Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O que fazer se uma coruja ou outra rapina noturna lhe entrar dentro de casa? Acima de tudo não entrar em pânico. A ave estará provavelmente muito mais assustada. Embora Colton Wright se tenha esforçado por ajudar a coruja que tinha na cozinha, foram 40 minutos de stress tanto para o dono da casa como para o animal.

Contactada pelo Observador, a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) diz que “o exemplo que é mostrado no filme não deve ser seguido de maneira nenhuma”. Tanto a ave como a pessoa podem sair magoadas desta experiência.

Por um lado uma ave asustada pode chocar contra a parede ou contra outros objetos e partir uma asa. Sem voar a ave não pode caçar, logo não sobrevive. Por outro lado, as aves de rapina têm garras e bicos fortes e afiados, que podem provocar ferimentos nas pessoas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Nuno Oliveira, biólogo na SPEA, deixa algumas orientações simples: abrir a janela para a ave poder sair, desligar as luzes (caso estejam acessas) e deixar a sala sossegada. Quando estiver calma e sem se sentir ofuscada pelas luzes artificiais, a ave acaba por sair.

Caso isso não aconteça, pode sempre contactar o Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA) da GNR ou o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF). As equipas estão preparadas para o resgate destes animais.

Se tiver a sorte de nenhuma lhe entrar dentro de casa, pode sempre põr o ouvido à escuta.