Logo Observador
Presidenciais 2016

O baile de máscaras

Autor
762

Marcelo apostou em ser tão consensual e vago quanto a telenovela da hora do jantar. E num movimento reflexo do enlanguescimento que na decadência se confunde com táctica, o PS apoia dois candidatos.

Quando na festa dos 15 anos da SIC Notícias Ricardo Costa, microfone na mão e câmara a emitir, disse ao candidato presidencial Vitorino Francisco da Rocha e Silva, conhecido por Tino de Rans “É um bocadinho difícil de perceber o que é que você está aqui a fazer” e este lhe respondeu “Eu estou aqui porque fui convidado pela SIC” estava produzido o momento definidor da nossa presente situação política: nós estamos todos aqui, neste momento que sabemos de viragem, na qualidade de convidados.
Como aquelas pessoas, naquela ou em qualquer outra gala televisiva, sabemos que a vida real corre para lá do que não se vê: os fios, os cabos, gente com auriculares a correr, as ordens da régie… Enfim, tudo o que não se vê mas mantém a emissão no ar, mais os figurantes sempre a sorrir, vestidos a preceito (a informalidade é só para os actos institucionais, para a televisão como para as discotecas, veste-se o que é preciso para não correr o risco de ficar à porta!) dizendo como estão felizes por terem sido convidados…
Portugal neste início do 2016 vive um ambiente encenado de gala televisiva. Lá fora passam-se coisas que apenas entrevemos pelos cantos do cenário: o BANIF; Mário Nogueira, apaziguadamente formal à porta do Ministério da Educação, a dizer “vamos ver” e todos os dias “vemos” a escola pública a ser entregue à CGTP; as notícias festivas dizendo que “Paz social regressa ao porto de Lisboa” que é como quem diz que os sindicatos vão continuar a controlar quem pode ou não ser contratado; a reversão da privatização dos transportes públicos e da TAP que “volta para o Estado, com ou sem acordo”
Cada um de nós sabe que num determinado momento – quando? – tudo isto se desmoronará mas até lá sorrimos como os convidados da gala. Entretanto dizemos banalidades como os convidados da gala. E sorrimos quase vingados quando alguém perante o “faz de conta que te estou a fazer uma pergunta” responde o óbvio que os outros calam: estou aqui porque fui convidado. Convidado por ti. Para que tu tivesses espectáculo. Para que eu aparecesse.
Tudo isto é uma fantochada mas é a nossa fantochada.
O primeiro-ministro, que chegou a São Bento como descarado penetra de festa televisiva, volta a sentar-se entre os seus parceiros da Quadratura do Círculo e, magia da televisão, voltamos a ouvir o “ó António” para aqui e para ali..! Como se dirá nas revistas cor-de-rosa (sim as políticas e as outras ditas de referência que também fazem política geralmente cor-de-rosa), é tudo gente gira.
Aliás é tudo tão giro que o próprio António continua a falar como se não distinguisse São Bento dos estúdios de Carnaxide: “O Governo tem pouco mais de um mês e a direita, que começou por ficar raivosa pela existência do Governo, está agora mais raivosa porque não só o Governo existe como também porque o Governo funciona.” – Telegénico um primeiro-ministro a falar assim, não é? Dá soundbyte não dá? Como diriam os colegas da Quadratura, “ó António” a direita raivosa é um boneco não é?
Já os candidatos presidenciais passaram os debates televisivos a protagonizar a prova “Se eu for presidente…” Em televisão há quem cante, quem faça imitações, conte a sua vida e faça outras coisas que para o caso não são chamadas. Os candidatos presidenciais, esses resolveram mostrar como desempenhariam o papel do general Franco quando este além de generalíssimo dos exércitos da Espanha, era também chefe de governo, sendo que Franco, o caudilho, apesar de tudo, só mandava em Espanha e os nossos “vamos fazer de conta que somos presidentes” também se propõem mandar na Europa. Aliás quanto menos possibilidades têm de ser eleitos maior é o delírio sobre os poderes presidenciais.
Se isto fosse a sério dava vontade de chorar mas como estamos neste ambiente de gala de fim de regime não espanta. Emociona e chama-se participação popular.
Claro que temos Marcelo que não, não é um produto televisivo. Parafraseando alguém cujo nome devia ter fixado para aqui o citar, há quantos anos e milhares de horas faz comentário televisivo, escrito e radiofónico Pacheco Pereira? Quantos votos teria ele caso se candidatasse?
Marcelo percebeu sim muito antes dos demais, as vantagens que esse mundo lhe traria. Com o talento e a inteligência que tem (sim, o talento e a inteligência existem e não estão distribuídos equitativamente entre os mortais e muito menos entre os candidatos destas presidenciais) Marcelo, o filho prodígio da família Rebelo de Sousa, o professor amado, o orador brilhante, não quis para si uma campanha dura como a primeira de Eanes, ou a de Freitas e muito menos as protagonizadas por Cavaco.
Ou seja não quis ver-se transformado, como sempre acontece com os candidatos não apoiados pela esquerda, no perigoso fascista que mal chegue a Belém porá em causa os pilares democráticos do regime. Marcelo, que tudo podia, apostou em não ser nada tornando-se tão consensual e vago quanto a telenovela da hora do jantar que todos vêem, o que ainda contribui mais para adensar o ambiente decadente deste baile de máscaras: por razões diversas, à direita e à esquerda, alimenta-se o mito de que, uma vez eleito, no momento certo, Marcelo finalmente revelará as suas convicções. E num movimento reflexo – afinal estamos num baile! – do enlanguescimento que na decadência se confunde com táctica, o PS declara apoiar dois candidatos! Já agora porque não três ou quatro?
De facto, como dizia Ricardo Costa, é um bocadinho difícil de perceber não o que aquele que os jornalistas tratam como Tino de Rans está aqui a fazer mas sim todos nós.
Sabemos que algures o cenário vai ser desmontado, as luzes vão apagar-se, a emissão cair e então ficaremos constrangidos, diante de nós mesmos, no meio de uma crise bem mais grave que a de 2011. E não me refiro apenas ou sobretudo à economia. Falo sim das institituições afectadas por algo muito mais corrosivo que o deficit: o ridículo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
politicamente correto

