Nicolás Maduro

Forças Armadas venezuelanas declaram apoio incondicional a Maduro

A Força Armada Nacional Bolivariana da Venezuela declarou o seu "incondicional apoio e lealdade" ao Presidente do país, Nicólas Maduro, na sequência das sanções dos EUA.

A Forças Armadas defendem que o objetivo norte-americano é "destruir a imagem do poder executivo nacional"

Cristian Hernández/EPA

A Força Armada Nacional Bolivariana (FANB) da Venezuela declarou esta terça-feira o seu “incondicional apoio e lealdade” ao Presidente do país, Nicólas Maduro, na sequência das sanções dos EUA, que considerou uma violação do direito internacional, adiantou a Efe.

A FANB empenha-se mais do que nunca à sua missão constitucionalmente atribuída, declara o seu incondicional apoio e lealdade ao nosso comandante supremo e reitera o compromisso histórico de defender a soberania e independência nacional”, afirma-se num comunicado divulgado pela FANB, lido pelo ministro da Defesa venezuelano, Vladimir Padrino.

No texto, as Forças Armadas venezuelanas defendem que a administração norte-americana, “no âmbito da sua política intervencionista e imperialista”, assume poderes extraterritoriais que violam de forma flagrante princípios elementares princípios do direito internacional”. O comunicado acrescenta que o objetivo norte-americano é “destruir a imagem do poder executivo nacional” e debilitar as instituições, a governabilidade e a estabilidade do país.

Padrino sublinhou que a Venezuela não recebe ordens nem aceita “ameaças de potências e impérios estrangeiros” e garantiu que as forças armadas defenderão “a qualquer custo” os interesses do povo venezuelano. Os EUA impuseram na segunda-feira sanções jurídicas e financeiras sem precedentes contra o Presidente venezuelano, congelando os seus bens e classificando-o de “ditador”, em resposta à eleição de domingo de uma Assembleia Constituinte em clima de violência.

De acordo com o Ministério Público venezuelano, pelo menos dez pessoas morreram, na sequência de confrontos, durante a jornada eleitoral para a Assembleia Constituinte, promovida pelo Presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, e boicotada pela oposição.

A convocatória para a eleição foi feita a 1 de maio pelo Presidente, Nicolás Maduro, com o principal objetivo de alterar a Constituição em vigor, nomeadamente os aspetos relacionados com as garantias de defesa e segurança da nação, entre outros pontos.

A oposição venezuelana acusa Nicolás Maduro de pretender usar a reforma para instaurar no país um regime cubano e perseguir, deter e calar as vozes dissidentes. O Presidente da Venezuela anunciou na segunda-feira que a nova Assembleia Constituinte vai ser usada para promover o diálogo e a paz nacional, acabar com a sabotagem opositora, a guerra económica e reestruturar o Ministério Público.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site