Eleições

O que há para ver já vimos /premium

Autor
280

Rui Rio vai voltar a querer acordos com o PS depois das eleições, e António Costa vai querer voltar à geringonça. Com tais líderes políticos, não veremos nada de novo nos próximos anos.

Talvez ainda alguém tivesse um resto de esperança, porque esta semana, António Costa e Rui Rio apressaram-se a vir exterminá-la, com uma entrevista cada um. No filme Groundhog Day (O Dia da Marmota, que em português ficou O Feitiço do Tempo), o personagem principal acorda todas as manhãs preso no mesmo dia, condenado a repetir os mesmos encontros e a reviver os mesmos incidentes. Em ano de eleições, depois de quatro anos de mediocridade, já todos percebemos que, depois de votar, nos arriscamos a começar outros quatro anos iguais — a não ser que tudo piore. Melhor, com os nós que a oligarquia deu ao regime, é que não parece possível.

O presidente do PSD, para parafrasear um velho dito, surpreendeu não surpreendendo. Em entrevista, revelou que, por este ano haver eleições, fará de conta que está zangado com o governo, mas que depois não terá quaisquer problemas em propor “acordos” aos socialistas. Os oligarcas estão tão à vontade, que já se dispensam de nos poupar à nudez do seu cinismo. Rio resolveu ainda explicar à nação porque é que o PSD não é exactamente igual ao PS: porque – imagine-se — o PS não deixou. Senão, segundo Rio, Portugal teria hoje dois partidos da Internacional Socialista. Só não nos disse porque é que, sendo assim, não poderíamos ter só um.

A entrevista de António Costa conseguiu ser tão curiosa, com o seu anúncio aos eleitores de que uma “maioria absoluta” do PS é, afinal, “virtualmente impossível”. Mas porquê? Não virou o governo a “página da austeridade”? Não calou o PCP e o BE? Não se dá bem com o presidente da república? Não tem a economia a crescer? Não elegeu Centeno para o Eurogrupo? Não enfrenta uma oposição desmoralizada e confusa? A ciência nacional ensina, há anos, que boas notícias do INE são necessariamente votos nas urnas. A ciência mudou?

No caso de Rio, não interessa agora voltar a lembrar que o PSD de “centro-esquerda” e candidato à Internacional Socialista foi uma táctica dos tempos em que era preciso sobreviver ao COPCON ou de quando, entre 1976 e 1978, pareceu que só uma aliança com o PS poderia levar a direita ao poder. Obviamente, Rio está convencido que essa táctica voltou a fazer sentido. O que isto significa é que Rio está a privar o regime do partido que, nos últimos quarenta anos, liderou as coligações reformistas em liberalizaram Portugal e o fizeram aproximar dos padrões europeus. Já não acredita que isso seja possível, ou simplesmente, depois do trauma dos ajustamentos de 2002 e de 2011, sabe que o partido não quer essa responsabilidade, preferindo reservar-se, através do negócio da regionalização, uma parcela de poder local?

As modestas expectativas de António Costa levantam a mesma dúvida. Foi este duche frio na ideia da maioria absoluta uma maneira de António Costa admitir que a austeridade apenas trocou de máscara, o crescimento económico é fraco, os equilíbrios do orçamento são efémeros, a função pública exige mais, e pode bem ser que o castelo de cartas não aguente até Outubro? Ou, em alternativa, o problema nem é tanto a maioria absoluta estar fora do seu alcance, mas não lhe dar jeito nenhum? A maioria absoluta, para um governo, não é só uma maior liberdade de acção. É também uma fixação das responsabilidades, sem as desculpas do apoio parlamentar. E é, acima de tudo, a falta de pretexto para uma manobra à 2001, isto é, a fuga antes de a tempestade chegar. Foi evadindo responsabilidades que o grupo de amigos de que Costa é agora o chefe governou durante a maior parte dos últimos vinte e cinco anos, colonizou o Estado e a partir daí quase todos os bancos e grandes empresas. Perante as incertezas dos próximos tempos, a geringonça é uma porta de saída muito conveniente.

Enfim, é assim que vamos votar, como o homem do dia da marmota ia para a cama: com a suspeita de que, quando o despertador tocar na manhã seguinte, o dia vai ser igual ao de hoje. O que há para ver já vimos.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Austeridade

Nunca tão poucos enganaram tantos /premium

Rui Ramos
2.381

Em 2016, disseram-nos que a austeridade era uma página, e que estava virada. A austeridade, porém, não é uma página. É um livro inteiro, de que já ninguém lembra o princípio e ninguém sabe o fim.

Política

Manual de evasão governamental /premium

Rui Ramos
527

A estagnação da economia e a estatização da sociedade tinham de dar nisto, numa política reduzida a um círculo fechado de amigos e de parentes. Mas em vez de enfrentarmos isso, ataquemos Cavaco Silva.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)