Perfumes

Moda, cinema e um perfume. De olhos postos no novo Kenzo World

Num frasco, a Kenzo contraria todo o método da indústria dos perfumes. Kenzo World não se fica pelas notas olfativas: assumiu a forma de filme e traz com ele a criatividade que pisa a passerelle.

O olho tornou-se um ícone da marca em 2013. Agora, o frasco do perfume Kenzo World recupera-o.

Divulgação

Quarta-feira, dia 6 de setembro. Já passava das 11 da noite em Madrid e a festa de lançamento do novo perfume da Kenzo, no Teatro Real, revelou-se, de repente, o objeto de estudo perfeito para perceber a atual energia da casa parisiense. Bloggers, instagramers, youtubers, jornalistas, modelos e artistas, tudo numa mescla. A esquizofrenia de estilos nunca soou tão bem. Os vestidos dignos de passadeira vermelha apareceram em pé de igualdade com os bombers e os ténis futuristas. A banda sonora foi por caminhos inesperados. Tão depressa os convidados eram chamados à pista para dançar ao som de Beyoncé, como eram desafiados a requebrar ao ritmo do funk carioca. Afinal, esta é a obra de Carol Lim e Humberto Leon, diretores criativos da Kenzo.

Há um ano, a marca apresentava Kenzo World ao mercado francês. A união de recursos criativos em torno de um perfume nunca foi tão visível, da curta-metragem assinada por Spike Jonze ao frasco figurativo, dos que dificilmente vamos deitar fora depois de vazio. Mas é o trabalho conjunto entre a direção criativa da maison e a perfumaria que pôs o mundo a olhar para este olho de maneira diferente. “Quebrámos as regras da publicidade com o filme do Spike Jonze e é assim que trabalhamos também na moda. Quando usamos uma peça Kenzo, estamos a quebrar regras. Em vez de fazermos alta-costura, estamos a fazer sweatshirts e sweatshirts diferentes de todas as outras. Fugir às convenções faz parte do nosso espírito”, afirma Patricia Tranvouez, diretora-geral da Kenzo Parfums, em entrevista ao Observador.

Humberto Leon e Carol Lim, os diretores criativos da Kenzo. © Divulgação

A indústria faz questão de separar as águas. É frequente encontrar perfumes inspirados nas heranças das respetivas maisons, mas nunca um designer de moda a infiltrar-se no processo criativo que uma nova fragrância envolve. Também há um ano, Loewe 001 marcou a mesma posição. Os perfumes unissexo tinham o dedo de Jonathan Anderson, o génio criativo que assume a direção criativa da marca espanhola, uma reunificação que traz à memória os tempos em que roupa e cosmética pisavam a passerelle juntos, em meados do século passado.

A verdade é que os perfumes são o lado mais acessível das grandes casas, o que para Patricia Tranvouez é só mais um motivo para garantir que a essência da marca atravessa todos os seus produtos, do frasco de 60€ à mala de 750€. “As duas coisas já estão muito próximas e nós somos uma das marcas onde isso é mais claro. Quando olha para a roupa e para os acessórios e depois para um perfume, o cliente vê a mesma marca. É o Ocidente a cruzar-se com o Oriente, com alegria, espontaneidade e um espírito livre”, conclui.

Tudo começou com Patricia a pegar no telefone e a ligar para Carol e Humberto e a desafiá-los a trocar a lógica com que pensam numa coleção de prêt-à-porter por um projeto artístico multissensorial. Desafio aceite. “Era o que eu queria desde o dia em que cheguei à Kenzo. Temos muita sorte em ter estes criadores incrivelmente talentosos, que exploraram várias formas da Kenzo se reinventar enquanto marca”, continua a diretora-geral. Desde a chegada da dupla, em 2011, que a Kenzo nunca mais foi a mesma. A marca fundada em 1970 por Kenzo Takada aproximou-se do streetwear ocidental, rejuvenesceu, manteve a veia nipónica intocada e tornou-se o amor de perdição de uma nova geração de consumidores. O eco da coleção outono-inverno de 2013 dura até hoje. Foi quando o olho surgiu pela primeira vez na linguagem Kenzo. Estampado ou bordado, continua a ser um ícone da marca, ícone esse que o designer Patrick Li levou à letra na hora de desenhar o frasco. Uma das muitas escolhas feitas por Carol e Humberto.

