Logo Observador
Novo Banco

Governo nunca pediu nacionalização “a título permanente” do Novo Banco, diz comissária europeia

Num artigo de opinião no Público, comissária diz que não houve planos para uma "nacionalização a título permanente" o Novo Banco, não esclarecendo se se quis nacionalizar de forma temporária.

OLIVIER HOSLET/EPA

Num artigo de opinião que faz manchete do Público, a comissária europeia da Concorrência escreve que o Governo português nunca “apresentou planos para nacionalizar, a título permanente, o Novo Banco”. Margrethe Vestager não esclarece, assim, se houve algum pedido para nacionalizar de forma transitória, uma ideia que chegou a ser sugerida por várias figuras — desde Rui Rio até José Maria Ricciardi, passando por João Galamba (porta-voz do PS).

"PS insiste na nacionalização do Novo Banco", titulou o DN em janeiro

No início de janeiro, em entrevista ao Diário de Notícias, João Galamba defendia que “a não venda permitiria olhar para o verdadeiro problema do setor financeiro, que é a sua baixa taxa de rentabilidade e o elevado volume de crédito malparado”. “É sempre melhor querer resolver esse problema, que afeta o valor do banco, e só depois disso resolvido, aí sim, pensar em vender. A nacionalização permite ter tempo e espaço para resolver esse problema e depois, aí sim, com um banco plenamente funcional, vender, se existissem boas ofertas”. Sem isso, “dificilmente teremos uma venda bem sucedida”.

“Nos seus contactos com a Comissão, Portugal nunca apresentou planos para nacionalizar a título permanente o Novo Banco — tal seria diretamente contrário aos compromissos iniciais ligados à resolução do BES com o fim de garantir uma concorrência leal e o regresso à viabilidade do banco em mãos privadas”, escreveu Margrethe Vestager.

Na conferência de imprensa para anunciar o acordo com a Lone Star, António Costa disse que uma nacionalização implicaria um custo imediato para os contribuintes superior a quatro mil milhões de euros, pelo que não seria uma opção melhor do que a venda de 75% ao fundo norte-americano. Durante a negociação, o Governo disse várias vezes que mantinha “todas as opções em aberto”.

O Observador questionou fonte oficial da Comissão Europeia, pedindo um esclarecimento sobre se terá havido planos para uma nacionalização a título transitório, mas não foram feitos comentários oficiais.

Agora, após negociações com o comprador, Portugal irá manter uma participação de 25 % no Novo Banco. A Comissão aceitou esta alteração porque Portugal irá entregar o controlo do banco ao comprador e manter apenas uma participação de natureza puramente económica que lhe permita beneficiar de eventuais lucros futuros.

A comissária europeia escreve que “o Novo Banco tem registado prejuízos e tem estado a desvalorizar o seu capital. Por isso, é de louvar que Portugal tenha agora encontrado um comprador determinado a dar a volta” à instituição financeira. Margrethe Vestager acrescenta que a provável venda do Novo Banco é mais “um passo para a estabilização do setor bancário português”, referindo, por exemplo, o caso do Millennium BCP, que fez aumento de capital e reembolsou o empréstimo estatal.

Depois do pedido de adiamento da venda em 2015, a comissária europeia salienta que as “autoridades responsáveis assinaram um acordo para vender [Novo Banco], bastante antes do prazo previsto”, numa referência à data de 3 de agosto de 2017, data até à qual o banco tinha de ser vendido para evitar a liquidação.

A comissária europeia acrescenta que é “absolutamente falso” que Portugal tenha sido cobaia da UE na resolução do Banco Espírito Santo. “As mesmas regras que foram aplicadas à resolução do BES, já tinham sido aplicadas aos bancos em Espanha em 2012, e, desde a Comunicação da Comissão sobre o Sector Bancário de 2013, em quase 50 outros processos bancários em 18 Estados-Membros”, sublinha a comissária europeia.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Novo Banco

Vender depressa não é vender bem

Rui Rio
389

No caso do Novo Banco só parece haver uma posição ética e moralmente aceitável: anular esta espécie de concurso e abrir um novo, onde a concorrência e a igualdade de oportunidades sejam salvaguardadas