Rádio Observador

Imprensa

Obrigado, Nuno Rocha

Autor
  • João Cândido da Silva
184

Lutou pela liberdade de Imprensa numa era em que o mais fácil era baixar os braços. Teve coragem e visão. Merece um lugar de destaque na história dos media no regime democrático.

Há duas pessoas a quem devo a oportunidade de ter sido jornalista: Francisco Bettencourt Botelho e Nuno Rocha. O primeiro, jornalista, meu amigo de infância e adolescência, teve, um dia, a ideia de me perguntar se eu teria algum interesse em preencher um lugar de estagiário na redação de Economia do “Tempo”, quando aquela madrugada do início de Julho de 1986, em que estivemos sentados à conversa numa mesa do Snob, já ia longa.

Eu disse que “sim”. E o Francisco levou-me a sério. No dia seguinte, mal dormido e de ressaca, estava na receção do semanário à hora combinada. Eram dez da manhã e aquilo que se seguiria, de acordo com a agenda, era uma entrevista com o diretor do jornal. Não me sentia em grande forma para conversas sobre a situação política do país, muito menos sobre as subtilezas da economia portuguesa, acabada de entrar na Comunidade Económica Europeia. Mas tinha que ser.

Nuno Rocha acolheu-me com o sorriso aberto que raramente largava e com aquela boa educação que nunca vacilava. A conversa podia ter corrido muito mal e a minha carreira de jornalista esteve a pouca distância de ter cessado ali. Seis anos antes, já tinha tentado encontrar, pela primeira vez, uma porta de entrada para o jornalismo também através do “Tempo”. Fiquei de fora. Aparentemente, já estavam servidos de gente que ambicionava escrever sobre música. Queriam jornalistas de política e fizeram uma ótima escolha ao oferecerem a Paulo Portas uma das vagas na redação.

Jamais me esquecerei que Nuno Rocha me perguntou se eu era formado em Economia. Entre o meu estado ensonado, quase letárgico, e a ânsia de agradar para agarrar o lugar, confirmei. Escassas décimas de segundo depois, percebi que tinha acabado de dizer um enorme disparate e tratei de desfazer o equívoco. Não, não era de Economia, estava a terminar a licenciatura em Direito, na menção de jurídico-económicas. A expressão de Nuno Rocha ficou grave. Observou-me durante alguns segundos, para tentar perceber que espécie de cromo tinha à frente dele. De facto, parecia que estava a zombar, precisamente na hora menos adequada para o fazer.

Provavelmente pelo facto de estar habituado a lidar com gente exótica nas redações em que exerceu a profissão de jornalista, e por achar que mais um não faria diferença, acabou por me aprovar e selou as boas vindas com um aperto de mão. Seguiram-se dez meses em que integrei aquela pequena redação de um semanário que já tinha vivido a sua era dourada, que se debatia com graves dificuldades financeiras, depois de ter chegado a ameaçar a liderança do Expresso.

Na primeira semana de trabalho, deram-me as páginas de Internacional. Para escrever, editar, paginar e fechar. Quinze dias depois, o Francisco Bettencourt Botelho foi cumprir o serviço militar obrigatório e fiquei, também, com as páginas de bolsa. Para escrever, editar, paginar e fechar. Nada disto me inspirou especial receio. Nem o facto de, com duas semanas de jornalismo, me terem dito que tinha de ficar de piquete, na gráfica, a supervisionar todo o jornal com o objetivo de garantir que tudo ia certinho para a impressão.

Só se esqueceram de me avisar que o diretor costumava ser liberal a escrever os editoriais e que, já na montagem, era habitual ter de se cortar umas linhas ao texto, que raramente cabia no espaço limitado da página 2. Lá tive que dar indicações sobre aquilo que, do meu ponto de vista, podia ser cortado, sem perturbar o conteúdo. No dia seguinte, com o jornal já pronto e nas bancas, Nuno Rocha não refilou com os cortes. Safei-me.

Conto estes pormenores porque comecei a carreira num jornal que vivia uma fase de agonia e que necessitava de uma liderança confiante e assertiva. Nunca, durante o período em que trabalhei no “Tempo”, Nuno Rocha abandonou o otimismo ou mostrou menor energia perante as dificuldades. Também não se lhe esmoreceu, jamais, a vontade de lançar projetos novos.

O caderno de Economia do semanário que fundou foi pioneiro. Vivíamos numa época em que o despertar da iniciativa privada e dos novos grupos económicos justificava uma aposta na informação sobre esta área. A bolsa ressuscitava do estado moribundo em que tinha ficado após os anos revolucionários e o “Tempo” estava em cima dos acontecimentos, com a preocupação de que o jornalismo nesta área fosse pedagógico. Nuno Rocha não tinha o menor talento para a gestão, mas demonstrava visão. E tinha coragem. Muita coragem.

Quem se recorde do ambiente opressivo do PREC sabe do que se fala, quando se menciona o lançamento de um jornal que, em 1975, estava claramente fora de tom. Não era de esquerda, defendia a normalização da democracia portuguesa de acordo com os parâmetros dos regimes em vigor na Europa Ocidental e não se calava perante os carimbos que lhe caíam em cima, aplicados por quem preferia uma imprensa monocolor, apoiante, ou complacente, em relação às aventuras terceiro-mundistas que ameaçavam Portugal.

Tal como sucede no percurso de qualquer homem que não tenha receio de correr riscos, há aspetos menos felizes no de Nuno Rocha, como o apoio à Indonésia quando o país ocupava Timor-Leste com mão de ferro. Mas as liberdades de expressão e de opinião, pelas quais lutou, deram-lhe todo o direito e legitimidade para expor as suas convicções e oferecer a escrutínio a respetiva fundamentação. Teria sido muito mais confortável a opção pela autocensura, de forma a evitar críticas, muitas vezes formuladas com uma arrogância e um desprezo que Nuno Rocha jamais teria sido capaz de usar por, simplesmente, não estar na sua natureza de grande cavalheiro.

Pela oportunidade que me proporcionou de seguir a carreira de jornalista mas, sobretudo, pelo que fez pela liberdade de imprensa em Portugal, aqui fica o meu reconhecimento. Obrigado, Nuno Rocha.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rui Rio

PSD, a versão diesel do PS

João Cândido da Silva

Em política, a coerência tem um valor relativo, sujeito às mudanças de conjuntura. Se o PSD parece a versão diesel do PS, Pedro Passos Coelho e os seus apoiantes não podem sacudir a água do capote.

Identidade de Género

Minorias de estimação /premium

Laurinda Alves

No dia em que as casas de banho das escolas forem obrigatoriamente abertas a rapazes e raparigas de todas as idades, as agressões vão escalar e a “pressão dos pares” poderá ser ainda mais perversa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)