Logo Observador
Orçamento do Estado

É urgente uma política que promova o crescimento económico

Autor
386

Se temos tido taxas de crescimento reduzidas a culpa não é da Zona Euro, mas sim de políticas económicas erradas, mais interessadas em benefícios eleitorais do que no aumento da produção nacional.

Os governos portugueses, sobretudo desde a criação da Zona Euro, em 1999, entenderam que a forma certa de promover o crescimento económico e o emprego seria sobretudo através de significativos aumentos da despesa pública. O resultado desta política foi um crescimento económico quase nulo e um pedido de resgate em 2011. Mas Portugal não é caso isolado, pois é possível referir que existem nos 28 países da União Europeia dois grupos distintos: a) os que optaram por pequenos ou nulos deficits orçamentais, por dívidas públicas inferiores a 60% do PIB, e por oferecerem às suas empresas condições favoráveis de competitividade, nomeadamente com uma legislação laboral flexível, com impostos baixos, e com apoios às despesas de investigação e inovação. Estes países alcançaram, por regra, taxas elevadas de crescimento. Estão neste grupo países como a Alemanha, Irlanda, Finlândia, Áustria, ou Holanda; b) os países que optaram por grandes deficits orçamentais e elevadas dívidas públicas, ignorando, em boa medida, os factores de competitividade das empresas. Registaram, por regra, taxas de crescimento reduzidas ou mesmo nulas. Estão neste grupo de países a Grécia, Itália, Espanha e Portugal.

Seria assim de esperar que Portugal, depois de um duro programa de ajustamento económico, quisesse evitar a repetição dos erros cometidos até 2011, adoptando finalmente uma política económica visando o crescimento. Não foi contudo essa a orientação do Governo que tomou posse no final de 2015. No estudo do Partido Socialista “Uma década para Portugal” de 2015 e posteriormente no Orçamento Geral de Estado (OGE) para 2016, entendeu-se que seria possível promover o crescimento económico voltando às políticas de aumento da despesa pública, ao aumento da dívida pública, e ignorando, ou mesmo prejudicando, os factores de competitividade das empresas portuguesas. Neste aspecto vale a pena salientar a decisão de não se reduzir o IRC, de existirem impostos que não incentivam o investimento nas empresas, de se reintroduzir a prática dos contractos colectivos de trabalho, de se reduzir a semana de trabalho para 35 horas, de se determinarem aumentos de salários muito acima do aumento da produtividade, ou de se permitirem aumentos dos custos portuários nas exportações devido à greve dos estivadores. Satisfazer as reivindicações dos diferentes grupos profissionais pode ser popular a curto prazo, mas acaba por prejudicar todos os portugueses, na medida em que ao diminuir a competitividade nacional, reduz as perspectivas de crescimento da economia. Não admira portanto que no último relatório do Global Competitiveness Index, a posição competitiva de Portugal tenha caído 8 lugares, prevendo-se que esta queda continue em 2016.

No referido estudo “Uma década para Portugal”, entendeu-se que se poderiam obter os seguintes resultados:

Workbook1 copy

Os resultados, como seria de esperar, foram contudo bastante diferentes. Se considerarmos as previsões do Banco de Portugal, da OCDE, do FMI e do Conselho das Finanças Públicas, são os seguintes os resultados esperados para 2016 e 2017:

Workbook1 (version 1) copy

No entanto, dentro da Zona Euro, são os seguintes os resultados médios esperados para a Irlanda, a Lituânia, a Espanha, a Eslovénia e a Eslováquia:

Workbook1 (version 1) copy

Se estamos a crescer, a investir e a exportar menos que outros países da Zona Euro, a culpa não pode ser atribuída á conjuntura económica internacional. Pelo contrário é a política económica errada portuguesa que explica os maus resultados obtidos. Neste sentido é difícil entender porque é que o actual Governo insiste numa política que já provou não resultar. Uma política económica correcta deveria antes reduzir a despesa pública e a carga fiscal sobre os portugueses, apoiando simultaneamente o crescimento das empresas portuguesas. É pertinente referir que actualmente são as empresas e não o Estado, que criam emprego e aumentam a produção interna. É também pertinente referir que a carga fiscal sobre os portugueses, em termos de poder de compra, é a quinta mais elevada dos 28 países da União Europeia. O deficit orçamental deve portanto ser reduzido pela redução das despesas públicas e não pelo aumento dos impostos.

