caderno de apontamentos

O que os seus filhos deviam estar a aprender /premium

Autor
  • Hugo Carvalho
3.919

Os seus filhos deviam estar a aprender tudo o que se prevê que uma máquina não vá saber fazer: filosofia e ética, arte e cultura, criatividade e desporto, relações pessoais e assistência pessoal.

Há dias dei comigo a pensar se os vários milhões de dólares que a indústria automóvel investiu para criar carros autónomos teriam sido suficientes para construir um robô que conduzisse… O princípio seria o mesmo, evidentemente, sendo que quando não estivesse a conduzir, o robô poderia fazer uma série de outras coisas (incluindo aspirar a casa), que um carro que conduza sozinho não consegue fazer.

Vem esta minha reflexão exatamente a propósito do tema deste meu artigo: o que os seus filhos deviam estar a aprender. Irá o leitor dizer (e com toda a razão) que este é mais um que escreve umas coisas sobre isto do futuro da educação e sobre a forma como ela se deve relacionar com a globalização, a internet das coisas, a digitalização da economia, o futuro do trabalho e tantas outras. É verdade, sendo que eu nasci em 1990 e, portanto, esses temas são praticamente tão velhos quanto eu.

É por isso que o que me preocupa, na verdade, são os mais novos estudantes das nossas escolas, o que lhes ensinamos e o que eles aprendem. Ou, de uma forma mais atual: tudo o que não lhes ensinamos, e tudo o que temos a mania de que eles deviam saber.

O fenómeno é grave e acontece pelo sistema de ensino fora. Damos prioridade às ciências e não valorizamos a criatividade, focamos a aprendizagem nas línguas mas não apostamos na filosofia, na ética e nos direitos humanos, consideramos fundamentais as disciplinas que vão a exame, mas não damos lugar à educação não formal e ao desenvolvimento integral da pessoa, deixando para segundo plano o desporto, a ecologia ou o saber-fazer. No ensino superior, criamos mais vezes os cursos para encaixar os professores que já fazem parte do quadro do que para dar formação específica (e útil) aos alunos que os frequentam, e assistimos no geral à desatualização dos conteúdos, dos programas e das formas de ensinar no nosso país.

Entretanto, a discussão pública do setor parece concentrar-se em questões financeiras e laborais – mais ou menos a propósito das exigências dos sindicatos ao Governo – em vez de abordar a qualidade do ensino ou a mudança dos paradigmas pedagógicos. Ou seja, vira-se para si própria, em vez de se virar para o futuro.

Esta não é uma visão contra quem faz parte do sistema hoje, porque se chegámos a este nível de educação no nosso país é porque todos os professores o conseguiram com tantas gerações de alunos nos últimos anos. Devemos estar-lhes gratos, valorizar a sua participação na escola e na academia, e o legado que deixaram em gerações de portugueses sempre melhores. O problema não deixa, porém, de estar à vista de quem o quiser ver e não acredito que seja preciso sensibilizar ninguém para este assunto. Precisamos de transportar a educação para este século e para isso é preciso rejuvenescer o corpo docente e abandonar o estigma de que só tem palavra no que se ensina quem já está instalado no sistema. Escolas e instituições de ensino superior têm de estar mais abertas ao diálogo e à participação da sociedade, têm de ser menos conservadoras no seu funcionamento e tentar responder mais vezes a esta pergunta: o que deviam estar a aprender os seus filhos?

Deixo-lhe a minha resposta. O que os seus filhos deviam estar a aprender é tudo o que se prevê que uma máquina não vá saber ou poder fazer num futuro próximo: filosofia e ética, arte e cultura, criatividade e desporto, relações pessoais e assistência pessoal.

Presidente do Conselho Nacional de Juventude
‘Caderno de Apontamentos’ é uma coluna que discute temas relacionados com a Educação, através de um autor convidado.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
caderno de apontamentos

Educar mesmo /premium

Miguel Abranches Pinto
187

O debate sobre a educação cairá sempre na necessidade de uma presença adulta, sendo aqui que se joga o diálogo da família com a escola, para que o jovem possa crescer e afirmar a sua personalidade.

caderno de apontamentos

Educar para o futuro /premium

Eduardo Marçal Grilo
716

Os jovens portugueses nada devem temer na sua comparação com os de países mais avançados tecnologicamente, mas para poderem “voar” têm que ganhar mundo, ser pró-ativos e não ter medo do futuro.

Exames Nacionais

Reflexos na pauta /premium

Teresa Espassandim

Vamos lá lutar é por aquela décima no exame que a média agradece e os rankings rejubilam! Mas não esquecer o teatro, ERASMUS, o associativismo, o activismo, o desporto, o voluntariado, as viagens…

Polémica

Caso encerrado (ainda "O regresso do 'eduquês'")

José Pacheco

O senhor Torgal crê – uma crença não se discute – que as escolas são prédios, dentro dos quais professores do século XX tentam ensinar alunos do século XXI, seguindo práticas pedagógicas do século XIX

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)