Rádio Observador

Futebol

Federação do Gana acusada de usar esquema de combinação de resultados

684

Investigação de media britânicos: Presidente da Federação do Gana assinou acordo para seleção alinhar em amigáveis organizados por 'match fixers' - com árbitros comprados e resultados definidos.

Portugal vai jogar com o Gana na próxima quinta-feira

Laurence Griffiths

É mais um caso de acusações de fraude na FIFA, que promete levantar algum pó no Mundial que decorre no Brasil. Uma investigação com repórteres infiltrados levada a cabo pelo jornal britânico The Telegraph e pelo programa de investigação Dispatches do Canal 4, da televisão inglesa, concluiu que o presidente da Associação Ganesa de Futebol (GFA) estará envolvido num esquema de participação do Gana em jogos amigáveis fraudulentos, isto é, com combinação prévia de resultados.

A seleção do Gana, que está neste momento a disputar com Portugal, EUA e Alemanha um lugar nos oitavos-de-final do Mundial do Brasil, inclui estrelas de futebol como Kevin-Prince Boateng, ex-jogador do Tottenham e irmão do alemão Jerôme Boateng, e o ex-jogador do Chelsea Michael Essien. Não há, no entanto, qualquer indício de que estes ou quaisquer outros jogadores da seleção estejam envolvidos no esquema de combinação de resultados.

A investigação do Telegraph e do Canal 4 já dura há seis meses e teve início depois de os jornalistas terem recebido informações de que algumas federações de futebol estariam a trabalhar com gangues criminosos, responsáveis por corromper os resultados de partidas de futebol internacionais.

Infiltrados

Como parte da investigação, jornalistas do Telegraph, juntamente com um antigo investigador da FIFA, infiltraram-se no meio fazendo-se passar por representantes de uma empresa de investimento que procurava ‘patrocinar’ os jogos. Sob este disfarce os repórteres conseguiram reunir-se com os responsáveis da Associação de Futebol do Gana e com agentes da FIFA e obter, assim, as informações necessárias para sustentar as alegações de fraude.

Neste seguimento, relata o Telegraph, os investigadores infiltrados chegaram a reunir-se com o próprio presidente da federação do Gana, assim como com Christopher Forsythe, um agente registado da FIFA, e Obed Nketiah, uma figura sénior da Federação Ganesa de Futebol, que assinou um contrato que permitia a seleção de participar em jogos combinados a troco de centenas de milhares de dólares. Por jogo, a federação receberia 170 mil dólares e permitia que uma empresa falsa de investimento nomeasse os árbitros das partidas, numa clara violação das regras da FIFA.

“Escolhemos sempre as federações/países com cujos árbitros sabemos que podemos contar”, dizia o agente da FIFA , Christopher Forsythe, quando questionado pelos investigadores infiltrados sobre o grau de eficácia do esquema. “Os árbitros escolhem resultados a toda a hora, até no Reino Unido isto acontece”, dizia Forsythe depois de uma reunião em Londres. E, de acordo com o Telegraph, até fez uma lista de países africanos e europeus onde “podemos procurar árbitros que estejam na nossa sintonia”.

O funcionamento era simples: “Se nós escolhermos o árbitro, vocês conseguem o vosso dinheiro”. Mas para isso “vocês [a empresa, fictícia] têm sempre de vir ter connosco para dizer como querem que o jogo fique…que resultado querem”, explicava às tantas o agente da FIFA Christopher Forsythe. “Têm é de dar alguma coisa aos árbitros, que vão fazer muito por vocês”, acrescentava Obed Nketiah que, além de representante da Associação Ganesa de Futebol é também chefe executivo do clube de futebol Berekum Chelsea, do Gana, e membro do comité da seleção de sub-20.

Reunião em Miami, nas vésperas da copa

No início deste mês de junho, a poucos dias de começar o campeonato do mundo, os dois responsáveis – Forsythe e Nketiah – apresentaram os jornalistas infiltrados ao próprio presidente da federação, Kwesi Nyantakyi. A reunião decorreu num hotel de cinco estrelas em Miami, onde a seleção do Gana se preparava para jogar contra a Coreia do Sul, numa partida de preparação antes de rumar ao Brasil.

Terá sido nessa reunião, descreve o Telegraph, que o presidente assinou o contrato que dizia que a tal empresa de investimento poderia escolher o árbitro para cada jogo, a troco de 170 mil dólares pagos à federação (por cada partida). A cláusula não deixava dúvidas: “A empresa irá nomear e pagar pelos árbitros que serão escolhidos após consulta com um membro da FIFA previamente combinado”, escreve a investigação do jornal britânico.

Durante essa reunião o presidente da federação terá sugerido que a empresa fictícia actuasse em dois jogos depois do Mundial do Brasil para provar que era capaz, numa espécie de período experimental. “Haverá uma oportunidade em agosto e outra em dezembro”, disse o presidente Kwesi Nyantakyi. “Esses meses parecem ser os únicos onde poderemos fazer amigáveis”, disse. O acordo ficou estabelecido e ficou decidido que iria mesmo ser testado num jogo amigável, a título experimental.

Questionado pelo jornalista infiltrado sobre se estava satisfeito com o acordo, o presidente foi claro: “Yeah”. “Então podemos começar a trabalhar num jogo experimental?” – “Yeah”, voltou a responder.

Confrontados com a operação, tanto Christopher Forsythe, da FIFA, como Obed Nketiah e Kwesi Nyantakyi da GFA negaram todas as acusações e todos os acordos que os jornalistas dizem ter feito. Entretanto, escreve o Telegraph, a Federação anunciou na noite passada que já tinha aberto uma investigação junto da polícia contra Forsythe e Nketiah por “deturparem a imagem da GFA numa tentativa de fraude” e que o caso já tinha sido reportado à FIFA e à CAF – Confederação Africana de Futebol.

Mundial é vulnerável e FIFA tem de agir

De acordo com o Telegraph, Terry Steans, um ex-investigador da FIFA, acredita que o Mundial de Futebol é uma competição “vulnerável” aos esquemas de combinação de jogos. “Sei que o Mundial é vulnerável a este tipo de gangues criminosos porque há redes de contactos a todos os níveis dentro da competição e estes gangues podem aproveitar-se da fragilidade de qualquer seleção para as explorar”, disse.

“Esquemas de combinação de resultados estão por toda a parte. Acontece a todos os níveis – do regional para o nacional e o internacional – e em muitos países. A FIFA tem de fazer mais para reverter esta situação”, acrescentou Terry Steans ao mesmo jornal.

As últimas revelações deverão voltar a fazer pressão sobre a FIFA, que já está mergulhada numa enorme controvérsia sobre a forma como gere o futebol internacional. No último mês, o presidente Joseph Blatter voltou a enfrentar exigências de demissão depois do escândalo sobre a realização do mundial no Qatar em 2022, onde se alega que a FIFA recebeu milhões de dólares para avançar com a organização da competição naquele país.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)