Crónica

Os ridículos semideuses do mundo corporativo /premium

Autor
930

Cria-se, dentro das empresas, uma risível cultura que prega tacitamente que existem dois tipos diferentes de pessoas. Quase um sistema de castas corporativo.

Multinacionais. Bancos. Bancos de investimento. Grandes escritórios de advocacia. Consultoras. Aquele ambiente que oscila entre o glamour, a tensão e a soberba. Quase todos se conhecem pelos corredores, quase ninguém se conhece de verdade. A fórmula se repete mundo afora.

Mas algumas figuras acabam por se destacar no meio dessas multidões. Fundadores, proprietários, sócios, membros do alto escalão. Não importa muito o que façam, importa que convençam todos de que são uma espécie contemporânea de semideuses.

Eles andam pelas empresas com um ar interessante. Parece que flutuam alguns centímetros acima do chão no qual pisam os mortais. Seus olhares só trabalham em três versões: o olhar inexistente, como se todos os demais fossem invisíveis e irrelevantes perante suas preocupações e incumbências. O olhar generoso, quando se dignam a cruzar seus olhos com os dos empregados e, por vezes, até fazem a benesse de sorrir. Por fim, o olhar disciplinador, com o qual sutilmente fuzilam aqueles que, desavisados, não estão no lugar certo, fazendo a coisa certa na hora certa.

O mais curioso é que os mortais da empresa realmente se convencem de que aquelas pessoas, ainda majoritariamente do sexo masculino, são, de fato, divindades em maior ou menor escala. Quando os semideuses aparecem, pessoas mudam a postura nas cadeiras, fecham janelas nos seus computadores, pousam o café na mesa, como se tivesse chegado o dia do juízo final. Um misto de medo e deslumbramento.

Alguns ficam profundamente gratos quando recebem um simples “bom dia” ou “boa tarde” vindo deles. Mas, se por um acaso, o semideus souber o nome da pessoa, a emoção é tamanha, que alguns chegam a sentir pontadas no peito. Mais do que celebridades ou líderes religiosos, os membros da cúpula de uma empresa, no século XXI, acabam por convencer os demais que, definitivamente, estão acima do bem e do mal.

Cria-se, dentro das empresas, uma risível cultura que prega tacitamente que existem dois tipos diferentes de pessoas. Quase um sistema de castas corporativo. Alguns precisam ser tratados com reverência, pomba e circunstância, enquanto outros não merecem nada disso.

As grandes figuras do mundo corporativo não erram, não têm dor de barriga, não têm problemas de família nem de dinheiro, não sofrem de micoses nem de disfunção erétil, não têm dificuldades para lidar com a impressora, não choram, não têm medo nem têm dúvidas. Ou pelo menos é a imagem que tentam transmitir.

Uma espécie de fantasia, como se a empresa fosse um reino no qual os plebeus se esquecem da imensidão que é o mundo e se convencem que não há nada na terra mais sublime e relevante do que seus nobres. E os nobres, por sua vez, não se satisfazem com essa suposta nobreza, exatamente porque têm a mais plena certa de serem divinos.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Família

Em 2019 gaste mais tempo com seus pais /premium

Ruth Manus
6.349

As pessoas, cada vez mais focadas nos seus projetos - de beleza, de imagem, de status - ficam, a cada dia, mais egoístas. São elas e suas prioridade. O resto vem depois. Sucede que o resto são pessoas

Natal

Celebremos a data mais hipócrita do ano /premium

Ruth Manus
34.025

Vamos comer mais do que o necessário, beber até vomitar verdades que a nossa covardia esconde o ano inteiro. Vamos empurrar restos de comida para o lixo, enquanto rezamos pelos pobres. Vamos celebrar.

Crónica

O Rato rebolou a rir do repto a Rui Rio /premium

Tiago Dores
1.741

Eu acho estupendo. Propinas gratuitas, livros gratuitos, transportes gratuitos, tudo gratuito para toda a gente. Por este caminho o mais provável é acabarmos a trabalhar gratuitamente para o Estado.

Crónica

Os "influencers" ou o Portugal dos Pequeninos

António de Souza-Cardoso
414

Cristina Ferreira a Mulher mais influente do nação? Pedi, com incontida revolta, explicações. Que me foram dadas, julgo que com a paciente condescendência que se devota às pessoas achacadas pela idade

Crónica

O Programa do Marcelo /premium

Tiago Dores
170

Se em Portugal sempre tivemos razões de queixa da ingerência dos governos na programação do canal público, agora temos um Presidente que se intromete na programação dos canais privados. Refrescante.

Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)