Campanha outono-inverno 2013. © Divulgação

A dupla de criativos voltou a ser decisiva na hora de escolher o realizador. Numa coisa todos estavam de acordo: tinha de ser um estreante no que toca a anúncios de perfumes, como sabemos uma área por onde já passaram grandes nomes do cinema. “Procurávamos um realizador que fosse um pouco louco, capaz de pensar numa verdadeiro obra-prima. Tivemos sorte porque estava ali o Spike Jonze, incrivelmente criativo, sem nunca ter feito nenhum anúncio de perfumes e um dos melhores amigos do Humberto”, conta Patricia. Um realizador dividido entre filmes — Being John Malkovich e Her são dois deles — e videoclips, área em que trabalhou com nomes como Beastie Boys, Björk, Daft Punk, Fatboy Slim e Kanye West. Uma combinação perfeita e percetível quando olhamos para O Meu Cérebro Mutante.

Na curta-metragem, a protagonista é Margaret Qualley. A atriz e ex-dançarina começa por abandonar um cenário opressor em troca da total liberdade de expressão e movimento. Uma coreografia frenética de Ryan Heffington acompanha pelo tema de Sam Spiegel & Ape Drums que, obviamente, não faltou na banda sonora da festa de quarta-feira. “Queremos atrizes e não top models. Para personalizar este equilíbrio entre força e sensibilidade, escolhemos sempre mulheres fortes, mas com um rosto delicado e a Margaret personifica a mulher Kenzo de uma forma perfeita. É uma beleza espontânea, acessível, sem arrogância, com simplicidade, exatamente o que queremos expressar em Kenzo World”, afirma Patricia.

Não menos vibrante é a própria fragrância, assinada por Francis Kurkdijan, o mesmo perfumista que compôs as fórmulas de dois perfumes da série Eau de Fleur, também da Kenzo. Kenzo World é uma overdose de flores, no final, mais quente do que a primeira impressão dá a entender. Sobressaem as peónias e o jasmim egípcio, com a sua faceta mais adocicada. O ambroxan é o ingrediente quente e corpulento desta equação, tornando o perfume mais intenso após alguns segundos. Também aqui, o trabalho passou pelos narizes de Carol e Humberto. “Graças a eles, a marca tem uma maior exposição e reconhecimento e isso fez com que fosse possível lançar um novo perfume com a colaboração da Carol e do Humberto. Tudo o que vemos está aqui por causa deles e não por nossa causa”, afirma o perfumista, em entrevista ao Observador.

Kenzo World Eau de Parfum está disponível em frascos de 30, 50 e 75 ml. Os preços são 59,50€, 85,45€ e 105,48€, respetivamente. © Divulgação

Kenzo World Eau de Parfum chegou a Portugal no início de setembro. O lançamento está a ser faseado e depois de França em 2016 e do resto do mundo em 2017, só fica mesmo a faltar o mercado chinês, onde a fragrância só deverá ser vendida no próximo ano. Para 2018 está também previsto o lançamento do eau de toilette. A receita está feita, mantém o bouquet de flores, e para elaborá-la, Kurkdijan deixou-se inspirar pelo trabalho de Spike Jonze. “Quando fizemos o eau de toilette já existia o filme, por isso acabou por ser mesmo uma inspiração. Já conhecíamos a história e concentrámo-nos naquele momento em que ela vem cá para fora e está alegre, luminosa, a sorrir e a expressar os seus verdadeiros sentimentos.”

O Observador viajou para Madrid a convite da Kenzo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt
Crónica

Meus pais e seus aparelhos eletrônicos

Ruth Manus

Parece que todos os aparelhos eletrônicos que os meus pais compram foram vítimas de algum tipo de maldição que tornou seu funcionamento algo absolutamente anormal. 

António Costa

O péssimo selvagem

Alberto Gonçalves

Numa única frase, o dr. Costa conseguiu incluir “tivemos”, do verbo “ter”, e “tive”, do verbo “tar”, sem perceber que um dos vocábulos apenas cabe nas sofisticadas conversas das altas esferas do PS.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site