O Teatro Rápido anunciou, esta quinta-feira, através de um comunicado, que as cortinas se vão fechar no final deste mês. Pelo menos temporariamente. Dificuldades financeiras estão na origem da decisão.

“Durante estes dois anos, o Teatro Rápido foi mantido, ainda que com dificuldades, sem qualquer apoio, privado ou institucional”, pode ler-se no comunicado enviado à Agência Lusa. Verificou-se “uma acentuada quebra do número de espetadores nos últimos meses”. Juntando-se a isto a “impossibilidade de obter fontes alternativas de financiamento”, devido à conjuntura atual, foi decidido que as portas teriam de fechar.

O diretor do Teatro Rápido, Alexandre Gonçalves, continua a acreditar no projeto e acrescenta que pretende retomá-lo “em breve, em condições sustentáveis”.

Propriedade de Encena de Quem É de Cena – Associação de Produção de Espetáculos, o Teatro Rápido ganhou, em 2012, por votação do público, o prémio da revista Time Out de melhor novidade do ano. Até ao fim do mês, ainda será possível assistir a algumas micropeças na sala do Teatro Rápido. “Onde é que julgas que vais”, de Tiago Torres da Silva, “A Camisa, o Vestido e a Janela”, dramaturgia construída a partir de “Peças Amorosas” de André Murraças, “Natália”, de Renato Pino, e “C10H14N2”, de Sandra José são os espetáculos que serão exibidos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O Teatro Rápido também anunciou o termo da programação para a infância, no final de maio, mas admite o regresso da programação para os mais novos, em setembro, segundo o anúncio de abertura da sua página na internet.

A Encena Quem é de Cena – Associação de Produção de Espetáculos vai manter-se legalmente detentora do conceito de “teatro rápido”, em Portugal, como tem feito até agora, e assume todos os compromissos com as equipas envolvidas, conclui o comunicado.