Felicidade

Portugal

Autor

Acaso Fátima, o Benfica e o “Amar pelos dois” nos vão mudar, para melhor ou para pior, colectivamente, a vida? É claro que não. E pretender o contrário é pura e simplesmente falso.

Há, graças a Deus, muitas coisas relativamente às quais nada nos obriga a tomar partido. Por acaso, são quase todas. A única atitude sensata nestes casos parece ser a de pensar: deixa-as existir. Não é que geralmente não tenhamos uma inclinação de qualquer tipo, pró ou contra, em relação a elas. Temos sempre: a natureza humana inclina por definição, não há nunca completa e perfeita indiferença em relação a nada. Acontece, no entanto, que a inclinação pode ser ténue, quase imperceptível, ou então, além de vaga, oscilante. Quer dizer: não inclina nunca com força suficiente para necessitar opinião reflectida e expressão dela. A sabedoria tradicional diz que isto se acentua com a idade. No meu caso, pelo menos, a sabedoria tradicional tem carradas de razão.

Esta verdade básica sofreu uma exemplificação gloriosa por estes dias com a série da canonização dos pastorinhos em Fátima pelo Papa, a vitória do Benfica no campeonato e o primeiro lugar de Salvador Sobral no Festival da Eurovisão. Percebo perfeitamente a alegria dos católicos, o êxtase dos benfiquistas e o arrebatamento dos adeptos do talento de Salvador Sobral. Percebo-o até o suficiente para experimentar uma espécie de satisfação vicária por cada um dos grupos em questão. Mas não passa disso. Em contrapartida, fico genuinamente surpreendido com os entusiasmos, positivos e negativos, que a celebração dos eventos gerou em opinadores de toda a pinta. Para uns, a coisa, na sua totalidade, manifestaria a grandeza pátria finalmente manifesta, vingando-se de um longo e penoso, além de injusto, recalcamento. Para outros, pelo contrário, o terrível sintoma de uma perene alienação que nos perseguiria. Num caso como noutro, o que mais faltou foi moderação e até, se me é permitido, banal bom-senso. A haver algo de preocupante nisto tudo, algo que inclina efectivamente a ter opinião, é a muito óbvia facilidade destes entusiasmos.

Longe de mim querer questionar a sua sinceridade. Mas a sinceridade não acrescenta forçosamente interesse aos pensamentos e é duvidoso que possua em si um valor civilizacional excessivo. Para mais quando se trata de uma sinceridade excitada que visa, em primeiro lugar, permitir o cultivo de opiniões gerais. Ora, há matérias em que as opiniões gerais tendem declaradamente para o espúrio. Nada há de substantivo nelas que nos permita orientarmo-nos melhor na realidade. Acaso Fátima, o Benfica e o “Amar pelos dois” nos vão mudar, para melhor ou para pior, colectivamente, a vida? É claro que não. Dizer isto não é apoucar a satisfação inteiramente legítima que grupos de indivíduos possam ter em relação a qualquer um dos acontecimentos. Mas Portugal não muda nada com isso: nem para melhor, nem para pior. E pretender o contrário, como pretendem os entusiastas de ambos os lados, é pura e simplesmente falso.

O que sugere imediatamente duas reflexões. Primeiro, não se ganha nada em supor que o eclodir de felicidades sortidas possui um efeito mágico, positivo ou negativo, sobre a nossa situação colectiva. Pior: essa espécie de idealismo cega-nos para o verdadeiramente importante no que toca às condições do nosso modo de viver. Tomar partido à força é voar para longe da possibilidade da imparcialidade que é a primeira condição da objectividade. Depois, e é mais importante, há nesta facilidade em generalizar especulativamente uma indisfarçável sugestão de menosprezo pelo que cada um de nós pode fazer por si mesmo para realizar o melhor possível a sua vida a partir dos seus próprios critérios de satisfação pessoal.

E isso é que interessa verdadeiramente. Banalmente, como dizia um autor célebre: aprender a amar melhor, a trabalhar melhor e a conviver melhor com os episódios de tristeza que fazem parte da nossa existência. Para isso ser possível é necessário recusar prudentemente opiniões entusiastas face a tudo (e o tudo é muito) o que não nos obriga a tomar partido. Nomeadamente, recusar esta mania que tudo se encontra investido de um significado colectivo, maléfico ou venturoso. Há indiferenças injustificáveis, mas há-as também muito apreciáveis. Convém cultivar estas últimas. Portugal, se calhar, agradecia.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

São brancos, que se entendam /premium

Paulo Tunhas

Ninguém percebe qual é a partitura do PSD e qual a sinfonia que Rio ou Montenegro vão tocar, algo imprescindível para uma pessoa decidir se vai ou não ao concerto. Pode ser tudo e mais alguma coisa.

Marcelo Rebelo de Sousa

Conversas de taxista /premium

Paulo Tunhas

Saído da televisão para a presidência, Marcelo continuou à sua maneira na TV. Ninguém o tira de lá, o que lhe garante uma quase sobrenatural forma de ubiquidade e o caminho para o amor universal.

Crónica

Questões afetivas, sexuais e outras /premium

Laurinda Alves
107

Ler o que escreve Halík dá que pensar e ajuda a pôr muita coisa em perspetiva. Amanhã estará em Lisboa e vai, também ele, encher auditórios e anfiteatros. Vem para colocar o dedo em muitas feridas.  

Filosofia Política

Qual o lugar da felicidade?

Catarina Santos Botelho
535

A felicidade está na moda e foi até usada para fins de marketing político. Veja-se que uma das primeiras medidas de Maduro foi criar um “Vice-Ministério da Suprema Felicidade do Povo Venezuelano”

Ensino Superior

As propinas: uma história muito mal contada

Jose Bento da Silva

A questão não são as propinas. Isso é de fácil resolução. O desafio é: qual o modelo de gestão que queremos para as nossas universidades? O modelo atual não passa de um circo pago pelos contribuintes.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)