Operação Marquês

Sócrates perde último recurso para afastar juiz Carlos Alexandre

640

Depois do Tribunal da Relação foi o Supremo a dar razão a Carlos Alexandre. Sócrates pediu a recusa do juiz de instrução após a entrevista que este deu à SIC, acusando-o de "perseguição".

MÁRIO CRUZ/LUSA

Carlos Alexandre vai manter-se como juiz de instrução da Operação Marquês. Primeiro foi o Tribunal da Relação de Lisboa a dar-lhe razão, agora — e após recurso de José Sócrates — é o Supremo Tribunal de Justiça a fazê-lo.

O acórdão do Supremo foi emitido a 10 de maio e vem colocar um ponto final no pedido de recusa do juiz Carlos Alexandre, interposto pelo ex-primeiro ministro em setembro, poucos dias após uma entrevista do magistrado judicial à SIC.

Após a entrevista — ou, segundo o ex-primeiro ministro, um “monólogo apoiado” –, José Sócrates acusou Carlos Alexandre de lhe ter devassado “a vida pessoal e política”, alegando ainda que o juiz de instrução o “odiava” e “perseguia”.

No pedido de recusa, José Sócrates considerava que Carlos Alexandre usou valores seus (o juiz garantia então que a “modéstia” e o “trabalho honrado” não lhe permitiam “estudar, escrever livros ou participar em seminários para progredir na carreira”) em contraponto com os do próprio Sócrates, apontando, indiretamente, este como o oposto para que, assim, o pudesse indiciar de “todos os males e culpas”.

O Ministério Público deverá acusar José Sócrates até final de julho.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: tpalma@observador.pt
Justiça

A nossa (grande) ‘Quadrilha’

Filomena Martins
372

Não é estranho que nos últimos anos se tenham descoberto tantos suspeitos de crimes entre os mais poderosos do país? Eram todos bons rapazes antes ou só agora alguém teve coragem para os investigar?

Justiça

Querem uma justiça diplomática?

Rui Ramos
107

As relações entre Lisboa e Luanda assentam demasiado na promiscuidade entre as duas oligarquias, portuguesa e angolana. O pior que há em Portugal tende a reforçar o pior que há em Angola, e vice-versa

Corrupção

O último refúgio dos arguidos?

Rui Ramos
478

Poderá o nosso regime funcionar sem cumplicidades, sem favores, sem arranjos, sem ganhos ilegais? Ou é aquilo a que chamamos "corrupção" a única maneira de o regime existir?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site