A actual política económica começa e acaba no Orçamento do Estado, embora o consumo público represente apenas 18% do PIB, em comparação com o investimento e com as exportações que, em conjunto, representam 55,3% do PIB. Estas duas últimas componentes não têm contudo merecido do Governo qualquer atenção especial, e o novo imposto sobre o património imobiliário é apenas o último exemplo do que não se deve fazer para atrair o investimento. Este imposto não vai gerar receitas significativas, mas afastará certamente milhões de euros de investimento da nossa economia, tanto por parte de portugueses como de estrangeiros. Este é o principal problema do actual Governo, pois estimular as exportações e sobretudo o investimento, implica apoiar e criar condições favoráveis à actividade das empresas privadas, o que está em contradição com a ideologia do PCP e do BE. Contudo, sem investimento privado, que representa aproximadamente 72% do investimento total, não existirá crescimento da economia portuguesa. Este é contudo um problema que não existe nos restantes países europeus, onde o investimento privado é não só desejado, como apoiado e estimulado.

Vale também a pena referir que as economias que têm conseguido melhores resultados nos diversos continentes, como a Irlanda, Alemanha, Lituânia, Singapura, Coreia ou China, têm em comum terem sido capazes de criar condições empresariais que estimulam e atraem o investimento privado e produtivo. É o que Portugal deve também fazer, criando condições mais favoráveis para atrair novos projectos e novas empresas. Se não o fizermos, procurando apenas defender os interesses imediatos dos diversos grupos profissionais em Portugal, esses novos investimentos dirigir-se-ão para outros países.

Deste modo e dentro das medidas susceptíveis de promover o investimento e o crescimento económico, gostaríamos de salientar:

  • redução do deficit orçamental pela redução das despesas públicas, passando dos actuais 49% para cerca de 43% do PIB. Neste domínio deve ser salientada a urgência da reforma da segurança social, hoje financiada em 40% através de impostos;
  • estímulo da poupança interna, actualmente com um valor extremamente baixo, como forma de financiar o investimento,
  • tornar a legislação laboral mais flexível e próxima da dos restantes países europeus;
  • reduzir as tarifas de electricidade, eliminando as rendas excessivas, como forma de estimular a industrialização;
  • redução do IRC para 12%, tal como sucede na Irlanda, como forma de estimular o investimento e o aumento do PIB;
  • nos sectores de bens transaccionáveis, dedução em IRC de 50% do investimento realizado, até 75% da matéria colectável;

É importante referir que se temos tido taxas de crescimento reduzidas a culpa não é certamente da Zona Euro, mas sim de políticas económicas erradas, mais interessadas em benefícios eleitorais de curto prazo, do que no aumento da produção nacional. É importante que os portugueses tenham consciência que enquanto existir a actual política económica, o País terá apenas taxas de crescimento reduzidas ou nulas. Contudo esta política pode e deve ser alterada por vontade dos portugueses.

Administrador de empresas

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Família

O meu irmão António

Alexandre Patrício Gouveia
285

Quando temos a sorte de ter um irmão com boas qualidades humanas, todos nós nos lembramos de conceitos ou de atitudes que nos transmitiu e que servem como referências importantes.

Sistema Financeiro

O controle da banca em Portugal

Alexandre Patrício Gouveia
117

Não temos de aceitar todas as opiniões das autoridades europeias. Qualquer outro país do euro lutaria de forma firme para impedir que 80% do seu sector bancário pertencesse a um único país estrangeiro