amarelos em França, algo se deslassou na maionese integracionista europeia. É verdade: o euro continua a existir, o Syriza acabou por cumprir os tratados, Salvini recuou nas provocações, e ainda nem sabemos se o Reino Unido vai mesmo sair. Mas parece muito óbvio que não será fácil um governo europeu pôr os seus cidadãos a fazerem sacrifícios pela Europa, mesmo que o interesse do país seja esse. Os “populistas” disciplinaram o integracionismo ilimitado dos anos 90, quando o governo de Kohl pôde obrigar os alemães a renunciar à sua moeda ou quando, sempre que um país votava contra Bruxelas, bastava obrigá-lo a votar outra vez. Ora, o resgate português de 2011 pertence a esse mundo pré-Brexit e pré-AfD. E se da próxima vez não houver troika como em 2011?

O nosso regime assenta, desde 1976, na premissa da solidariedade e unidade do Ocidente, tal como existiu durante a Guerra Fria e ainda nos anos 90. Era um mundo em que também havia egoísmo e impaciência, mas em que a causa da coesão prevalecia sempre. Em 1975, talvez Kissinger não se tivesse importado de usar Portugal como vacina contra o eurocomunismo, mas Carlucci não deixou um aliado da NATO tornar-se uma Cuba europeia. Os dez países da CEE demoraram muito tempo a integrar Portugal, mas nunca houve dúvidas de que o fariam. A nossa oligarquia habituou-se a confiar no enquadramento internacional para se dispensar de garantir o regular funcionamento das instituições ou o crescimento sustentado da economia. Ainda se lembram de quando nos explicavam que, com o euro, o défice externo já não tinha importância? Afinal tinha. Bastará, para estarmos descansados, a expectativa de que a “Europa” intervirá sempre que houver dificuldades? Que será do regime se o 112 da integração internacional falhar ou não funcionar como esperado? Estamos na mesma num mundo que já não é o mesmo: eis o que pode, um dia, ser o princípio de um grande sarilho.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Racismo

A racialização da política é isto /premium

Rui Ramos
150

As democracias têm de tratar todos os cidadãos como iguais, com os mesmos direitos e obrigações, e ajudar os mais pobres e menos qualificados, sem fazer depender isso de "origens" ou "cores".

União Europeia

Impasses sem fim à vista /premium

Manuel Villaverde Cabral

Os impasses político-ideológicos no Reino Unido e em Espanha acabarão por ter consequências negativas para nós, quanto mais não seja no pleno dos desequilíbrios económicos que arrastarão.

Cooperação económica

De braço dado com Angola

José Manuel Silva

O momento político angolano é propício à criação de laços baseados na reciprocidade e na igualdade de tratamento, sem complexos de nenhuma espécie. A história foi o que foi, o presente está em curso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)