Um país onde se fala ao contrário

Helena Matos
1.389

Falar ao contrário implica treino diário. Esta semana treinámos os seguintes conceitos: opositor à guerra a que se chamava colonial, escola privada, barrigas de aluguer e golpes. Para a semana há mais

Segurança Social

Saudemos os novos camaradas controleiros!

Helena Matos
1.719

Donde vêm estes denominados gestores da Segurança Social? Quem são?... Depois da conquista do soviete da Educação, chega a vez de a Segurança Social criar um comissariado de gestores-controleiros.  

Europa

Porta-te bem, para levares um beijinho.

Helena Matos
913

Esta espécie de revolução a retalho em que os radicais nos mantêm depois de terem desistido de a fazer por grosso, permite-lhes condicionar a sociedade muito para lá do poder que o voto lhes dá.

Família

O meu irmão António

Alexandre Patrício Gouveia
117

Quando temos a sorte de ter um irmão com boas qualidades humanas, todos nós nos lembramos de conceitos ou de atitudes que nos transmitiu e que servem como referências importantes.

Canadá

Trudeaus caídos

Maria João Marques
246

Um marido agressivo e uma mulher que depende profissionalmente dele. Que casal mais convencional e entediante. Em suma: um bom retrato da esquerda progressista. Ou dos caídos do Olimpo socialista.

Natalidade

A família tradicional é inimiga da natalidade

Luís Aguiar-Conraria
251

Nos países desenvolvidos, tarefas domésticas partilhadas são essenciais para a natalidade, pelo que, se não tivermos como ideal o México ou a Turquia, as políticas devem promover a igualdade.

Áustria

A história repete-se ou não?

Rui Ramos
121

Se os europeus quiserem repetir a boa história dos anos 80 e não a má história dos anos 30, precisam de preservar os fundamentos internacionais da liberdade e da prosperidade: a NATO e a UE.

Hospitais

O panóptico do Rilhafoles

Luis Carvalho Rodrigues

O panóptico, ou Pavilhão de Segurança, foi construído para acolher os “alienados criminosos” que, como disse um colega de Bombarda, Júlio de Matos, não podiam ser misturados com os “alienados comuns".

Startups

Empreendedores por conta de outrem

João Cândido da Silva

Empreendedores são todos aqueles que, mesmo trabalhando por conta de outrem, partilham o risco e são partes interessadas no sucesso do projeto.