Rádio Observador

caderno de apontamentos

Que educação para o 50º aniversário do 25 Abril? /premium

Autor
  • Maria Emília Brederode Santos
346

A educação é como um comboio ao qual se têm que ir mudando as rodas sem o poder parar. Não só há problemas que persistem, como também as necessidades educativas continuam a aumentar exponencialmente.

Escrevo nas vésperas do 45º aniversário do 25 de Abril de 74. Os balanços vão começar. Neste momento, começa a reconhecer-se que a Educação é uma das áreas em que Portugal mais progrediu. Durante anos cultivou-se a opinião contrária. Cheguei a ouvir dizer que “a 4ª classe do meu tempo valia uma licenciatura de agora!” Não valia. Era só uma demonstração de arrogância de pseudocultura…

Felizmente que a participação de Portugal nos estudos internacionais (TIMMS, PIRLS e PISA), a organização de uma estrutura no Ministério da Educação para recolha e tratamento de dados do sistema educativo (agora continuada com o portal InfoEscolas), a criação da Pordata para recolha, tratamento, sistematização e divulgação da informação sobre os vários sectores e finalmente o lançamento, pelo Conselho Nacional de Educação, do “Estado da Educação”, com um olhar independente sobre a evolução do sector educativo, permitiram a identificação dos principais problemas e uma apreciação mais rigorosa da situação. Concluiu-se então que Portugal fez progressos extraordinários – quantitativos e qualitativos – em educação.

Conseguimos, em pouco mais de 40 anos, avanços que outros países levaram séculos a fazer. Costumo dar três exemplos:

(1) O analfabetismo que abrangia, nos anos 70, cerca de 25% da população (e 30% entre as mulheres!) está agora em cerca de 5% – correspondendo à média de outros países da UE;

(2) A educação pré-escolar que, nos anos 70, estava confinada a alguns jardins-de-infância nas principais cidades e abrangia um número tão reduzido de crianças que nem aparecia nas estatísticas, está agora próximo da meta dos 95% das crianças de 5 anos, meta definida pela UE para 2020;

(3) Quanto à taxa de escolarização, no 1.º ciclo subiu de 83,7%, em 1971 para 100% em 2016; no 2.º ciclo, de 22% em 1971 para 87% em 2016; no 3.º ciclo, de 14,7% em 1971 para 87% em 2016; no secundário, de 4,3% em 1971 para 75% em 2016, e no superior, subiu de 5% aos 20 anos, em 1978, para 40% em 2016. E os números já conhecidos de 2018 confirmam esta evolução positiva.

Mas a educação é como um comboio ao qual se têm que ir mudando as rodas sem o poder parar. Não só há problemas que persistem (a falta de continuidade das políticas de Educação de Adultos é talvez o exemplo mais flagrante), como também as exigências, as necessidades educativas continuam a aumentar exponencialmente, sobretudo pelo efeito do desenvolvimento tecnológico acelerado – a informática, a robótica, a Inteligência Artificial – que nos está a obrigar a uma mudança de civilização, uma mudança de era; e pelas alterações climáticas que nos estão a impor uma revisão das nossas relações com o ambiente e do nosso modo de vida com vista a um desenvolvimento sustentável.

O CNE tem promovido reflexão e debates sobre estes e outros temas e sobre as suas implicações para a educação. Foi o caso da Conferência Internacional “A Educação e os Desafios do Futuro” a 29 e 30 de Janeiro deste ano na F. C. Gulbenkian; ou do Seminário sobre a Educação para um Desenvolvimento Sustentável que terá lugar no CNE a 22 Maio próximo. Esta reflexão “top-down”, digamos assim, permite-nos antecipar problemas e dificuldades, delinear cenários alternativos, propor políticas não apenas para conseguirmos acompanhar as mudanças mas, sobretudo, para as orientar num sentido mais desejável. Alertou-nos, por exemplo, para o agravamento das desigualdades sociais que tem acompanhado a globalização e o desenvolvimento tecnológico, mas que a educação (e não só…) deve procurar contrariar.

Mas a inovação educativa tem as suas próprias características, exigências, dificuldades e oportunidades. Paralelamente a este estudo e debate “top-down”, há um forte movimento nas próprias escolas de procura de novas modalidades de organização, novos curricula e novas formas relacionais. Noticiam-se escolas que organizam as aprendizagens por projectos, que procuram estudar questões vivas e complexas, que convidam a uma maior participação dos alunos nas suas aprendizagens e na regulação dessas aprendizagens. O acompanhamento e o estudo desse movimento “bottom-up” da inovação educativa conjugado com o aprofundamento e debate das mudanças científicas, tecnológicas, sociais e políticas permitirão ampliar a nossa capacidade de reinvenção da escola. Uma nova escola que sirva cada vez melhor as aprendizagens de todos os alunos sem discriminação de idade, género, classe social, etnia… e que a todos ajude na sua realização pessoal e na construção de uma sociedade mais desenvolvida, mais justa e solidária. Estes os meus votos para o 50º aniversário do 25 de Abril!

Presidente do Conselho Nacional de Educação

‘Caderno de Apontamentos’ é uma coluna que discute temas relacionados com a Educação, através de um autor convidado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
caderno de apontamentos

Educar mesmo /premium

Miguel Abranches Pinto
187

O debate sobre a educação cairá sempre na necessidade de uma presença adulta, sendo aqui que se joga o diálogo da família com a escola, para que o jovem possa crescer e afirmar a sua personalidade.

Educação

Cheques de Ensino

Diogo Fernandes Sousa

Com os cheques de ensino se um pai se enganasse afetaria apenas o seu filho. Agora, se um político se engana no Ministério da Educação, como sucede regularmente, afeta toda uma geração de estudantes

Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)