Logo Observador
Escócia

Parlamento de Edimburgo aprova pedido para segundo referendo à independência da Escócia

764

O Parlamento de Edimburgo aprovou a moção em que se pede ao governo britânico que aprove um segundo referendo à independência da Escócia. A iniciativa é rejeitada pelo executivo britânico de May.

O governo de Nicola Sturgeon venceu por 69 votos, com o apoio dos ecologistas do Green Party, contra 59

ANDY RAIN/EPA

O Parlamento de Edimburgo aprovou, esta quarta-feira, uma moção onde se pede ao governo britânico a realização de um novo referendo à independência da Escócia, a realizar entre outubro de 2018 e a primavera de 2019. O governo de Nicola Sturgeon venceu por 69 votos, com o apoio dos ecologistas do Green Party, contra 59.

O Partido Nacionalista Escocês venceu a votação, mas a iniciativa é rejeitada pelo executivo britânico de May que, esta quinta-feira, se prepara para ativar o artigo 50 do Tratado de Lisboa e desencadear o Brexit.

Nicola Sturgeon disse, durante o debate, que ainda esta semana iria formalizar o pedido, deixando ainda um recado a Theresa May. “Espero que o governo britânico respeite a vontade do Parlamento Escocês”, atirou, acrescentando que se isso não acontecer, ela estabelecerá planos após a pausa parlamentar da Páscoa. Aliás, esta terça-feira, ainda antes da votação, Sturgeon anunciou que iria revelar no próximo mês como irá responder caso o governo do Reino Unido continue a travar um referendo sobre a independência da Escócia.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, encontrou-se, na segunda-feira, com a presidente do Partido Nacionalista Escocês Nicola Sturgeon na capital escocesa e reafirmou que este “não é o bom momento” para pedir a independência. Após o encontro, a dirigente escocesa afirmou, porém, que as conversações não permitiram qualquer avanço significativo.

Foi a 13 de março que a líder do governo escocês anunciou a intenção de organizar um novo referendo sobre independência, justificando que a saída do Reino Unido da União Europeia e do mercado único poderiam levar à eliminação dezenas de milhares de empregos na Escócia.

A votação desta moção chegou a estar marcada para a quarta-feira da semana passada, mas o debate foi interrompido e a votação adiada devido ao atentado de Londres.

Em setembro de 2014, no primeiro referendo pela independência, 55% dos escoceses votaram contra a independência. Mas Nicola Sturgeon acredita que o “Brexit” fará com que num segundo referendo possa vencer o “sim” à independência, uma vez que no ano passado, 62% dos escoceses votaram pela permanência na União Europeia.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mcarrico@observador.pt
Educação

O Filipa e a escola pública

Maria José Melo

Portugal só será realmente um país civilizado quando existir consciência cívica por parte de todos os cidadãos. Foi esta visão que adquiri no Liceu D. Filipa de Lencastre e me acompanhou toda a vida.