Logo Observador
Toyota

SUV mais rápido do mundo supera 370 km/h

537

O sexagenário Toyota Land Cruiser tornou-se no SUV mais rápido do mundo. O feito coube à versão especial Land Speed Cruiser: animada por um motor com 2000 cv, superou os 370 km/h de velocidade máxima.

Autor
  • António Sousa Pereira

Nome incontornável sempre que o tema é automóveis polivalentes, vocacionados para chegar a qualquer lugar, o Toyota Land Cruiser granjeou um impressionante currículo ao longo dos mais de 60 anos em que está em produção. Agora, um novo feito passa a fazer parte do seu vasto palmarés: o do SUV mais rápido do mundo.

Para alcançar este recorde, a Toyota recorreu aos serviços de Carl Edwards, o recém-retirado piloto da Nascar que até ao ano passado defendeu as suas cores, e ao Land Speed Cruiser, mostrado em Las Vegas, na edição de 2016 do SEMA. Nesta versão muito especial do célebre todo-o-terreno nipónico, o motor 5.7-V8 que o anima de série recebeu profundas modificações. Desde logo, dois enormes turbocompressores Garrett com 3,8 bar de pressão máxima de sobrealimentação, de modo a oferecer qualquer coisa como 2.000 cv de potência.

A pista com quatro quilómetros de extensão do centro aeroespacial instalado no deserto de Mojave, na Califórnia (um dos raros locais nos EUA em que são permitidos voos supersónicos), foi o palco escolhido para o Land Speed Cruiser dar largas a todo o seu potencial. Na sua primeira tentativa, Carl Edwards alcançou uma velocidade máxima de 339 km/h, mas acabou fora da pista para conseguir parar a sua montada.

Posto isto, os técnicos da Toyota aumentaram a pressão dos turbos, e o piloto norte-americano conseguiu chegar até a uns impressionantes 370 km/h, devidamente comprovados por registos GSP e vídeo. E, como se tal não bastasse, a Toyota afirma que, não fosse a pista ter terminado, e o seu “super-TT” poderia ter ido ainda mais longe…

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt