Desporto

Esta taça foi do Wolfsburgo, outra vez

Reviravoltas, golaços e emoção. A final da Liga dos Campeões feminina no Restelo teve tudo e acabou com a 2.ª conquista seguida do Wolfsburgo (4-3). Nem o 'Pelé de Saias' safou as suecas do Tyresö.

Wolfsburgo sagra-se bicampeão

JAVIER SORIANO/AFP/Getty Images

Autor
  • Diogo Pombo

A final começou por não ter nada de sueco. Durante 25 minutos, as oportunidades de golo só piscaram o olho às alemãs – aos 14 e 25 minutos, Popp e Soberg quase marcaram. Na decisão de quinta-feira, no Estádio do Restelo, a bola rolava entre os pés das jogadoras do Wolfsburgo, campeãs em título, e as do Tyresö assistiam. Marta incluída, que guardava o seu lugar à direita do ataque.

E fala-se nela porquê? Por ser a brasileira que, aos 28 anos, já ganhou a Bola de Ouro cinco vezes consecutivas. Ou seja, foi a melhor do mundo para a FIFA entre 2006 e 2010. E na primeira vez que foi experimentar a relva a meio do campo justificou-o – recebeu uma bola à entrada da área, arrancou, ultrapassou duas alemãs e depois marcou. 1-0, Marta aparecia e o jogo animava.

Animou mesmo. Dois minutos volvidos, Verónica Boquete, espanhola que passara a bola a Marta no primeiro golo (chamar-lhe assistência seria demasiado), desviou de cabeça um cruzamento de Christen Press, norte-americana que fugiu, fugiu e fugiu com a bola até que alguém aparecesse na área para a poder cruzar. 2-0, mas aqui nada de Marta.

O intervalo chega e dá tempo para um pouco de contexto. O estádio do Restelo recebeu a 13.ª final da Champions feminina. Prova que, até agora, tem sido bipolar – houve sempre uma equipa alemã ou sueca (ou ambas) na final. Em 2004, aliás, foi no Umeå da Suécia que Marta, ainda com 18 anos, conquistou a sua única Liga dos Campeões.

A segunda parte começa, o futebol regressa e o Tyresö amolece. Tanto que, logo aos 47 minutos, o Wolfsburgo marca. Popp dá o primeiro grito e reduz. 2-1. Seis minutos passam e as alemãs não param de atacar. É oportunidade atrás de oportunidade. Aos 53 minutos as suecas tentam reagir, deixam o Wolfsburgo contra-atacar e Müller empata. 2-2.

E agora, Tyresö? A resposta vem de Marta, que logo aos 58 minutos volta a inventar sozinha. A brasileira recebe uma bola dentro da área, corta para dentro e, de pé direito (é canhota) remata em arco para o ângulo da baliza. Golo, 3-2 e mais um obrigado que a equipa ficava a dever ao ‘Pelé de Saias’ – apelido pelo qual é conhecida no Brasil.

Marta reagia. O problema é que as pernas do lado sueco já pouco tinham para dar. O golo da brasileira teve o efeito contrário e abriu a comporta a uma nova vaga de ataques do Wolfsburgo. Com isto, a resistência do Tyresö quebrou por duas vezes: aos 68 minutos deixou passar o 3-3, marcado por Faisst e, aos 80, Müller faz o 4-3 e o seu segundo golo do jogo. Havia dez minutos para recuperar mas as forças na reserva das suecas apenas serviram para aguentar.

O Tyresö não sofreu mais nenhum golo, nunca estive perto de empatar e Marta não mais apareceu. As alemãs, do outro lado, não abrandavam e correram atrás do quinto golo até ao último apito. Não foi preciso. A taça serviu de recompensa a um Wolfsburgo que renasceu duas vezes em hora e meia e, deste modo, levanta pelo segundo ano seguido a taça da Liga dos Campeões feminina.

A ‘Pelé de Saias’ continua com cinco Bolas de Ouro e voltou a brilhar quando quis. Verdade, mas não apaga outra – já não leva uma Champions para casa há dez anos.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)