Rádio Observador

Crónica

Os ridículos semideuses do mundo corporativo /premium

Autor
930

Cria-se, dentro das empresas, uma risível cultura que prega tacitamente que existem dois tipos diferentes de pessoas. Quase um sistema de castas corporativo.

Multinacionais. Bancos. Bancos de investimento. Grandes escritórios de advocacia. Consultoras. Aquele ambiente que oscila entre o glamour, a tensão e a soberba. Quase todos se conhecem pelos corredores, quase ninguém se conhece de verdade. A fórmula se repete mundo afora.

Mas algumas figuras acabam por se destacar no meio dessas multidões. Fundadores, proprietários, sócios, membros do alto escalão. Não importa muito o que façam, importa que convençam todos de que são uma espécie contemporânea de semideuses.

Eles andam pelas empresas com um ar interessante. Parece que flutuam alguns centímetros acima do chão no qual pisam os mortais. Seus olhares só trabalham em três versões: o olhar inexistente, como se todos os demais fossem invisíveis e irrelevantes perante suas preocupações e incumbências. O olhar generoso, quando se dignam a cruzar seus olhos com os dos empregados e, por vezes, até fazem a benesse de sorrir. Por fim, o olhar disciplinador, com o qual sutilmente fuzilam aqueles que, desavisados, não estão no lugar certo, fazendo a coisa certa na hora certa.

O mais curioso é que os mortais da empresa realmente se convencem de que aquelas pessoas, ainda majoritariamente do sexo masculino, são, de fato, divindades em maior ou menor escala. Quando os semideuses aparecem, pessoas mudam a postura nas cadeiras, fecham janelas nos seus computadores, pousam o café na mesa, como se tivesse chegado o dia do juízo final. Um misto de medo e deslumbramento.

Alguns ficam profundamente gratos quando recebem um simples “bom dia” ou “boa tarde” vindo deles. Mas, se por um acaso, o semideus souber o nome da pessoa, a emoção é tamanha, que alguns chegam a sentir pontadas no peito. Mais do que celebridades ou líderes religiosos, os membros da cúpula de uma empresa, no século XXI, acabam por convencer os demais que, definitivamente, estão acima do bem e do mal.

Cria-se, dentro das empresas, uma risível cultura que prega tacitamente que existem dois tipos diferentes de pessoas. Quase um sistema de castas corporativo. Alguns precisam ser tratados com reverência, pomba e circunstância, enquanto outros não merecem nada disso.

As grandes figuras do mundo corporativo não erram, não têm dor de barriga, não têm problemas de família nem de dinheiro, não sofrem de micoses nem de disfunção erétil, não têm dificuldades para lidar com a impressora, não choram, não têm medo nem têm dúvidas. Ou pelo menos é a imagem que tentam transmitir.

Uma espécie de fantasia, como se a empresa fosse um reino no qual os plebeus se esquecem da imensidão que é o mundo e se convencem que não há nada na terra mais sublime e relevante do que seus nobres. E os nobres, por sua vez, não se satisfazem com essa suposta nobreza, exatamente porque têm a mais plena certa de serem divinos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Relações

Cuidem dos seus relacionamentos /premium

Ruth Manus

Ao passar ao lado do outro, faça um carinho qualquer. Pegue na mão, toque no ombro, dê um beijo na testa. Mostre que a presença do outro faz diferença. Um cafuné de vez em quando.

Crónica

O Verão /premium

Maria João Avillez

Quando as coisas “impossíveis” acontecem é como um certificado: sabemos que podem acontecer e por isso, voltar a acontecer. O desconsolo é maior que o consolo.

Política

A rentrée dos artistas /premium

Luís Reis
651

O PS oferece-nos os piores serviços públicos de sempre a troco de um crescimento anémico e da maior carga fiscal de todos os tempos. E proclama que este é o melhor dos mundos e assim devemos continuar

Crónica

Onde é que há gente no mundo? /premium

Paulo Tunhas

Abre-se um jornal ou vê-se uma televisão e só nos deparamos com doses cavalares de virtude a crédito que clama por integral satisfação e danação eterna dos que escapam à sua jurisdição.

Crónica

I love Portugal /premium

Alberto Gonçalves
2.410

Os portugueses lúcidos, coitados, padecem da esperança de que os portugueses restantes acordem para as delícias da liberdade. Sucede que para os simplórios a liberdade não é deliciosa: é uma ameaça.

Crónica

Por cá, na Quinta…

Pedro Barros Ferreira
200

Estes prodígios das finanças criticam tudo e todos, direita e esquerda. Nada lhes serve. O que interessa é o que Estado volte a abrir os cordões à bolsa (e nisso os socialistas são bons, sem dúvida).

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)