Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A América Latina vai estar em destaque na edição 2014 do Próximo Futuro, que começa esta sexta-feira na Gulbenkian, em Lisboa. O Tributo a Carmen Miranda e a Festa da Literatura e do Pensamento da América Latina são alguns dos destaques da programação, que inclui debates, música, cinema e artes plásticas.

O ponto de partida para esta festa cultural dá-se com a inauguração, ao final da tarde de sexta-feira, de obras expostas no jardim da Fundação Calouste Gulbenkian, e que fazem parte da exposição maior que está instalada na galeria do Piso 0 da Sede da Fundação. Inaugura-se também o Totem, uma criação do atelier Subvert, de Tiago Rebelo de Andrade e Diogo Ramalho que “nasce de uma vontade de fantasiar todo um continente – a América do Sul – num objecto arquitetónico”, como se pode ler na página do evento.

O Estado das Artes é o tema do primeiro encontro da Festa da Literatura e do Pensamento da América Latina, que começa às 19h00. Até domingo, o espaço de debate promove conversas sobre várias questões em torno da América Latina contemporânea, a começar pela ideia de uma identidade latino-americana, e se tal conceito existirá de facto.

Depois do jantar, às 22h00, inaugura a exposição de artes visuais “Artistas Comprometidos? Talvez“, que pode ser visitada até 7 de setembro e que apresenta trabalhos de 21 artistas vindos de África do Sul, Brasil, França, Argélia, Marrocos, Moçambique, México, Argentina, Áustria, Colômbia, Guatemala e Portugal. A entrada custa quatro euros, mas é gratuita aos domingos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O primeiro dia acaba à meia-noite com o clássico Baile na Garagem da Fundação Calouste Gulbenkian. Lyndon Barry convida La Flama Blanca, DJ que nos últimos dois anos tem levado aos clubes lisboetas os sons latino-americanos.

No sábado, o destaque vai para a homenagem a Carmen Miranda, cantora e atriz luso-brasileira cujo legado continua bem vivo, embora já tenha falecido há quase 60 anos. Às 21h30, no anfiteatro ao ar livre, recorda-se a cantora mais internacional alguma vez nascida em Portugal, com samba e outro ritmos tropicais protagonizados pelos Real Combo Lisbonense. Os bilhetes custam 15 euros.

Na segunda-feira, o Próximo Futuro acolhe uma estreia mundial no anfiteatro ao ar livre, às 22h00. O filme “Yvone Kane“, de Margarida Cardoso, é uma co-produção do Próximo Futuro e da Filmes do Tejo II e fala do reencontro de uma filha com a sua mãe num país africano depois de muitos anos de afastamento. Assistir ao filme custa três euros.

Criado em 2009, o Próximo Futuro dedica-se à relação entre a produção e a criação contemporâneas em cidades de África, da Europa, da América Latina e das Caraíbas. A programação para os próximos três dias, bem como para as primeiras duas semanas de Setembro, está disponível no site.