De todos os partidos que hoje têm representação parlamentar, o mais perigoso para o nosso modo de vida é claramente o PAN. Debaixo daquela capa de “amigos dos animais e natureza” esqueceram a primeira letra da sigla do partido, o P de pessoas.

A verdade é que eles nunca esconderam ao que vinham. Primeiro escolheram um tema que sabiam lhes iria dar a visibilidade que precisavam, sobretudo nos meios urbanos e suburbanos onde se movem, o fim das touradas. A partir daí cavalgaram e distorceram ao seu bel-prazer um tema tão relevante como as alterações climáticas, querendo fazer-nos acreditar que a culpa do aquecimento global é das sociedades capitalistas ocidentais e que, se mudarmos, não o nosso estilo de vida mas a nossa forma de organização colectiva, então sim, poderemos almejar a felicidade suprema.

“Tudo isto converge no capitalismo financeiro neoliberal, selvagem e especulativo que concentra em muito poucos a riqueza produzida pela maioria e que hoje predomina nas políticas económicas nacionais e mundiais”. Esta frase foi retirada do manifesto do PAN na sua página da internet.

Não se iludam, os animais são um pretexto, a natureza um pormenor — a verdadeira natureza do PAN é este marxismo de vão de escada mal disfarçado. O perigo do PAN é este: quem vota PCP e BE não vai ao engano, sabe perfeitamente no que está a votar. No entanto a maioria das pessoas votou no PAN, acredito eu, não quer uma sociedade marxista, são pessoas bem-intencionadas que acreditaram que o PAN era o único partido preocupado com a causa ambiental.

Se o PAN estivesse verdadeiramente preocupado com o ambiente não se propunha acabar com o “capitalismo financeiro neoliberal” mas sim com o regime chinês, visto que este país é o maior emissor mundial de gases com efeito-estufa. O PAN não está preocupado nem com as pessoas nem com animais nem com a natureza, o PAN é hoje o partido satélite do Partido Socialista, seguindo este com uma obediência quase canina.

A discussão deste Orçamento de Estado teve inúmeras vantagens, uma delas foi pôr a nu a verdadeira inutilidade do PAN no parlamento. A prepósito da redução do IVA da luz para 6%, André Silva disse o seguinte: “Entendemos que é socialmente injusto, economicamente irresponsável e ambientalmente pouco aceitável fazer uma redução da taxa de IVA universal de 23% para 6%”. Recordo aqui que este é o mesmo partido que propôs um SNS para animais mas não sabe quanto é que essa medida custaria. Ou seja, baixar o IVA da luz para as pessoas é “economicamente irresponsável”, já um SNS para cães e gatos é uma necessidade fundamental, independentemente de quanto custe.

O PAN também voltou a revelar a sua verdadeira natureza ao abster-se numa proposta da Iniciativa Liberal que pretendia baixar o IVA da comida para bebés de 23% para 6%. Relembro que este é o mesmo partido que em 2018 pretendeu baixar o IVA das rações para animais domésticos, que actualmente está nos 23%. Temos então um partido que acha que as rações para animais domésticos devem pagar menos IVA que a comida para bebés.

Caiu a máscara. O PAN seguirá fielmente as indicações do PS com o objectivo de substituir PCP ou BE na geringonça. António Costa pode dormir descansado.

Os portugueses talvez não.